- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
domingo, 22 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

PARÁ: ‘Volto um melhor aprendiz’, diz Jader Barbalho no retorno ao Senado

Mais Lidas

Empossado senador na tarde desta quarta-feira (28), em pleno recesso parlamentar, o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) afirmou, em sua primeira entrevista já como senador, que retorna ao Senado na condição de um “melhor aprendiz”. Barbalho deixou o Senado em 2001, quando renunciou ao cargo para evitar um possível processo de cassação relacionado a suposto desvio de recursos.

“Medroso eu nunca fui. Acho que o medo e a dor são dois sintomas que o ser humano tem de ter. Evidentemente que eu tenho procurado fazer da minha vida um aprendizado. Eu volto um melhor aprendiz”, disse o senador.

Jader Barbalho assumiu o mandato em rápida cerimônia, logo após a reunião da Mesa Diretora, comandada pela vice-presidente da Casa, senadora Marta Suplicy (PT-SP). Depois do juramento, o senador foi diretamente para a sala da liderança do PMDB, onde conversou com jornalistas.

Barbalho lamentou não ter assumido antes o cargo. Ele havia sido barrado pela Lei da Ficha Limpa e ganhou condições de assumir o cargo por uma decisão do Supremo Tribunal Federal, que não considerou a lei como válida para a eleição de 2010, em que obteve quase 1,8 milhão de votos. No lugar dele, tomou posse Marinor Britto (PSOL-PA), que recebeu 727,5 mil votos.

“Eu lamento que, a partir que do momento que o Supremo declarou que a lei era a inconstitucional, eu não ter o direito de exercer o mandato, que me foi concedido pelo povo do Pará. Lamento profundamente, mas o mandato de senador é longo, de oito anos, e eu terei mais de sete anos para exercer o mandato pelo Pará, e devolver a solidariedade ao povo do Pará. Não foi uma eleição fácil […] Eu nunca tinha enfrentado um adversário tão difícil”, afirmou.

Renúncia

O peemedebista lembrou o episódio que teve de renunciar ao mandato, em 2001, e especialmente o seu principal adversário político na época, o senador Antonio Carlos Magalhães, já falecido.

“Esta é até uma homenagem que eu quero fazer ao Antonio Carlos, que na última entrevista que ele deu disse que o episódio mais difícil da carreira dele foi ter se confrontado comigo. Eu gostaria de retribuir esta homenagem a ele neste momento”, disse.

Barbalho afirmou que, naquela época, renunciou porque não tinha “clima” para permanecer no cargo.

“Eu renunciei porque tinha um clima impossível de permanecer no plenário, impossível de algum tipo de julgamento político que não fosse passional. O embate político tinha sido muito grande. Eu quero inclusive dizer para vocês que, em certa forma, me arrependo da passionalidade que eu me permiti. O meu gesto [ao renunciar] foi de natureza política”, disse.

Adversários

Jader Barbalho afirmou que, desta vez, não quer cultivar adversários pessoais no Senado. “O adversário que eu elegi são as dificuldades do Brasil. Eu não tenho tempo a perder com divergências de natureza pessoal, com questões pessoais”, afirmou.

Sobre a possibilidade de assumir a liderança no PMDB na Casa, o mais novo senador afirmou que chega na Casa “no final da fila”.

“Eu fui seis anos e meio líder do PMDB. Entro aqui no final da fila, como recruta, para aprender ainda mais no Senado e colaborar com os projetos do país. Não sou candidato a nenhum posto.”

Novo integrante da base do governo, ele elogiou o trabalho da presidente da República, Dilma Rousseff, mas adiantou que, dependendo da situação, poderá divergir de interesses do governo.

“Em princípio, eu aceito a posição do meu partido. Evidentemente que isso não me impede de vir a divergir. Eu devo meu mandato ao povo do Pará”, disse.

Filho

Ao final da entrevista, Jader ainda ouviu uma pergunta do filho, Daniel, de 9 anos, que chamou a  atenção pelas brincadeiras. O garoto perguntou ao pai qual era a principal denúncia de um vereador do PMDB, e o senador corrigiu.

“Filho, é senador”. O garoto, então, retrucou. “Tanto faz, senador, vereador”. Em tom de brincadeira, Jader respondeu. “Rapaz, tu não sabe o que é essa gente”, falou ao filho, referindo-se aos jornalistas. Diante das risadas, o senador disse ao filho: “Depois eu te dou uma entrevista exclusiva em casa”. (G1 / Foto: Beto Barata – Agência Estado)

- Publicidade -spot_img

6 Comentários

Assinar
Notificar-me
guest
6 Comentários
Mais antigo
Mais recente Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
banzeiro

Tenho conhecimento do poderil que o senhor Barbalho tem no Estado do Pará mas, nosso SENADO dar posse em pleno recesso é nada mais nada menos que gozação da cara dos brasileiros.Pois, se fosse para votar uma materia importante favorável ao povo, jamais tomavam alguma iniciativa. (porque não dar posse somente em fevereiro quando retornar do recesso?)Isto é UMA VERGONHA!

Profª. LF

Concordo “Banzeiro” e com certeza os integrantes satisfeitos do SENADO levaram algum….

Francisca

A imagem do filho, retrata exatamente o que o senador gostaria de fazer conosco.

clayvidson

As vezes tenho VERGONHA DE DISSER QUE SOU BRASILEIRO . Esse brasil virou uma piada . Esse “CARA” porque um LADRÃO DESE NÃO SE PODER CHAMA DE CIDADÃO ,Esse supremo e uma piada .. Manda um senador que tem mil processos voltar pro senado ta de pricadeira ….

deto

Eu quero saber pra q serve o SENADO FEDERAL se não só para acoitar na sua grand maioria os velhos DINOSSAOUROS SANGISSUGAS INSACIÁVEIS do bem público. E pra q tantos parlamentáres, sendo q 333 parlamentares na CAMARA FEDERAL seria um número mais do q satisfatório. Mais do q isto é abusar da nossa inteligência. E extinguir de vez este SENADO, ou melhor esta POUCA VERGONHA! E com isto, concequentimente faziarmos uma verdadeira lavagem pelas as ASSEMBLÉIAS e CAMARAS MUNICIPAIS pelo BRASIL a fora propocionalmente ao corte da CAMARA FEDERAL. Aí sim o BRASIL estaria sendo passado a limpo! Isto só seria possível se todos os homens e mulheres de bem, revindicassem!!!

DETO

Este SENADO FEDERAL só mesmo é para acoitar na sua grand maioria os velhos DINOSSAOUROS SANGISSUGAS INSACIÁVEIS do bem público. E pra q tantos parlamentáres, sendo q 333 parlamentares na CAMARA FEDERAL seria um número mais do q satisfatório. Mais do q isto é abusar da nossa inteligência. E extinguir de vez este SENADO, ou melhor esta POUCA VERGONHA! E com isto, concequentimente faziarmos uma verdadeira lavagem pelas as ASSEMBLÉIAS e CAMARAS MUNICIPAIS pelo BRASIL a fora propocionalmente ao corte da CAMARA FEDERAL. Aí sim o BRASIL estaria sendo passado a limpo! Isto só seria possível se todos os homens e mulheres de bem, revindicassem!!!

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias