Connect with us

Pará

Passageiros da Transbrasiliana feridos em acidente reclamam da falta de assistência

Publicado

em

Sem título1Passageiros que ficaram feridos em um acidente com um ônibus da Transbrasiliana na BR-155, sudeste do Pará, reclamam da falta de assistência da empresa. O ônibus tombou na noite de sábado (13), após o motorista desviar de um animal que atravessava a rodovia.

A dona de casa Aline Barros está com o rosto cheio de hematomas, desde o final de semana ela sofre com dores em todo o corpo. Ela foi uma das vítimas do acidente de ônibus no sábado (13) e reclama que não recebeu ajuda da empresa responsável pelo transporte.

“Quase não dormi, sinto muitas dores no meu pescoço, na perna e no meu rosto.  Estou com muita dificuldade de me alimentar. Eles passaram uns exames pra fazer, mas isso custa dinheiro e no momento a gente está sem condições. A empresa não entra em contato conosco”, afirma a dona de casa.

A viagem era para ser de férias. Aline saiu de Conceição do Araguaia, no sudeste do estado, com o marido e o filho de três meses, em um ônibus da empresa Transbrasiliana. O veículo tombou na BR-155, entre os municípios de Marabá e Eldorado do Carajás, depois que o motorista desviou de um animal que atravessava a rodovia.

Segundo o soldador Diego Barros, esposo de Aline, ela ficou muito ferida porque não havia cinto de segurança para todos os passageiros. “Se tivesse todo mundo de cinto, ninguém tinha se machucado assim não. Ele [ônibus] só virou de cabeça para baixo,  se nós tivéssemos o cinto, tinha virado, ficava todo mundo de cabeça para baixo e depois tirava o cinto e descia”, explica Diego.

Sem títuloA família chegou a Belém em outro ônibus, da mesma empresa, que estava em péssimas condições.  O veículo tinha cintos de segurança quebrados, a cabine do motorista estava bastante danificada e o banheiro, sem condições de uso.

A dona de casa Maria Cardoso, de 81 anos, quebrou o braço, a costela e sofreu traumatismo craniano. Ela esperou dias para ser transferida para Belém e aguardou por uma cirurgia no corredor do hospital municipal de Marabá.

A nutricionista Nivia Cardoso estava com a avó na hora do acidente e estava preocupada com o atendimento da idosa. “A empresa não prestou essa assistência urgente. O que era pra ela [empresa] ter feito? Encaminhava para o hospital particular para ser rapidamente atendida, fazer essa cirurgia para não correr risco, quanto mais o tempo passa, o risco aumenta”, afirma Nivia.

De acordo com a Agência Estadual de Regulação e Controle de Serviços Públicos (Arcon), existem atualmente apenas 50 pessoas para fiscalizar os terminais de ônibus do Pará. Sendo que a maioria delas no período das férias escolares se concentra no nordeste paraense, onde estão os principais balneários do estado.

“Precisa aumentar. Nós inclusive já encaminhamos para a Secretaria de Infraestrutura o pedido de um acréscimo nesse contingente nosso. Nosso estado é muito grande, tem muitas áreas que precisam realmente ser melhor fiscalizadas”, afirma Antônio Neto, diretor da Arcon.

Já a empresa Transbrasiliana diz que o veículo que tombou estava em boas condições de uso e que prestou a assistência necessária aos certa de 40 passageiros. “Toda assistência foi prestada no local do acidente e depois, lá na cidade de Marabá, e a empresa está a disposição para dar qualquer atendimento, para qualquer passageiro que participando da viagem tenha sofrido qualquer ferimento”, esclarece Almiro dos Santos, gerente da Transbrasiliana.

Após a reportagem ter entrado em contato com a empresa, a idosa foi transferida para fazer cirurgia em um hospital particular de Marabá. A Transbrasiliana disponibilizou os telefones 3235-5321 e 3323-5400 para as vítimas entrarem em contato com a empresa.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

TUCURUÍ: Independente vence Tapajós por 1 a 0

Publicado

em

A partida entre Independente e Tapajós foi marcada por oportunidades de ambas equipes de marcarem gols, mas apesar das chances, somente Danrlei soube aproveitar, marcando o único gol do confronto. Tanto o Boto, quanto o Galo, não conseguiram ser felizes na finalização.

No grupo C o Águia de Marabá e o Independente venceram na primeira rodada e conquistaram três pontos, ficando nas primeiras colocações da tabela. O Castanhal empatou em 1 a 1 com o Paysandu e está na terceira colocação. Já no grupo B, Tapajós, Carajás e Tuna perderam e não conquistaram nenhum ponto ainda. O Clube do Remo joga na segunda

Na segunda rodada o Independente enfrenta a Tuna Luso no Estádio Souza em Belém. A partida será no sábado (6) às 9h30. Já o Tapajós “recebe” o Águia de Marabá no domingo, dia 7 de março às 16h.

Continue lendo

Pará

MARABÁ: Águia estreia no Parazão 2021 vencendo a Tuna Luso

Publicado

em

Em uma partida bastante corrida no estádio Zinho de Oliveira, em Marabá, na região de Carajás, o Águia venceu a Tuna Luso, por 3 a 2, e estreou com vitória no Parazão 2021.

O Águia começou em ritmo acelerado e logo aos 8 minutos do primeiro tempo, Wendell mandou no segundo pau, a defesa da Tuna errou o corte e Da Silva finalizou com força, estufando as redes. Logo depois, aos 11 minutos, Bruno Limão faz lançamento longo para Veraldo, que recebeu na meia-lua e tocou por cima de Evandro Gigante, ampliando o placar para o Águia. Aos 19 minutos, a Azulão alça bola na área, Dé desvia, a bola ainda toca na trave e entra. A Tuna reagiu aos 21 minutos do primeiro tempo, com Paulo Rangel, que recebeu na entrada da área e acertou um chutaço descontando para a equipe da capital.

Na volta para o segundo tempo, a Tuna equilibrou a partida e dominou a maior parte do tempo, mas apenas aos 39 minutos, conseguiu um pênalti, onde o árbitro viu empurrão em Paulo Rangel na área e marcou penalidade máxima para a Tuna. O zagueirão Renan bateu com força, o goleiro do Águia, João Ricardo, acerta o lado mas não alcança e a Tuna diminui para 3 a 2, dando números finais a partida.

O próximo compromisso do Águia pelo Parazão, será em Santarém no próximo domingo, dia 7, diante do Tapajós. Já a Tuna recebe em Belém o Independente.

Continue lendo

Pará

Parazão 2021 começa neste domingo e terá quatro times de Carajás

Publicado

em

O Campeonato Paraense 2021 começa neste domingo, 28. Ao todo, 12 equipes vão brigar pelo título da 109ª edição do estadual. A região de Carajás, contará com quatro times na disputa: Águia (Marabá), Independente (Tucuruí), Gavião Kyikatejê (Bom Jesus do Tocantins) e Itupiranga (Itupiranga – mandará jogos em Jacundá).

Além de Águia, Independente, Gavião Kyikatejê  e Itupiranga, completam a lista Paysandu, Remo, Tuna luso, Bragantino, Carajás, Castanhal, Paragominas e Tapajós são os participantes.

Diferente de 2020, o formato deste ano tem três grupos, com as equipes de uma chave enfrentando as das outras duas em turno único. Os dois melhores de cada grupo avançam para as quartas de final, juntamente com os dois melhores terceiros colocados. Os confrontos das quartas de final, semifinais, disputa de terceiro colocado e a final serão de ida e volta.

As duas piores equipes na classificação geral serão rebaixadas para a segunda divisão estadual de 2021. Campeão, vice e terceiro colocados garantem vagas na Copa do Brasil 2022. As duas equipes de melhor campanha ganham vagas na Série D de 2022 – exceto Remo e Paysandu, que já representam o Pará nas Séries B e C, respectivamente.

Para a Copa Verde, a CBF define três critérios de classificação: campeões estaduais, seis melhores colocados no Ranking Nacional de Clubes (RNC) e, por último, seis em vagas destinadas às Federações melhores posicionadas no Ranking Nacional de Federações (RNF). Nesses critérios, o Paysandu e o Remo praticamente possuem vagas garantidas na competição, atualmente.

Veja como estão os times de Carajás:

Águia

O Azulão Marabaense tentará mais uma vez retornar ao cenário nacional. Em 2020, a equipe terminou na sexta colocação do estadual, brigando diretamente por uma vaga na Série D. O objetivo deste ano é ir além e ficar entre os melhores da competição.

Técnico: sempre ele, João Galvão. O treinador segue para a oitava temporada à frente da equipe. Esse tempo até poderia ser maior. Ele chegou ao comando do time em 2007, mas acabou saindo em 2014 para a chegada de Daryo Pereira, sucedido por Everton Goiano. Porém, meses depois, Galvão retornou ao cargo que ocupa até hoje.

Destaque: o lateral-esquerdo Tiago Felix retorna ao time após passagem pelo Independente-PA na Série D. Contudo, o jogador pouco atuou na competição nacional por causa de uma lesão. Ele é um dos principais nomes do Águia neste Parazão.

Principal contratação: o volante Fernandes. O jogador, de 35 anos, passou pelo Remo em 2018, atuando em 18 partidas. Na temporada seguinte foi para o Ferroviário e em 2020 esteve no Perilima disputando o Campeonato Paraibano.

Elenco: o goleiro Gustavo Henrique, reserva em 2020, deve ser o titular agora. A equipe conta ainda com o meia Balão Marabá e o atacante Danilo Galvão, além de peças que estiveram no time no Parazão passado.

Gavião Kyikatejê

De volta à elite após seis anos, o Gavião terá dificuldades este ano. Com a saída de alguns dos principais jogadores da campanha de acesso, como o meia Thárcio e o atacante Aleílson, o time indígena reformulou parte do elenco e tem o objetivo principal de permanecer na primeira divisão.

Técnico: Zeca Gavião, ex-presidente do clube e um dos líderes da comunidade Kyikatejê, segue à frente do time para a disputa do Parazão. Coincidentemente, ele é pai do presidente do clube, Jakure.

Destaque: goleiro Wrias vem tendo destaque embaixo da meta do Gavião há alguns anos. Na disputa da Segundinha em 2020, salvou a equipe em várias oportunidades. Na final contra a Tuna, também teve boa atuação, evitando uma goleada.

Principal contratação: a diretoria contratou o experiente atacante Moisés, que já foi conhecido como “Neymar Paraense”. Revelado pelo Paysandu, o jogador tem passagens por grandes clubes do futebol brasileiro como Santos e Náutico. Esteve em 2020 no Pinheirense.

Elenco: além de Moisés, o Gavião contratou o meia Rafinha, que se destacou no Bragantino em 2019. A base foi mantida para a disputa do Parazão, incluindo o jovem lateral-direito Soiti, que é povo indígena.

Independente

O Galo Elétrico terminou o último Parazão na oitava colocação e, com isso, de fora das competições nacionais desta temporada. Para voltar a ter calendário cheio, o clube manteve uma base da equipe que disputou a Série D no ano passado e vinha jogando a Copa Verde.

Técnico: Sinomar Naves retorna ao clube. Os mais nostálgicos vão lembrar que o técnico levou o time de Tucuruí ao título estadual em 2011. Agora ele busca surpreender mais vez com Independente.

Destaque: o atacante Danrlei era apenas um reserva do time em 2020, mas acabou ganhando a titularidade durante a Série D. Ele terminou a temporada passada como artilheiro da equipe com oito gols em 19 partidas.

Principal contratação: a diretoria do Galo Elétrico acertou com o experiente volante Dudu, de 34 anos. Ele retorna ao time após ter saído para disputar a segunda divisão do Campeonato Catarinense pelo Hercílio Luz. No Pará, o jogador tem passagens por equipes como Remo, Tuna Luso, São Raimundo, Paragominas, Vênus, Cametá e Ananindeua.

Elenco: o clube manteve peças importantes como o zagueiro Ezequias, Matheus Tucuruí e os atacantes Ray Gol e Joãozinho. Entre as novidades estão o goleiro Gerson, o lateral-direito Rafael Vioto, o volante Jeferson Jari e o meia Raílson.

Itupiranga

Em seu segundo ano na primeira divisão, o Crocodilo agora terá como sede o município de Jacundá. A equipe busca superar a campanha de 2020, quando terminou na oitava colocação. Objetivo é chegar, pelo menos, na segunda fase.

Técnico: o ex-jogador Wando será novamente o comandante do Itupiranga. Ele chegou a sair do clube para comandar o São Raimundo-PA na Segundinha, mas, sem o acesso, retornou ao time.

Destaque: o zagueiro Charles, de 38 anos, está de volta ao Crocodilo. Ele esteve em 2020 no estadual e saiu para atuar pelo ASA, São Paulo-AP e São Raimundo-PA. Em sua carreira, tem passagens por clubes como Tuna, Águia de Marabá e Independente-PA.

Principal contratação: com 37 anos, Labilá chega ao Itupiranga para ser a segurança no gol e quem sabe balançar as redes cobrando pênalti. Com passagens marcantes por São Raimundo-PA e São Francisco-PA, no Itupiranga terá a concorrência de Dida Tucuruí, outro experiente goleiro.

Elenco: a diretoria contratou alguns jogadores pontuais para fechar o elenco que tem boa base da temporada passada. O lateral-esquerdo Hércules, os volantes Taison e Hatos e os meias Tairon e Kaique são alguns que retornam. Entre as novidades está o meia Araújo, cria da base do Paysandu.

(Com informações do GE)

Continue lendo
publicidade Bronze