O Paysandu venceu o Remo por 3 a 1 na tarde deste domingo, no Estádio Olímpico Mangueirão, em Belém, pelo jogo de volta da semifinal da Copa Verde. Na ida, empate em 0 a 0. O Leão começou o primeiro tempo bem melhor, teve chances de marcar, mas o Papão também perdeu oportunidades de abrir o placar. No segundo tempo, entretanto, os bicolores foram superiores, fizeram o primeiro gol com Hygor, levaram o empate com Neto Baiano, mas conseguiram a vitória através de Nicolas e Léo Baiano. Agora o Lobo Alviceleste espera o vencedor da partida entre Cuiabá e Goiás para saber quem vai enfrentar pelo título do torneio. No primeiro embate, vitória goiana por 1 a 0.

Na disputa pelo terceiro título da competição, o Paysandu vai encarar o vencedor do confronto entre Goiás e Cuiabá. No jogo de ida, em Goiânia, o Esmeraldinho venceu por 1 a 0. A volta acontece no próximo dia 23, uma quarta-feira, às 20h30, na Arena Pantanal, no Mato Grosso. O Remo se despede da temporada e deve apostar em amistosos visando a temporada 2020.

O Paysandu é o time que mais chegou à final da Copa Verde. Depois de vencer o Remo, neste domingo, no Mangueirão, o Papão alcançou a quinta decisão em seis edições da competição regional: 2014 contra o Brasília, 2016 diante do Gama, 2017 contra o Luverdense, 2018 diante do Atlético de Itapemirim e, agora, 2019, contra o vencedor de Cuiabá e Goiás.

A temporada foi de seis jogos entre Remo e Paysandu, o clássico mais disputado no mundo. O Papão saiu invicto de todos eles. Foram três vitórias (3 a 0 – Parazão, 1 a 0 – Série C e 3 a 1 – Copa Verde) e três empates (1 a 1 – Parazão, 1 a 1 – Série C e 0 a 0 – Copa Verde).

O clássico começou com o Remo levando a melhor na estratégia diante do Paysandu. O Leão povoou o meio-campo com a entrada de Zotti e não dava espaços para as saídas de bola do adversário, sufocando a defesa do Papão. A pressão azulina se estendeu com muita força até os 20 minutos. Tomas Bastos, que voltava de lesão, foi substituído por Thiago Primão, que passou a dar uma outra dinâmica no setor de armação bicolor. Mas os azulinos continuavam mais organizados e quase chegaram ao gol com Neto Baiano e em chutes de Gustavo Ramos e Ramires.

Porém, o Lobo Alviceleste não se entregou e, na base da jogada individual, teve quatro chances seguidas de marcar, todas na mesma jogada: em um chute de fora da área, Tony acertou a trave. Na sobra, na base do susto, Nicolas encontrou novamente o poste pelo caminho. O mesmo Nicolas pegou a volta e parou em uma grande defesa de Vinícius. Finalizando o lance, Hygor chutou de primeira e contou com o desvio da defesa, em escanteio. Ufa! Nos acréscimos, Gustavo Ramos cruzou rasteiro, Giovanni furou e Micael, em cima da linha, evitou a finalização dos jogadores do maior rival. Que primeiro tempo!

A volta do intervalo foi benéfica ao Paysandu. O Papão voltou bem mais organizado, trocando passes rápidos em busca do gol. E ele não demorou a acontecer. Aos 13 minutos, na bola levantada à área, Nicolas desviou de cabeça e Hygor só teve o trabalho de empurrar a bola pro fundo da rede. Festa da Fiel! Atrás do placar, o Remo passou a controlar o confronto, com os bicolores esperando os espaços pelo contra-ataque. Os azulinos, entretanto, eram pouco efetivos, não conseguiam espaços para os chutes e apostavam demais nos lances aéreos.

Mas a dificuldade foi remediada com um erro individual. Uchôa foi tentar um drible dentro da área, perdeu a bola e Neto Baiano, oportunista, empatou o confronto, depois de um desvio. Dessa vez a festa foi do Fenômeno Azul! Porém, o Re-Pa ainda proporcionava mais detalhes. E a favor do lado Alviceleste. Aos 45 minutos, Bruno Collaço cruzou da esquerda, Nicolas subiu livre e cabeceou com força, pra baixo, sem chances para Vinícius. E teve mais. Nos acréscimos, o Leão errou a saída de bola, Léo Baiano recebeu na entrada da área, avançou e bateu na direita. Paysandu 3 x 1 Remo. Papão na final da Copa Verde. (Globo Esporte/Foto: Jorge Luiz/Paysandu)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.