Connect with us

Pará

Planetário diz que objeto luminoso que cruzou céu do Pará era lixo espacial de foguete lançado na Guiana Francesa

Publicado

em

Um objeto voador brilhante foi visto a olho nu no céu de Belém e das demais cidades do estado do Pará, na noite da última terça-feira (16). O fenômeno astronômico intrigou muitos paraenses, que tiveram a oportunidade de registrar o objeto, que lembra um cometa. O técnico em Física do Centro de Ciências e Planetário do Pará (CCPPA), Reginaldo Corrêa Jr, afirma, no entanto, que se trata de lixo espacial. 

“O efeito luminoso avistado na verdade era lixo espacial, identificado como NORAD 22032, que fez parte do foguete francês, Ariane 44L, lançado da Guiana Francesa em 9 de julho de 1992. São restos do foguete que ficaram em órbita por mais de uma década na Terra e que acabaram adentrando na atmosfera terrestre, e quando isso ocorre gera esse efeito luminoso que pode ser observado’’, explica o técnico.

Segundo a Rede Brasileira de Observação de Meteoros (Bramon), o fenômeno pôde ser acompanhado também em outros estados, como no Ceará, mas os testemunhos se concentraram na Região Metropolitana de Belém, onde boa parte do objeto se desintegrou. 

“Nós fomos privilegiados, porque em Belém pode ser visto no momento em que ele adentrou a atmosfera e à medida que ele vai caindo o brilho vai diminuindo, ou seja, estávamos no momento certo e na hora certa’’, garantiu Reginaldo.

Teve paraense tão surpreso que não conseguiu fazer o registro, mas admirou por alguns segundos o objeto voador. “Eu dei sorte de estar na calçada de casa no momento, bem de frente para onde passou o risco no céu. Na hora, imaginei que talvez seria o lançamento de algum foguete, satélite ou sonda. Aqui em Irituia, o fenômeno durou cerca de dez segundos e só foi visível o clarão principal, nem deu tempo de pegar o celular’’, disse o estudante Wander Lima.

Apesar do fenômeno ser assustador, o técnico do planetário explica que não representa riscos significativos para a população. “Todos os processos de lançamento são friamente calculados, além disso também são monitorados, então esse lixo espacial foi programado para cair no mar, no meio do Oceano Atlântico.

PLANETÁRIO

O Planetário do Pará “Sebastião Sodré da Gama” é o primeiro da região Norte do Brasil e foi fundado em 30 em setembro de 1999, vinculado à Universidade do Estado do Pará – UEPA com a missão de criar possibilidades de melhorias do ensino e aprendizagem de ciências, principalmente da Astronomia. Segundo o técnico do planetário, no ano de 1995 os belenenses puderam observar um eclipse solar anular, o que teria motivado a criação do planetário há 22 anos. 

“Estamos estudando a criação de uma base de monitoramento desses objetos que adentram no céu do Pará. Esse fenômeno foi uma surpresa para nós, então existe uma necessidade de criar essa estação para rastrear, para que possamos tentar prever quais serão os eventos astronômicos que podem ser vistos no nosso estado e informar para a população’’, ressaltou o Reginaldo 

Durante a pandemia, o centro estava atendendo com visitas presenciais escolares programas e também virtuais. Contudo, com as medidas mais restritivas e para frear a propagação do novo coronavírus as programações estão suspensas temporariamente. 

“Agora, nós estamos com conteúdos voltados para as nossas redes sociais, semanalmente estamos com o quadro planetários curiosos, e neste mês de março tivemos o mês da mulher, onde colocamos as curiosidades das cientistas brasileiras e suas grandes descobertas. Também temos as lives e seminários através das nossas redes sociais’’, reforçou o técnico do planetário. (Bruna Brabo)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: Florada dos Ipês dão atrativo especial a época do ano

Publicado

em

O verão marabaense, entre os meses de junho e agosto, vai ganhando ainda mais cor com a florada de ipês. Amarelo, branco, rosa, os ipês dão um colorido especial para as avenidas e ajudam na arborização da cidade. Essa semana, mais ipês floresceram garantindo um espetáculo de cores na cidade.

Para deixar a cidade ainda mais bonita, a coordenação de paisagismo da Semma (Secretaria Municipal de Meio Ambiente) e a Sevop (Secretaria de Viação e Obras Públicas) devem plantar até o final do ano mais de 2 mil mudas de ipês. A beleza dessas árvores desperta uma boa sensação na população. Além dos ipês, o paisagismo também semeia espécies como pau preto, açaí, palmeiras e plantas ornamentais.

Edilson Nunes Ferreira, coordenador do paisagismo, explica que a arborização do município é um trabalho que o setor já desenvolve há algum tempo, e esta época em especial os ipês ganham evidência na cidade. “A época da floração do ipê é muito bonita para a nossa cidade. Estamos continuando plantando cada vez mais, nas avenidas principalmente”, pontua.

A equipe do paisagismo atualmente planta grama no Km 07 e está arborizando os locais que precisam. “Já temos uma pista de caminhada e precisamos no futuro ter a sombra para as pessoas fazerem a caminhada tranquilos”, lembra Edilson Nunes, acrescentando que desvios da Folha 33 também estão no rol de locais que recebem o paisagismo no município.

A previsão é que até o mês de dezembro sejam plantadas mais de 2.000 mil espécies de ipês em pontos estratégicos do município.

Rubens Sampaio, secretário municipal de Meio Ambiente, relembra que este mês de julho se trata de um período onde muitas espécies fazem sua floração. “Isso é importante para o meio ambiente, porque as árvores ajudam a diminuir o calor na cidade, sabemos que existe uma necessidade muito grande de arborizarmos Marabá e, às vezes, falta arborização. Fazemos um trabalho junto com o paisagismo da cidade, onde temos um viveiro na Semma que realizam a arborização da cidade somente nos logradouros públicos”, comenta Rubens Sampaio.

As árvores assumem um papel importante na área urbana, uma vez que, absorvem poluição sonora e atmosférica, dando conforto térmico, visual e melhorando consequentemente a qualidade de vida. (Emilly Coelho / Fotos: Sérgio Barros e Paulo Sérgio)

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Operação sensibiliza banhistas em balneários sobre a preservação de igarapés e rio

Publicado

em

Com o objetivo de sensibilizar banhistas em balneários da cidade para que destinem corretamente os resíduos e contribuam com a preservação de igarapés e do rio Parauapebas, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) iniciou no sábado, 24, a operação Verão Sem Lixo – Ambientes Saudáveis, que seguirá até o dia 15 de agosto.

“Estamos percorrendo os balneários da cidade, principalmente aqueles que têm como sua fonte hídrica igarapés, pois tudo o que é jogado neles vai parar no rio Parauapebas. Levamos a mensagem de conservação para que o rio sobreviva por mais tempo”, explica Francilma Dutra, coordenadora de educação ambiental da Semma.

O gerente do balneário Vitória, Carlos Conceição, o primeiro a receber a ação, reforçou a importância de campanhas de sensibilização assim, “a gente deixa cestos de lixo em vários pontos, colocamos placas, mas ainda assim as pessoas insistem em jogar latas, plásticos e outras coisas na piscina de água natural. Por isso acho ações como essas importantes pra chamar a atenção das pessoas”.

Durante a programação as crianças recebem uma atenção especial, já que são aliadas importantes no processo de divulgação das práticas corretas com relação ao lixo e à preservação da natureza. O Caio Cunha, de seis anos, disse que aprendeu a não jogar lixo na água, “porque a gente bebe a água do rio”.

A Luiza Albuquerque, também de seis anos, participou da leitura compartilhada e também aprendeu uma mensagem importante sobre o meio ambiente, “a gente não pode jogar lixo no rio porque também tem os seres vivos que vivem lá e se a gente jogar lixo eles vão morrer”, disse a pequena.

Uma equipe da Secretaria Municipal de Turismo (Semtur) também acompanha a ação e contribui com a distribuição de materiais educativos e com o sorteio de brindes para as crianças que participam da programação. (Karine Gomes / Fotos: José Piedade)

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Construção do sistema viário avança às margens do Igarapé Ilha do Coco

Publicado

em

Do quintal da casa da aposentada Maria Pereira Batista, de 66 anos, é possível ver a movimentação de homens e máquinas da empresa Transvias na construção de novas vias às margens do Igarapé Ilha do Coco. As execuções resultarão em maior proteção ao canal, melhor mobilidade urbana na área do projeto, e benefícios para toda a comunidade.

Moradora da rua 19, no bairro União, dona Maria acompanha de perto os trabalhos, confiante de que as melhorias serão sentidas por ela e seus vizinhos.  “Se Deus quiser, isso aqui vai ficar muito bom! Vai melhorar cada dia mais. Agora eu estou gostando, meu filho também está satisfeito”, diz a aposentada sobre os serviços realizados na área.


O engenheiro civil do Prosap, Lucas Carvalho, reforça que nessa primeira etapa de obras serão construídos 3,44 quilômetros de vias marginais ao longo do Igarapé Ilha do Coco, em ambos os lados do canal, com sarjeta, meio-fio, calçada e ciclofaixa, além de dispositivos de drenagem, sinalização e iluminação pública.

“Ainda na semana passada, realizamos uma obra de drenagem visando à melhoria de uma situação ocorrida em uma margem do viário na rua 19, que gerou um alagamento pontual. Como ainda vamos aumentar a dimensão do sistema viário, uma drenagem provisória foi executada com a implantação de manilhas”, explica o engenheiro civil.

O sistema viário vai interligar os bairros Liberdade e Rio Verde, alcançando a avenida Liberdade, e a estrutura em construção em frente à prefeitura municipal. “Com os Parques Lineares do Liberdade e Rio Verde, o Parque Urbano Municipal e a lagoa, a população terá mais lazer e bem-estar”, acrescenta o engenheiro Lucas. (Jéssica Borges / Fotos: Jéssica Borges)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze