Connect with us

Pará

Polo do Pará vai expor coleção de joias e acessórios de moda na Rio+20

Publicado

em

A tecnologia em sintonia com os saberes tradicionais e a relação do homem com a natureza, dentro de um processo sustentável, é a base da segunda coleção de joias e acessórios de moda, que profissionais vinculados ao Espaço São José Liberto já estão criando para a Rio+20, Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que acontece no Riocentro, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), de 13 a 22 de junho próximo.

A coleção, que está sendo criada em um workshop coordenado pela jornalista e consultora de Moda e Estilo Cristina Franco, no auditório do Espaço São José Liberto, tem na brasilidade da Semana de Arte Moderna uma de suas fontes. “No Manifesto Pau Brasil, de Oswald de Andrade, ele defende que o país tem a base dupla e permanente – a floresta e a escola. Aqui na Amazônia esses dois elementos primordiais estão no quintal, ao nosso alcance”, diz Cristina Franco, que trabalha a concepção da coleção a partir de três eixos: flora, fauna e minerais.

“O mercado internacional está voltado para isso – estampas tropicais, gemas coradas, água, vida”, ressalta a consultora, que encerra o workshop nesta sexta-feira (27), sempre incentivando a criatividade dos 27 profissionais de design envolvidos na criação da coleção, mas em harmonia com as tendências do mercado. “O artesanal é a espinha dorsal do luxo. E as estatísticas sobre o luxo são inacreditáveis, pois é um setor que movimenta bilhões de dólares no planeta”, afirma Cristina.

A consultora ressalta que a indústria do luxo “trabalha com o desejo, em uma conexão direta entre produto e consumidor. Por isso privilegia o diferente. E aqui, o próprio São José Liberto já é um espaço único, se constituindo em uma marca de produtos de qualidade, dentro de um conceito de sustentabilidade ambiental, social e econômica”.

Inovação

A coleção que será exposta na Rio+20 vai mostrar aos mais de 80 mil visitantes esperados para o evento – 50 mil credenciados para o evento oficial e 30 mil para a Cúpula dos Povos – , oriundos de 35 países, não apenas as joias e acessórios de moda criados e produzidos no âmbito do Polo Joalheiro do Pará. As técnicas inovadoras desenvolvidas por profissionais locais para a produção de peças para a joalheria e o setor de moda também serão destaque.

Entre essas técnicas, que estão sendo mostradas no workshop, estão a confecção de bolsas a partir do aproveitamento de filtros descartáveis (usados para coar café), desenvolvida por Celeste Heitmann; a esmaltação a frio, que usa pigmentos naturais, técnica aprimorada pelo ourives Joelson Leão; as gemas vegetais, criadas pelo ourives Paulo Tavares; os trabalhos em cerâmica com iconografia marajoara e tapajônica, da artesã e pesquisadora Sinéia Hosana; os trabalhos em chifre do mestre artesão Tarcísio, e as criações em cuias e remos do mestre artesão Izaías Lopes.

“O Espaço São José Liberto é referência no incentivo a esse trabalho inovador, voltado principalmente para o aproveitamento de resíduos que seriam descartados na natureza, mas que pelas mãos desses profissionais ganham uma nova vida útil, contribuindo para a preservação do meio ambiente, para a melhoria da qualidade de vida das pessoas envolvidas nessas atividades e, mais ainda, para a manutenção de uma cultura própria do homem da Amazônia, de seu potencial criativo”, destaca Rosa Helena Neves, diretora executiva do Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama), instituição que gerencia o Espaço São José Liberto, onde funcionam o Polo Joalheiro, a Casa do Artesão e o Museu de Gemas do Pará.

A união entre design, artesanato, tecnologia e arte, segundo Rosa Helena, cria um produto diferenciado, o “novo luxo”, destinado a um mercado consumidor que valoriza a inovação e a sustentabilidade. “A coleção para a Rio+20 ressaltará a interação da tecnologia com o trabalho manual, das técnicas tradicionais da joalheria com a concepção de sustentabilidade da sociedade do século XXI”, reitera.

Temática

A programação da Conferência Rio+20 está baseada em dois temas principais: “A economia verde no contexto do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza”, e “A estrutura institucional para o desenvolvimento sustentável”. O objetivo do evento é “a renovação do compromisso político com o desenvolvimento sustentável, por meio da avaliação do progresso e das lacunas na implementação das decisões adotadas pelas principais cúpulas sobre o assunto e do tratamento de temas novos e emergentes”.

A Rio+20, que recebeu esta denominação por marcar os 20 anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92), deverá contribuir para a agenda do desenvolvimento sustentável das próximas décadas. A realização do evento está a cargo do Comitê Nacional de Organização da Rio+20, com a parceria do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e GL Events.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Assista o Conexão Rural deste final de semana – Dias 16 e 17

Publicado

em

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Município e ANM assinam nesta quarta-feira Termo de Cooperação para regularização de mineradoras

Publicado

em

Buscando soluções que viabilizem empreendimentos minerários legalizados e sustentáveis, será assinado nesta quarta-feira, 13, o Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura de Parauapebas e a Agência Nacional de Mineração (ANM).

O evento será realizado no Hotel Vale dos Carajás, às 18h.

Em 22 de setembro a Prefeitura apresentou junto à ANM um documento com um plano de trabalho para indicar o interesse do município em firmar a parceria.


De acordo com o documento, o município coloca à disposição da ANM a equipe técnica da Secretaria Municipal de Mineração, Energia, Ciência e Tecnologia para contribuir com os processos de fiscalização da Contribuição Financeira por Exploração Mineral (Cfem) e de atividades de extração mineral, além de apoio em Processos Minerais.

“Segundo o cadastro da ANM, até dezembro de 2020, o município de Parauapebas registrava 761 Processos Minerais em todas as suas fases, desde requerimento até a autorização de lavra, representados por 197 pessoas físicas e jurídicas, com indicação de 29 substâncias minerais”, detalha o documento.

O município de Parauapebas tem longa experiência na fiscalização da Cfem, especialmente pelo trabalho desenvolvido desde 2007 em conjunto com o então Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), hoje ANM. Graças a essa sinergia, foram realizadas denúncias quanto à prática de preços externos da Vale S.A, que resultou no Processo de Cobrança nº 951.438/2009 e rendeu mais de meio bilhão de reais por meio da Execução Fiscal 0006181-37.2010.4.01.390.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Gilson Fernandes pode ser um dos nomes de Bolsonaro para federal

Publicado

em

O nome do líder dos pequenos mineradores, Gilson Fernandes, vem ganhando força no meio bolsonarista na região de Carajás, para disputar uma cadeira de deputado federal em 2022.

Gilson está a frente da Federação Brasileira da Mineração e da Cooperativa Brasileira da Mineração, e vem desde 2015 ganhando protagonismo nas pautas conservadoras e políticas alinhadas ao presidente Bolsonaro.

Gilson tem se mantido reservado quanto a possibilidade de aceitar disputar uma cadeira de deputado federal, mas vem sendo incentivado por correligionários do setor mineral e conservador da região de Carajás.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze