A Polícia Rodoviária Federal (PRF) realizou a Operação Finados 2019 com foco, principalmente, em coibir e reprimir as infrações que proporcionalmente provocam mais acidentes de natureza grave nas rodovias federais, entre elas a embriaguez ao volante e as ultrapassagens irregulares.

A Operação que iniciou na última sexta-feira (01) teve duração de 3 dias, encerrando às 23h59 de domingo (03), período em que as ações da PRF foram direcionadas para os trechos com os maiores índices de acidentes, de acordo com estatísticas do órgão.

O órgão divulgou números preliminares da operação, os quais apontam um total de 2 acidentes registrados, os quais resultaram na lesão de 2 pessoas, além de 1 vítima fatal.

Na Operação Finados 2018, o número total de acidentes registrados foi 12, e resultaram na lesão de 14 pessoas e 1 vítima fatal.

A fiscalização promovida pela PRF foi intensa, e no decorrer da operação no Estado do Tocantins foram lavrados 338 autos de infração em virtude de flagrantes irregularidades no trânsito.

Os dados preliminares apontam que os condutores ainda adotam uma postura irresponsável, seja realizando ultrapassagens de maneira irregular, seja consumindo bebida alcoólica e assumindo a direção de veículo automotor. Foram contabilizados 18 flagrantes de ultrapassagem indevida e 8 flagrantes de embriaguez ao volante.

Durante a operação, das 8 pessoas autuadas por embriaguez ao volante, 1 foi presa por apresentar concentração igual ou superior a 0,34 miligrama de álcool por litro de ar alveolar. Todos os condutores embriagados foram autuados com multa no valor de R$2.934,70, tiveram a CNH recolhe e ainda terão o direito de dirigir suspensa pelo período de 1 ano. No decorrer da Operação foram registrados alguns crimes:

1) foi recuperado um veículo furtado há 3 anos em Goiânia/GO (receptação);
2) uso de documento falso;
3) Crime ambiental – 25,88 m³ de madeira ilegal apreendida
4) Embriaguez ao Volante

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.