Connect with us

Maranhão

Produtores do cerrado maranhense buscam certificação internacional da soja

Publicado

em

O Maranhão está se destacando não só na produção de soja, mas também na busca pela certificação internacional do grão. As novas práticas agrícolas, que incluem a Integração Lavoura, Pecuária e Floresta (ILPF), empregadas em algumas fazendas do cerrado maranhense, são alguns dos itens que estão sendo avaliados pela Associação Internacional de Soja Responsável, que tem a atribuição da certificação.

O secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Sagrima), Cláudio Azevedo, informou que a ILPF é integrante do Programa de Agricultura de Baixo Carbono (ABC). “Além desse sistema, também estão sendo praticadas, no Maranhão, outras novas tecnologias nos moldes do ABC, tais como recuperação de pastagens, aquisição de animais, correção do solo e práticas conservacionistas, que visam diminuir a emissão de gás carbônico, compromisso assumido pelo governo federal”, explicou Cláudio Azevedo.

Ele informou ainda que a Sagrima é coordenadora do Grupo Gestor Estadual que está incentivando o ABC no Maranhão e que está prevista para o período de 24 a 26 de setembro, a realização de uma oficina para elaboração do plano estadual de Agricultura de Baixo Carbono. “Dentre as diretrizes do ABC, foram definidos sete polos do cerrado maranhense, composto por 28 municípios, para realização de ações relativas à agricultura de baixa emissão de carbono”, disse Cláudio Azevedo.

A certificação internacional da soja está sendo conduzida pela Fundação de Apoio ao Corredor de Exportação Norte (Fapcen), composta por produtores do cerrado maranhense, que, em parceria com as instituições IDH, da Holanda e Solidaridad, do Brasil, iniciaram em 2012 um trabalho de conscientização dos produtores, incentivando a prática da agricultura inteligente, tendo como meta a sustentabilidade, por meio da preservação do meio ambiente.

Atualmente estão se preparando para receber a certificação as fazendas do grupo Risa, que possui 46 mil hectares de plantio de soja na região sul do Maranhão e sudoeste do Piauí e também a Fazenda Santa Luzia, localizada em São Raimundo das Mangabeiras.

A Fazenda Agroserra, de São Raimundo das Mangabeiras, foi a primeira a receber a certificação internacional da soja.

A Associação Internacional da Soja não tem fins lucrativos e é fundamentada no cooperativismo global, hoje sustentado por mais de 150 membros, que definiram um padrão de produção, com 98 indicadores baseados em cinco princípios: cumprimento legal e boas práticas empresariais, condições de trabalho responsáveis, relações comunitárias responsáveis, responsabilidade ambiental e práticas agrícolas adequadas.

Apenas 3% da soja produzida no mundo é certificada de acordo com algum padrão para promoção de uma produção mais responsável, segundo estudo divulgado pela KPMG International, multinacional de consultoria.

O proprietário do Grupo Risa, José Antônio Gorgen, acredita que no próximo ano a empresa deve ser certificada internacionalmente. “Com essa certificação, o nosso produto terá um maior valor agregado”, avalia.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Maranhão

IMPERATRIZ: Homem sem uma perna é preso suspeito de furtar loja

Publicado

em

Imagens de segurança mostram um homem com deficiência física soltando as muletas e escalando apenas com uma perna um poste para entrar em um estabelecimento comercial de Imperatriz nessa sexta-feira (22).

De acordo com informações da polícia, o homem teria quebrado o forro de uma loja localizada no Centro da cidade e furtado dinheiro. Os agentes policiais conseguiram identificar o suspeito, que foi apresentado no Plantão Central de Imperatriz.

Ainda segundo a polícia, o homem é apontado como autor de dois furtos que aconteceram na semana passada. Após a prisão, ele foi ouvido e liberado por estar fora do flagrante.

Continue lendo

Maranhão

Saiba quantas doses cada município do Maranhão vai receber da AstraZeneca

Publicado

em

O Governo do Maranhão recebeu, no início da tarde deste domingo (24), o primeiro lote da vacina de Oxford/AstraZeneca enviado pelo Ministério da Saúde. São 48.500 doses que serão distribuídas por todo o estado, à medida que os municípios alcançarem 70% de doses aplicadas da CoronaVac.

Clique AQUI e saiba quantas doses cada município do Maranhão vai receber neste primeiro lote.

Continue lendo

Maranhão

Governo do Maranhão recebe primeiro lote da vacina de AstraZeneca com 48.500 doses

Publicado

em

O Governo do Maranhão recebeu, no início da tarde deste domingo (24), o primeiro lote da vacina de Oxford/AstraZeneca enviado pelo Ministério da Saúde. São 48.500 doses que serão distribuídas por todo o estado, à medida que os municípios alcançarem 70% de doses aplicadas da CoronaVac.

Com a chegada do novo lote de vacinas, o governador Flávio Dino anunciou que será acrescentada uma nova diretriz ao Plano Estadual de Vacinação do Maranhão. “Além dos profissionais de saúde, estamos orientando aos municípios que, com a chegada da nova remessa de vacinas, haja disponibilização também para os pacientes que estão em tratamento de radioterapia, quimioterapia e hemodiálise, mediante apresentação de laudo e autorização médica, pois são pacientes que podem ter um caso mais grave da Covid-19 e estão submetidos compulsoriamente a uma rotina hospitalar”, afirmou o governador.

O envio de novos lotes de vacinas aos municípios será condicionado ao lançamento no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SIPNI), do Ministério da Saúde, de pelo menos 70% das vacinas aplicadas na etapa anterior, ou de apresentação de justificativa para eventual não cumprimento da meta. Até o momento, 27 municípios maranhenses atingiram a meta de 70% de aplicação da Coronavac.

De acordo com o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, a medida é uma orientação do Ministério da Saúde. “A ideia é que não haja duas vacinas no mesmo local, ninguém terá opção de escolher a vacina e as pessoas simplesmente serão vacinadas. E diferente da CoronaVac, não iremos fazer a reserva das vacinas da AstraZeneca, como a aplicação dela é só daqui a 120 dias vamos usar todas as doses já nesta primeira etapa, então, as 48.500 doses irão imunizar 48.500 pessoas”, destacou o secretário Carlos Lula.

Mais doses

A Anvisa aprovou, na última sexta-feira (22), a distribuição de 4,8 milhões de doses da CoronaVac, porém, o Butantan dispõe de apenas 900 mil doses prontas. Dessa forma, o Maranhão deve receber aproximadamente mais 10 mil doses nos próximos dias do Ministério da Saúde. A chegada das novas doses trará mais celeridade ao processo de imunização contra a Covid-19 no Maranhão. (Foto: Julyane Galvão)

Continue lendo
publicidade Bronze