Connect with us

Bastidores

Recuperação da economia depende do avanço da vacinação

Publicado

em

A lentidão da vacinação contra a Covid-19 afeta não só a saúde, impossibilitando frear o crescimento de mortes em decorrência da doença no Brasil, mas também atrasa a recuperação econômica do país. 

É isso que aponta o Relatório de Acompanhamento Fiscal (RAF) do mês de março, produzido pela Instituição Fiscal Independente (IFI), órgão vinculado ao Senado Federal. O estudo mostra uma projeção de crescimento da economia em 3% neste ano, mas pontua que a estimativa positiva depende de uma recuperação no segundo semestre, “condicionada ao avanço da vacinação de parte substancial da população”.

Isso porque o primeiro trimestre corre risco de recessão técnica, um termo utilizado por economistas para caracterizar dois trimestres seguidos de queda do Produto Interno Bruto (PIB). O relatório expõe como o avanço da disseminação do novo coronavírus no Brasil afeta a economia.

Felipe Salto, economista e diretor-executivo da IFI, afirmou que a chance de retomada financeira neste ano vem da imunização. “No segundo semestre, se a vacinação estiver avançada, isso poderá dar alguma esperança em termos de recuperação da economia neste ano de 2021”. Ele detalha ainda que o cenário atual da pandemia torna as medidas de distanciamento necessárias, mas elas impactam consideravelmente na projeção do PIB.

“O relatório de acompanhamento fiscal trouxe um exercício de simulação que permite comparar os efeitos de medidas restritivas, como o lockdown, de acordo com a abrangência setorial e o número de semanas em adoção dessas medidas. Por exemplo, nossa projeção hoje para o crescimento da economia é de 3%. Mas, se houver necessidade de lockdown, por exemplo, por um mês, uma paralisação setorial de cerca de 50% dos setores de produção, isso tiraria 1 ponto percentual da taxa de crescimento prevista. Ia para 2%”, estima Felipe. 

O economista pontua ainda que o exercício realizado na pesquisa mostra a importância de ampliar a quantidade de doses aplicadas à população. “Quanto mais rápida for a vacinação, menores serão as necessidades e medidas de restrição. Esse é o ponto central, principal da análise”, finaliza.

O texto deixa claro que a interpretação dos dados não pode levar à crença de que possíveis fechamentos devem ser sempre evitados. “As medidas são necessárias para evitar o espalhamento do vírus e terão de durar tanto tempo quanto o país demorar a vacinar um percentual relevante da população brasileira”, diz o relatório.

Caminhos para crescimento

Outro destaque do relatório é a análise sobre o impulso causado pelo auxílio emergencial. A pesquisa aponta que se não fosse o pagamento do benefício, “o impacto negativo sobre o PIB decorrente da retração do consumo das famílias teria sido ainda mais expressivo, em função dos efeitos do distanciamento social e da deterioração do mercado de trabalho, evidenciada pela pronunciada queda nas contratações”. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, foi sabatinado no Senado Federal em audiência pública da Comissão Temporária da Covid-19 e estimou que há como mudar o contexto pandêmico do Brasil em cerca de um mês, o que geraria um novo cenário econômico.

“O reinício do distanciamento social, evidentemente, é para desacelerar a velocidade de contágio. Ao mesmo tempo, temos que acelerar o ritmo de vacinação. Se vacinarmos um milhão de pessoas por dia, sendo que temos 15% de idosos no Brasil, ou seja, pouco mais de 30 milhões, nós vacinaremos todos os idosos em pouco mais de um mês. Nós, em 40 dias, temos um novo cenário”, enumerou.

O relatório do IFI lembra também que o Auxílio Emergencial 2021 será pago a partir deste mês de abril, o que estimula o consumo familiar e impacta no PIB. Os pagamentos alcançam aproximadamente 45,6 milhões de famílias, com um benefício médio de R$ 241,23 mensais. (Brasil 61)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected]il.com que iremos analisar.
Faça um comentário

Bastidores

MDB do Tocantins vai propor “Pacto pela Juventude”

Publicado

em

A juventude do Movimento Democrático Brasileiro (MDB) no Tocantins, se prepara para lançar, neste mês de agosto o “Pacto pela Juventude”. O objetivo segundo o órgão partidário é atuar junto aos candidatos a cargos eletivos, em todos os níveis para que estes formalizam o seu compromisso com a juventude.

Liderados pelo presidente do MDB Jovem, Pedro Avelino, e membros do partido, a legenda iniciará a partir deste mês de agosto, uma série de discussões em todo o estado o retorno de uma política voltada para a juventude baseada em um governo próximo das pessoas.


De acordo com os líderes, serão montados polos regionais em cidades de maior porte para que possam servir de base para a aproximação da juventude. Araguaína, Colinas, Dianópolis, Colinas, Gurupi, São Félix do Tocantins, dentre outras, receberão a caravana da juventude do MDB para iniciação do projeto, que contemplará em seguida todas as cidades tocantinenses.

A discussão da formatação do projeto iniciará em agosto e deverá finalizar em dezembro com o lançamento do “Pacto pela Juventude do Tocantins”.

Continue lendo

Bastidores

Siqueira Campos Júnior busca manter tradição do pai

Publicado

em

Arraias completou 281 anos de emancipação neste dia 1º de agosto e como parte da programação em comemoração à data, foi celebrada missa em ação de graças na igreja Nossa Senhora dos Remédios. A tradicional missa de Arraias, contou, por anos seguidos, com a presença do ex-governador do Tocantins, Siqueira Campos, aniversariante na mesma data. Cumprindo a tradição, o povo arraiano celebrou também o aniversário de Siqueira, e quem esteve presente na missa foi o filho mais velho, entre os seis filhos do seu casamento com a dona Aureny, José Wilson Siqueira Campos Júnior.

A missa foi celebrada pelo padre Marco Aurélio, que relembrou fatos da história da cidade e fez as felicitações ao ex-governador Siqueira Campos. “Fazemos votos em gratidão a Deus, pelo povo arraiano e pela vida do ex-governador Siqueira Campos, ao seu filho, aqui presente, Júnior Siqueira Campos. Que Deus continue o abençoando e que a história o coloque no lugar certo de reconhecimento pela sua coragem, capacidade e olhar altaneiro de provocar a divisão do estado de Goiás e, consequentemente, criação do Tocantins.


Este é o segundo ano consecutivo que Siqueira Júnior, como é conhecido, prestigia a missa em Arraias, mantendo a tradição que o seu pai sempre cumpriu, de comemorar o aniversário da cidade junto com o de seu nascimento.

“Embora as pessoas olhem dessa forma, eu não estou aqui representando o meu pai, eu estou aqui em respeito a essa gente que sempre o tratou como filho dessa terra. Como eu sei que o desejo do meu pai era estar nessa missa, eu tive a iniciativa de vir e representar a sua gratidão pela celebração do povo arraiano”, enfatizou Júnior.

Continue lendo

Bastidores

Brasil tem 309 mil contratações a mais que demissões em junho

Publicado

em

O Ministério da Economia divulgou nesta quinta-feira (29) as Estatísticas Mensais do Emprego Formal, o Novo Caged. A pesquisa mostra que o Brasil gerou 309 mil postos de trabalho em junho deste ano, resultado de 1.601.001 admissões e de 1.291.887 desligamentos de empregos com carteira assinada. 

No acumulado de 2021, também há um saldo positivo de 1,5 milhões de novos trabalhadores no mercado formal. Outro dado de destaque do levantamento mostra que a quantidade total de vínculos celetistas ativos do Brasil chegou a 40 milhões em junho, uma variação de 0,76% de estoque de empregos formais em relação ao mês anterior.

Segundo o ministro da Economia, Paulo Guedes, essa é a primeira vez desde a crise de 2015 que o país ultrapassa o patamar de mais de 40 milhões de postos formais de trabalho. Guedes anunciou ainda que o governo federal trabalha para lançar oportunidades de trabalho aos jovens e uma formalização de cerca de 38 milhões de trabalhadores informais que hoje recebem o auxílio emergencial.

O ministro citou que, em breve, serão lançados programas como o serviço social voluntário e os bônus de inclusão produtiva (BIP) e de incentivo à qualificação profissional (BIQ).

“Tememos muito o efeito cicatriz, que é a mutilação de uma geração em função de uma pandemia dessa, já no setor educacional, já temos esse receio no setor educacional. E queremos, então, acelerar a absorção desses jovens, seja com treinamento de qualificação profissional, seja com serviço social voluntário para que eles se preparem para o mercado formal de trabalho”, disse Paulo Guedes. (Brasil 61)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze