Connect with us

Bico do Papagaio

Representantes do TO e MA discutem projeto para cadeia produtiva do peixe no Lago de Estreito

Publicado

em

Representantes dos governos do Tocantins e do Maranhão, do Ministério da Pesca e Aquicultura, da Embrapa Pesca e Aquicultura, do Sistema Fieto e de municípios impactados pela construção da UHE – Usina Hidrelétrica de Estreito se reuniram nesta quinta-feira, 22 de setembro, para discutir os projetos de aproveitamento do Lago de Estreito, para a aquicultura. O encontro foi proposto pela subsecretária de Aquicultura e Pesca do Tocantins, Miyuki Hyashida, com o intuito de acelerar o processo de aproveitamento do lago, para o desenvolvimento da cadeia produtiva do peixe na região.

De acordo com subsecretária, apesar da ausência de um dos principais atores no evento, o Ceste – Consórcio Estreito Energia, a reunião foi “produtiva”. “Esse encontro foi espetacular, porque houve a presença dos dois Estados interessados [Tocantins e Maranhão] e dos prefeitos. Tenho certeza que o que foi deliberado aqui será importante para esse trabalho, que queremos fazer em parceria com o Ceste, para desenvolver a cadeia produtiva do peixe naquela região”, afirmou Miyuki.

O secretário da Agricultura, da Pecuária e do Desenvolvimento Agrário, Jaime Café, que representou o governador Siqueira Campos no evento, defendeu que seja feita uma grande parceria, entre todos os agentes governamentais, Sistema Fieto e o Ceste, em beneficio da população afetada pela construção do Lago de Estreito. “O Governo do Tocantins é parceiro, e tudo o que queremos fazer é contribuir com esse projeto em beneficio de nossa população”, disse o secretário. Em sua fala, Café também lamentou a ausência do representante do Ceste.

Para o Chefe de Assuntos Estratégicos do Ministério da Pesca e Aquicultura, Luiz Sabanay, só através de reuniões como essa é possível encontrar alternativas econômicas para as comunidades afetadas com a construção da Usina Hidrelétrica. “Nós somos responsáveis por fomentar a economia dessas regiões afetadas e para isso, precisamos firmar parcerias com o setor empresarial, com os governos do Tocantins e do Maranhão e com os municípios do entorno [do Lago de Estreito]”, afirmou Luiz Sabanay.

Ao final do encontro, o representante do Governo Federal propôs a realização de encaminhamentos que serão discutidos com outros ministérios e com o Ceste. O primeiro encaminhamento é voltado para expressar a “angustia” das partes afetadas, sobretudo dos prefeitos da região, em relação ao convívio com os representantes do Consórcio Estreito Energia. O segundo trata-se de uma proposta para uma grande parceria, em prol do desenvolvimento econômico da região, onde são apontadas as principais dificuldades e as soluções.

Os participantes do encontro ainda definiram uma próxima reunião, para discutir o projeto de desenvolvimento da cadeia produtiva do peixe no Lago de Estreito. Esse evento acontecerá no município de Estreito – MA e de acordo com a subsecretária de Aquicultura, será indispensável a presença de representantes do Ceste, para discutir com as demais partes o projeto de desenvolvimento aquícola.

Também participaram da reunião, o presidente da Fieto, Roberto Pires; o superintendente da Pesca do Estado do Maranhão, José Ribamar Pereira; o presidente do Ruraltins, Olímpio Mascarenhas; os prefeitos João Alberto (Carolina – MA), José Gomes Coelho (Estreito – MA), Gilmar Ribeiro (Barra do Ouro); o presidente da Associação Tocantinense dos Municípios, Silvino Manoel, que representou os prefeitos de Babaçulândia, Filadélfia, Itapiratins e de Palmeiras do Tocantins. Dentre os convidados, apenas o Consórcio Estreito Energia (Ceste) não enviou representante.

A Usina Hidrelétrica Estreito está em funcionamento desde março deste ano e gera 258,81 MW médios de energia assegurada acumulada, o suficiente para abastecer uma cidade de um milhão de habitantes. Para funcionamento do lago foi preciso fazer um reservatório, localizado no Rio Tocantins, na divisa dos Estados do Maranhão e Tocantins.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

Fabion critica atuação política da CODEVASF e Jair rebate

Publicado

em

Nesta noite de sexta, 18, os deputados Fabion Gomes (PL) e Jair Farias (MDB), se envolveram em um debate em rede social, sobre a atuação da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF).

Fabion falava com o prefeito de Nazaré, Clayton Paulo (Sem Partido), sobre o direcionamento dos investimentos da CODEVASF no Bico do Papagaio, onde estariam sendo beneficiados, municípios de interesse de Jair Farias.

Ao escutar a conversa, Jair entrou no assunto e negou o fato.

Fabion retrucou e chegou a dizer, que a empresa, contratada para executar as obras, está envolvida em diversas irregularidades.

Continue lendo

Bico do Papagaio

AUGUSTINÓPOLIS: Comissão Avaliadora do Conselho Estadual da Educação faz vistoria na UNITINS

Publicado

em

O Câmpus Augustinópolis da Universidade Estadual do Tocantins (Unitins) recebeu nesta segunda e terça-feira, 14 e 15 de junho, a visita da Comissão Avaliadora do Conselho Estadual de Educação (CEE). A visita in loco atendeu a três aspectos protocolares, conforme instrumentos de avaliação do CEE: vistoria da estrutura física, análise documental e reuniões com integrantes da comunidade acadêmica. O trabalho de vistoria in loco acontece no contexto do recredenciamento institucional da Unitins, cuja visita é a última etapa do processo.  

O presidente da Comissão de Avaliação, professor Evandro Borges Arantes, avalia que a visita foi muito proveitosa. Ele comenta que “já estive no Câmpus Augustinópolis em outras ocasiões,  desde o início do seu funcionamento, até por conta disso pude acompanhar a notória evolução, tanto no aspecto da estrutura física, que melhorou sensivelmente, quanto a própria organização administrativa e didático-pedagógica, que também está bem diferente e bem melhor do que das outras ocasiões em que lá estive”, destaca o conselheiro, ao apresentar algumas considerações sobre a visita.

De forma preliminar, ele pontua que “o novo prédio onde o Câmpus está instalado tem todas as condições, atende tudo que preconizam os atos regulatórios e os instrumentos de avaliação do CEE”, acrescenta.

Evandro Borges comenta, ainda, que o fato da Unitins ter organizado e disponibilizado todas as pastas, dossiês, relatórios e evidências foi importante e facilitou o trabalho dos avaliadores. Ele explica que os dados dos relatórios foram confrontados e correlacionados ao que se via na prática, in loco. “Nós vimos não apenas o que constava nos relatórios, mas evidências práticas da realização das atividades. Em suma, ficamos bastante satisfeitos”, declara o presidente da Comissão Avaliadora ponderando que, apesar das melhorias verificadas, serão feitas algumas observações, “mas isso não é demérito para a instituição, ao contrário, isso é só um indicativo do que a instituição ainda pode melhorar”.

O reitor Augusto Rezende também pontua a mudança de estrutura física como uma melhoria importante par ao Câmpus. “Foi apresentada a evolução predial que tivemos, saindo do Colégio La Salle, que a Unitins ocupava até o ano de 2019, indo a partir de 2020 para o Centro Santa Rita, que é um local bem mais adequado para a estrutura da universidade, um local que tem muito espaço, e os avaliadores também verificaram toda a estrutura tecnológica e o câmpus devidamente pronto para o projeto de expansão da Unitins”, relata.

Para o reitor, as visitas in loco dos avaliadores do CEE consolidam as autorizações de recredenciamento de toda a Universidade. “A gente acredita que é um passo importante para a regulamentação desses atos. A Unitins recebe com muito carinho e com muita atenção as visitas e as ponderações do CEE para que a gente possa avançar sempre no processo de melhoria do ensino e aprendizagem, evoluindo tanto no Ensino, quanto na Pesquisa e na Extensão”, finaliza. 

A diretora do Câmpus Augustinópolis, Gisele Padilha, relata que a visita aconteceu de maneira tranquila e segundo ela, foi bastante produtiva. Ela conta que a Comissão visitou e avaliou toda a estrutura física da unidade, analisou dossiês dos docentes, documentos institucionais e realizou reuniões com as equipes do Câmpus. Conversou ainda com estudantes, com integrantes da Comissão Própria de Avaliação (CPA), com a Reitoria e os pró-reitores. Gisele explica que, ao final da visita, o feedback imediato veio acompanhado de sugestões de melhorias. “A avaliação nos motiva e demonstra que estamos no caminho certo. Nosso sentimento é de gratidão a todos que contribuíram e nos apoiaram durante esse processo”, destaca a diretora, satisfeita com o diálogo com os conselheiros. (Ruy Bucar)

Continue lendo

Bico do Papagaio

AUGUSTINÓPOLIS: Acadêmicos de Ciências Contábeis apresentaram trabalhos como se estivessem em evento científico

Publicado

em

Discentes do 5º período do curso de Ciências Contábeis/Câmpus Augustinópolis da Universidade Estadual do Tocantins (Unitins) participaram, durante o primeiro semestre letivo de 2021, de ações interdisciplinares voltadas para a pesquisa e a elaboração de artigos científicos, objetivando motivar os estudantes para a produção acadêmica direcionada aos eventos da Mostra Científica.

Os artigos foram produzidos a partir do levantamento de temas feito pelos docentes do 5º período juntamente com os acadêmicos, envolvendo as temáticas das aulas. A atividade vale nota e compõe a Avaliação 2 (A2). A nota do artigo corresponde a 30% da A2, de modo que, pelo esforço, tenha-se uma compensação válida para as disciplinas que foram previamente acordadas entre docentes e discentes no início do semestre 2021/1.

Nessa quarta-feira, 16, os discentes puderam demonstrar um pouco dos seus talentos apresentando o produto final. Os artigos foram apresentados em aula para os demais colegas da turma como se estivessem apresentando em um evento acadêmico-científico.

“Os docentes que incluíram essa metodologia em suas aulas avaliaram como positivo e o resultado foi satisfatório para o aprendizado dos universitários, pois a efetivação do aprendizado no formato de aula remota é desafiador, assim como a forma de avaliar com coerência e eficácia”, afirma a professora da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, Jucicléia Teodoro de Lima.

A coordenadora do curso, professora Ana Paula Monteiro, elogiou a ação realizada pelos docentes do 5º período e destacou que “várias habilidades foram englobadas na metodologia trabalhada, demonstrando que houve aprendizado. Ações como essa nos ajudam a continuar acreditando que estamos no caminho certo”. (Carlos de Bayma)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze