Connect with us

Tocantins

Ribeiro, Gaguim e Marcelo podem estar unidos em 2014

Publicado

em

Sem títuloOs partidos PP, PT, PMDB, PV e PR podem estar juntos nas eleições de 2014, em oposição ao governador Siqueira Campos (PSDB). O senador João Ribeiro (PR), que está de licença do Senado para tratamento de saúde, afirmou que uma articulação forte já é organizada para vir como oposição ao governo do Estado em 2014. Os ex-governadores Marcelo Miranda e Carlos Henrique Gaguim, ambos do PMDB, confirmaram as articulações e declararam que a intenção é fortalecer uma união contra o atual governo.

O senador João Ribeiro disse que já houve conversa com o PMDB, PP e PV, e deixou transparecer que uma aliança pode ser formada futuramente, mas não confirmou nenhuma união oficial. Ribeiro também se mostrou interessado em ser candidato a governador. “Já assumi todos os cargos políticos no Tocantins, só posso ser governador agora”, afirmou.

Ele ainda declarou que conversará com o PSD, da senadora Kátia Abreu. “Nós temos uma boa relação, ainda vamos conversar”, disse. O senador já havia reforçado que desde as eleições municipais do ano passado, não tem mais vínculo com o governo do Estado.

PMDB

Marcelo Miranda declarou que a intenção é que as siglas marchem juntas como oposição ao grupo União do Tocantins, composto por partidos da base aliada de Siqueira Campos. Miranda disse que já conversou com o presidente do Diretório Estadual do PT, Donizeti Nogueira, mas que ainda não existe uma aliança oficial entre os partidos. Contudo, PT e PP já formalizaram uma união para 2014, como oposição ao atual governo do Estado.

Gaguim também confirmou que o PMDB já tem conversado com o PT, PR e PV e ressaltou que Ribeiro é um nome forte para ser candidato ao governo do Estado. Para ele é preciso que todos os partidos se unam e a definição do nome para candidatura de governador deve ser a pessoa que tiver as melhores condições, melhor desempenho em pesquisa. “Vamos trabalhar para que o nome seja do PMDB, inclusive o meu se eu tiver um bom desempenho nas pesquisas e esteja apto para disputa, com a ficha limpa”, destacou.

PV

O PV, em coletiva realizada na última terça-feira, através de seu presidente, o deputado estadual Marcelo Lelis, declarou que as articulações de aliança com o PR avançaram. O ex-vereador e membro do Diretório Estadual do PV, Evandro Gomes, afirmou que a sigla já conversou com o ex-prefeito da Capital Raul Filho (PT) e com Miranda. Lelis também não descartou a possibilidade de se unir com o PP, do prefeito de Palmas, Carlos Amastha, que por sua vez, fez articulações políticas com Ribeiro em visita feita em São Paulo, na última sexta-feira.

Crítica

O senador João Ribeiro (PR) avaliou a gestão do governador Siqueira Campos (PSDB) como ruim, e afirmou que ele não conseguiu fazer uma boa administração. “Fez muito pouco para o interior e para a Capital”, disse.
(Com informações do JT)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
7 Comments

Tocantins

Tocantins registrou 11,8 mil casos de hanseníase na última década

Publicado

em

O Tocantins ocupa o décimo primeiro lugar no Brasil em número de casos novos de hanseníase. O alerta é da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), que, com base no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde, identificou no estado a ocorrência de 11.890 casos novos da doença entre 2010 e 2019. Deste total cerca de 35,9% chegaram aos consultórios e ambulatórios com algum grau de incapacidade, isto é, quando a doença causa alguma deformidade física ou causa diminuição ou perda de sensibilidade nos olhos, nas mãos e nos pés.

JANEIRO ROXO – Como janeiro é o mês dedicado à conscientização, combate e prevenção da hanseníase no País, a SBD somou forças para apontar a importância de se enfrentar essa doença tropical de evolução crônica, que se manifesta principalmente por meio de lesões na pele e sintomas neurológicos, como dormência e diminuição de força nas mãos e nos pés.

A Região Norte do País figura na terceira posição em número de casos novos detectados ao longo da última década: 19% do total, o equivalente a 60.211 mil casos. Em primeiro lugar aparece o Nordeste, com 43% dos registros, seguido do Centro-Oeste, com 19,5% dos casos. Na quarta posição, está a Região Sudeste (15%). Somente 3,5% dos novos pacientes identificados nos últimos dez anos estão no Sul do Brasil.

Em oposição, cerca de 4% dos casos novos registrados na população brasileira durante o período se concentraram apenas no Tocantins. Na liderança do ranking estão: Maranhão, com 36.482 registros (12%); Mato Grosso, com 33.104 (11%); e Pará, com 31.611 (10%). Os estados de Roraima, Rio Grande do Sul e Amapá apresentam os melhores índices, diagnosticaram menos de 1.500 casos novos da doença na década.

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO – “São números alarmantes e, apesar disso, a hanseníase ainda é considerada uma doença negligenciada. Trata-se de um contexto contra o qual a SBD e muitos gestores públicos têm trabalhado arduamente ao longo dos anos, a fim de conscientizar a população sobre as manifestações clínicas da doença e assegurar a todos acesso ao diagnóstico e ao tratamento precoce”, ressalta Mauro Henokihara, presidente da SBD.

Segundo ele, a detecção precoce da doença é fundamental para que o paciente evolua sem sequelas e para diminuir a chance de transmissão para outras pessoas, em especial aquelas com quem convive de maneira regular e próxima. “Infelizmente, observamos um aumento na proporção de novos casos que chegam ao médico com o que chamamos de Grau 1 e 2 de incapacidade física, deformidades e incapacidades físicas às vezes irreversíveis”, pontua o dermatologista.

Pelos números apurados pela SBD no Sinan/MS, em 2010 os casos novos diagnosticados no Tocantins com algum tipo de deformidade (Grau 2) e com diminuição ou perda da sensibilidade nos olhos, mãos ou pés (Grau 1) representavam 27,6% do total. Os últimos dados nacionais disponíveis, referentes a 2019, mostram que essa proporção saltou para 45,1%.

PERFIL DO PACIENTE – Na maior parte do mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a doença preocupa mais com as mulheres quando o assunto é hanseníase, pois elas são mais afetadas pela doença. No Brasil, no entanto, são os homens os mais afetados: 55% dos casos novos detectados na última década. No Brasil, mais da metade dos pacientes com diagnóstico de hanseníase na década tinham entre 50 e 59 anos (18%), 40 e 49 anos (18%) e 30 e 39 anos (17%). Outra parcela significativa tinha mais de 60 anos (22%) ou estava na faixa entre 20 e 29 anos (12%).

Para Sandra Durães, coordenadora do Departamento de Hanseníase da SBD, isso pode estar relacionado a uma série de fatores, como a classe social e a menor frequência com que eles vão a consultas médicas. “A hanseníase tem uma característica interessante: a pessoa precisa estar atenta aos sinais o próprio corpo. Muitas vezes são manchas silenciosas, que não doem e não coçam. E sabemos que, culturalmente, o homem brasileiro tem mais dificuldade de ir ao médico e cuidar da própria saúde”, ressalta.

Os analfabetos e com ensino fundamental incompleto representam 54% das notificações da doença nos últimos dez anos. “A hanseníase está classificada entre as doenças ditas negligenciadas, que atingem populações com baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). O Brasil, apesar de estar entre as grandes economias mundiais, apresenta grande desigualdade social. Nas periferias de suas metrópoles, existem grandes bolsões de pobreza caracterizados por habitações insalubres e difícil acesso aos serviços de saúde”, lembra Sandra Durães.

A especialista alerta, no entanto, que, por se tratar de doença endêmica, a rigor toda a população está exposta e pessoas de maior poder aquisitivo também podem adoecer.

Continue lendo

Tocantins

Enem 2020 chega ao fim com balanço positivo do gabinete de monitoramento no Tocantins

Publicado

em

Sem nenhuma ocorrência grave, a realização das duas etapas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no Tocantins teve balanço positivo do ponto de vista da segurança. Essa é a avaliação do diretor do Sistema Integrado de Operações (SIOP), delegado Ricardo Francisco Real. Ele atribuiu o bom resultado ao Plano Estratégico de Atuação Integrada da Segurança Pública (PEAISP), que foi pensado exclusivamente para o Enem 2020.  “Com isso foi possível reunirmos logística, energia e segurança no Gabinete de Monitoramento que montamos na sede do SIOP, em Palmas, para atender com rapidez qualquer eventualidade”, observou o diretor.

Como parte das ações do PEAISP, o Gabinete de Monitoramento centralizou e sistematizou, todas as ocorrências do Estado do Tocantins relacionadas ao Enem 2020, em tempo real. Conectado ao Sistema Córtex, do Ministério da Justiça, o Gabinete teve a participação dos representantes da Secretaria da Segurança Pública, Polícia Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar do Tocantins, Guarda Metropolitana, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Secretaria Municipal de Segurança e Mobilidade Urbana, Exército Brasileiro, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Texeira (Inep), Cesgranrio, Correios e Energisa Tocantins.

Plano Estratégico

O PEAISP foi elaborado para dar suporte à realização do Enem 2020 no Tocantins. O plano também cumpriu o objetivo de promover a integração, coordenação, comunicação, comando e controle do processo de atuação integrada dos órgãos de segurança pública atuantes no Estado, em apoio Inep. Participaram da elaboração do PEAISP representantes da Segurança Pública, órgãos e agências Federais, estaduais e municipais que participaram do Plano Estadual de Segurança Integrada. (Shirley Cruz)

Continue lendo

Tocantins

Confira o cronograma das obras da BRK Ambiental em Gurupi para a semana de 25 a 30 de Janeiro

Publicado

em

A BRK Ambiental, responsável pelos serviços de saneamento em 47 cidades do Tocantins, continua trabalhando para garantir saneamento para mais famílias de Gurupi, no sul do Estado.  Nesta semana, as obras de expansão das redes de coleta de esgoto ocorrem no centro da cidade e no setor Nova Fronteira. Mais de 50 mil metros de redes estão sendo implantadas e trarão mais saúde e qualidade de vida para a população.

Durante os trabalhos, algumas ruas e avenidas serão interditadas para garantir a segurança às equipes e aos pedestres, as interdições ocorrerão das 07h às 18h. Confira abaixo o cronograma e opte por transitar em rotas alternativas.

Centro de Gurupi

Segunda-feira (25)Av. Maranhão entre Av. Beira Rio e rua 20AAvenida Paraíba entre rua contorno e rua 21Avenida Beira RioRua A entre as ruas M e K
Terça-feira (26)Av. Maranhão entre as ruas 20A e 20Avenida Paraíba entre as ruas 21 e 20Avenida Beira RioRua A entre rua K e Avenida E
Quarta-feira (27)Av. Maranhão entre as ruas 20 e 19Rua F entre rua contorno e 21Avenida Beira RioAvenida E entre as ruas A e contorno
Quinta-feira (28)Av. Maranhão entre as ruas 19 e 10Rua F entre as ruas 21 e 20Avenida Beira RioAvenida E entre as ruas A e D
Sexta-feira (29)Av. Maranhão entre as ruas 10 e 09Rua F entre as ruas 21 e 20Avenida Beira RioAvenida E entre as ruas A e D
Sábado (30)Av. Maranhão entre as ruas 09 e 08Setor Nova Fronteira

Setor Nova Fronteira

Segunda-feira (25)Rua 80 entre a rua 80E e Avenida ERua 80E entre as ruas 80 e 78CRua 70C entre as ruas 80 e 78C
Terça-feira (26)Rua 80 entre as ruas 80E e Avenida ERua 80E entre as ruas 80 e rua 78CRua 70C entre as ruas 80 e rua 78C
Quarta-feira (27)Rua 80 entre as ruas 80E e Avenida ERua 80E entre as ruas 80 e 78CRua 70C entre as ruas 80 e 78C
Quinta-feira (28)Rua 80 entre a rua 80E e avenida ERua 80D entre as ruas 80 e 78CRua 62 entre as ruas 80 e 78C
Sexta-feira (29)Rua 80 entre a rua 80E e Avenida ERua 80D entre as ruas 80 e 78CRua 62 entre as ruas 80 e 78C
Sábado (30)Rua 80 entre a rua 80E e Avenida ERua 80D entre as ruas 80 e 78CRua 62 entre as ruas 80 e 78C

Continue lendo
publicidade Bronze