Connect with us

Pará

Rio Parauapebas quase à beira da extinção

Publicado

em

f_Rio (1)

A cada ano os efeitos devastadores das agressões ambientais nas áreas onde ficam as nascentes que alimentam o Rio Parauapebas são visíveis. Ano a ano, o rio que dá nome ao município mais rico do Pará está secando e sendo consumido pela poluição do esgoto que é despejado sem qualquer tratamento em seu leito, de onde – irônica ou tragicamente – é captada a água que abastece a cidade. No ano passado, a estiagem deixou o rio praticamente seco em vários pontos, tornando possível sua travessia a pés descalços de um lado a outro da margem. Este ano, a realidade é ainda pior.

Em alguns trechos, apenas filetes de água lutam para transpor os pedrais, que emergem do seu leito, e dar sequência a vida ameaçada do rio, que é o maior da Região de Carajás. As equipes de reportagem da TV e Jornal CORREIO, em Parauapebas, produziu ampla matéria jornalística, mostrando a situação em que se encontra o rio em vários trechos.

Em 2015, após uma forte enxurrada, vários peixes morreram em situação que até hoje a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) não sabe explicar. O laudo para atestar o que provocou a morte dos peixes nunca foi divulgado. Não se sabe nem se chegou a ser feito.

Aliás, o governo municipal é reticente quando o assunto é a situação do Rio Parauapebas. Com uma dos maiores orçamentos do País, o município se cala quando a questão é a falta de um sistema de tratamento de esgoto, que amenizaria os danos ambientais ao curso d’água mais importante do Vale de Carajás.

Além do esgoto, o Parauapebas agoniza com a devastação criminosa de suas matas ciliares e da retirada de areia e seixo de seu leito, assim como o assoreamento de igarapés e córregos que alimentavam suas águas, da mesma forma que a morte de nascentes com o avanço dos projetos minerais, pecuária e de expansão urbana. Esse conjunto de fatores é uma sentença de morte para o rio , que já reinou imponente antes do homem começar a dizimá-lo.

Com 350 quilômetros de extensão e correndo na direção sul-norte, o Parauapebas foi genuinamente marabaense. Com a emancipação, passou a ser integralmente de Parauapebas. Porém, após a criação de Canaã dos Carajás e Água Azul do Norte, sua nascente ficou localizada neste último município. Formado pela junção do Ribeirão do Caracol com o Córrego da Onça, ele recebe pela margem esquerda o Córrego da Goiaba, os igarapés Gelado e da Gal, e os rios Sossego e Sapucaia; pela margem direita recebe o Igarapé Ilha do Coco e os rios Plaquê, Verde, Novo e Caracol. Não confundir o Rio Caracol com o Ribeirão do Caracol, que são cursos de água distintos.

Em seu alto curso até o Rio Sossego, o Parauapebas é conhecido entre os ribeirinhos como Caracol ou Plaquê. Também recebe o nome de Rio Branco em seus cursos médio e baixo. Ele só é navegável por pequenos barcos em trechos limitados, haja vista ser cheio de corredeiras e pequenas cachoeiras. Por conta dos danos ambientais, até as áreas que eram caudalosas, agora estão em nível crítico, com vazão cada vez menor.

No trecho que corta a áreas da Palmares, em Parauapebas, próximo a estrada de Ferro Carajás, há um lixão. Parte desse material também acaba indo parar dentro do rio. A falta de consciência ambiental de algumas pessoas também agrava a situação. Quem costuma frequentemente usar o rio como lazer não se preocupa em fazer sua parte, fiscalizando e evitando atirar lixo em suas margens e leito.

Em um dos balneários, que tem grande movimento, principalmente aos fins de semana, latinhas de cervejas e garrafas pets enfeiam suas margens, sendo mais um obstáculo aos filetes de água, já que o local está praticamente seco e esses materiais levam anos para se decompor na natureza.

Área urbana

Na área urbana da cidade, o Parauapebas é castigado pelo esgoto e despejo de todo tipo de material poluente. Por conta do processo acelerado de degradação, o rio que já foi berçário de várias espécies de peixe e que serviam de fonte de alimento para as populações nativas, agora está praticamente estéril.

Só em alguns locais, onde há maior volume de água, é que ainda se vê o movimento da vida, como em um desafio de sobrevivência. (Tina Santos/Correio Tocantins)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Hospitais públicos estão com vagas de emprego em Ananindeua e Belém, no Pará

Publicado

em

A Pró-Saúde, uma das maiores entidades filantrópicas de gestão hospitalar do país, está com vagas de emprego abertas para atuação em duas regiões no Pará. As oportunidades contemplam o município de Ananindeua, na Região Metropolitana, e Belém, capital paraense.

No Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE), em Ananindeua, as vagas são para auxiliar de farmácia e auxiliar de higienização e limpeza, com prazo para inscrição até a próxima quinta-feira, 22. Há vagas também para técnico de enfermagem e enfermeiro, com prazo até o dia 26 de abril.

No Hospital Público Estadual Galileu (HPEG), localizado em Belém, as oportunidades são para auxiliar de manutenção e farmacêutico (temporário). As inscrições vão até o final do mês de abril.

Cada fase do processo seletivo, como provas e entrevistas, será realizada no próprio local da vaga. Todas as etapas são eliminatórias.

Saiba como participar do processo seletivo

As oportunidades contemplam vários níveis de escolaridade e são para as áreas assistenciais e de apoio. Pessoas com Deficiência (PCD) podem se candidatar.

Para participar, é necessário que o candidato acesse o site da Pró-Saúde, no endereço: https://www.prosaude.org.br.

Em seguida, no menu “Trabalhe Conosco”, selecione a opção “Conheça nossas oportunidades”. Clique na vaga desejada e, depois, acesse a opção “Cadastre seu Currículo”.

Todos os detalhes das vagas, como requisitos básicos para candidatura, estão disponíveis no portal.

Para concluir o processo de inscrição, os candidatos devem ter perfil no portal VAGAS (www.vagas.com.br), plataforma externa reconhecida no mercado e que proporciona transparência ao processo.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Pequenas empresas já podem acessar link para pedir crédito especial ao Banco do Povo

Publicado

em

As pequenas empresas, associações e cooperativas de serviço e de trabalho de Parauapebas já podem solicitar empréstimo especial ao Banco do Povo, no valor de até R$ 10 mil, a partir desta segunda-feira, 19.

Basta acessar o site da prefeitura no endereço parauapebas.pa.gov.br e clicar no banner de cadastro do Banco do Povo.

O cadastro ficará disponível pela prefeitura até o valor total dos pedidos alcançar R$ 10 milhões.

Conforme o Decreto Municipal nº 1.189/21, publicado na última sexta-feira, 17, para ter direito ao benefício as empresas devem estar instaladas há pelo menos um ano em Parauapebas. Já as associações e cooperativas precisam comprovar que estão em atividade há mais de seis meses no município e que têm pelo menos 70% do quadro social composto de micro e pequenos empresários.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Campanha de doação de sangue tem resultados positivos

Publicado

em

No último final de semana, 17 e 18 (sábado e domingo), foi realizada a campanha de doação de sangue, com tema: “Em tempos de pandemia, distribua amor, doe sangue”.

A campanha foi destinada aos doadores com fator Rh tipo “O” por ser o mais escasso durante esse período de pandemia da covid-19, que levou à queda no número de doações de sangue. Por essa razão, diversos hemocentros operam em estado crítico. Diversas medidas foram adotadas para diminuir o risco de contágio pelo coronavírus, todos os voluntários foram previamente agendados, dessa forma evitando aglomerações.

A campanha foi promovida no município pela Prefeitura Municipal de Parauapebas, através da Secretaria Municipal da Saúde (Semsa), em parceria com o Hemocentro de Marabá.

De acordo com a organizadora da campanha no município, Aline Ferreira, Coordenadora da Agência Transfusional de Parauapebas, as doações foram bem significativas. “Conseguimos coletar 175 bolsas de sangue durante o fim de semana, ultrapassamos a meta que estava proposta para 160 bolsas. Esse número é muito importante, pois nos estimula a trabalhar ainda mais e criar novas campanhas no município”, comemora.

Segundo o secretário de saúde, Gilberto Laranjeiras, mesmo em período de pandemia as doações não podem parar. “Em tempos de pandemia os bancos de sangue estão sendo monitorados e já apresentam uma diminuição nos estoques de bolsas. O Ministério da Saúde orienta que as doações não devem parar. Segundo a Colsan (Associação Beneficente de Coleta de Sangue), os postos de coleta de sangue já tiveram uma queda de 30%, e com esta preocupação organizamos está campanha seguindo todas as orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde), para garantir segurança de quem gentilmente doou sangue nesse final de semana. Quero agradecer a parceria dos munícipes da nossa cidade que com a ajuda deles ultrapassamos a meta de doações”.

Entenda um pouco mais sobre a doação de sangue

Doação de sangue é o processo pelo qual um doador voluntário tem seu sangue coletado para armazenamento em um banco de sangue ou hemocentro para uso subsequente em transfusões de sangue.

O sangue é um composto de células que cumprem funções como levar oxigênio a cada parte do nosso corpo, defender nosso organismo contra infecções e participar na coagulação. Não existe nada que substitua o sangue.

A quantidade de sangue retirada não afeta a sua saúde porque a recuperação é imediata após a doação. Uma pessoa adulta tem em média cinco litros de sangue e em uma doação são coletados no máximo 450 ml de sangue. É pouco para você e muito para quem precisa! Você passará por uma entrevista que tem o objetivo de dar maior segurança para você e aos pacientes que receberão o seu sangue. Seja sincero ao responder as perguntas!

Todo sangue doado é separado em diferentes componentes (hemácias, plaquetas e plasma) e assim poderá beneficiar mais de um paciente com apenas uma unidade coletada. Os componentes são distribuídos para os hospitais para atender aos casos de emergência e aos pacientes internados.

“Não existe nada que substitua o sangue. A doação é um ato de solidariedade que ajuda a salvar vidas. Por isso, seja um doador frequente. Essa corrente precisa de você”, enfatiza o Secretário adjunto de saúde, Paulo Vilarinhos. (Nívea Lima / Foto: Renato Resende)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze