Connect with us

Pará

Santa Casa do Pará registra mais um caso de escalpelamento

Publicado

em

O motor da embarcação estava com o eixo desprotegido. Com a força do motor, o couro cabeludo da jovem foi totalmente arrancado (Foto: Ascom/Governo do Estado)

Deu entrada nesta quinta-feira (12) na Fundação Santa Casa de Misericórdia, em Belém, uma adolescente vítima de escalpelamento. É o oitavo caso de acidente com o eixo do motor registrado somente este ano na instituição.

De acordo com Fundação, a irmã da vítima relatou que no início da tarde da ultima quarta-feira (11), a adolescente apanhou o barco da família para visitar parentes em uma localidade próxima de onde mora. O motor da embarcação estava com o eixo desprotegido e embora a vítima estivesse com os cabelos presos, por acidente acabou tendo parte deles soltos e sugados pela engrenagem. Com a força do motor, o couro cabeludo da jovem foi totalmente arrancado.

Socorro Ruivo, coordenadora do Programa de Assistência Integral às Vítimas de Escalpelamento (Paives), diz que essa é a terceira vítima vinda do município de Igarapé-Miri e que, apesar das constantes campanhas de prevenção, os acidentes continuam acontecendo. “Este ano já foram oito casos desse tipo. Precisamos intensificar as campanhas de conscientização de cobertura do eixo do motor e garantir um maior comprometimento das prefeituras das regiões ribeirinhas no sentido de fiscalizar e educar seus moradores” destaca.

A coordenadora do Paives alerta, ainda, que no mês de julho, quando o número de viagens para as localidades ribeirinhas aumentam, são feitas campanhas permanentes de prevenção. A Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), juntamente com a Capitania dos Portos da Amazônia Oriental, Defensoria Pública e outros órgãos de governo, também desenvolve, dentro da Operação Verão, uma campanha de combate ao escalpelamento. “Intensificamos as ações educativas, com distribuição de fôlderes, cartazes e palestras em vários municípios”, informa.

Segundo o Paives, as ocorrências de escalpelamento ao longo de todo o ano de 2011 chegaram a nove, e este ano, somente no primeiro semestre, chegaram a oito casos com esta última ocorrência. “Atribuímos a reincidência desses acidentes à falta de conhecimento das pessoas e também à negligência dos que já tem acesso à informação e mesmo assim não adotam as medidas de prevenção”, analisa a coordenadora.

No Pará, entre os anos de 1982 e 2012 foram registrados mais de 250 casos de escalpelamento, ocorridos na mesorregião do Marajó, região metropolitana, nordeste e Baixo Tocantins. A Fundação Santa Casa, desde 2001, é referência estadual na assistência às vítimas de escalpelamento, por meio do PAIVES, que garante assistência integral, humanizada e multidisciplinar aos pacientes e acompanhantes.

Proteção do motor

Com o objetivo de combater o escalpelamento nos rios do Pará, a Marinha do Brasil faz doação do protetor para o eixo do motor das embarcações. Para o capitão dos Portos da Amazônia Oriental, Francisco Pereira Valle, a parceria com a Fundação Santa Casa reforça as ações de prevenção que a Marinha faz nas comunidades ribeirinhas da Amazônia. “O transporte de pessoas em barcos é muito comum no Pará, e desde 2001 a Marinha atua no combate a este tipo de acidente. Instalamos, sem custos e sem punição para quem ainda não o fez, a proteção do eixo do motor e, para isso, basta que os proprietários de embarcações entrem em contato com qualquer navio da Marinha, pois todos eles são equipados com o material necessário para esse serviço”, esclareceu. (G1)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

Assista o Conexão Rural deste final de semana – Dias 16 e 17

Publicado

em

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Município e ANM assinam nesta quarta-feira Termo de Cooperação para regularização de mineradoras

Publicado

em

Buscando soluções que viabilizem empreendimentos minerários legalizados e sustentáveis, será assinado nesta quarta-feira, 13, o Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura de Parauapebas e a Agência Nacional de Mineração (ANM).

O evento será realizado no Hotel Vale dos Carajás, às 18h.

Em 22 de setembro a Prefeitura apresentou junto à ANM um documento com um plano de trabalho para indicar o interesse do município em firmar a parceria.


De acordo com o documento, o município coloca à disposição da ANM a equipe técnica da Secretaria Municipal de Mineração, Energia, Ciência e Tecnologia para contribuir com os processos de fiscalização da Contribuição Financeira por Exploração Mineral (Cfem) e de atividades de extração mineral, além de apoio em Processos Minerais.

“Segundo o cadastro da ANM, até dezembro de 2020, o município de Parauapebas registrava 761 Processos Minerais em todas as suas fases, desde requerimento até a autorização de lavra, representados por 197 pessoas físicas e jurídicas, com indicação de 29 substâncias minerais”, detalha o documento.

O município de Parauapebas tem longa experiência na fiscalização da Cfem, especialmente pelo trabalho desenvolvido desde 2007 em conjunto com o então Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), hoje ANM. Graças a essa sinergia, foram realizadas denúncias quanto à prática de preços externos da Vale S.A, que resultou no Processo de Cobrança nº 951.438/2009 e rendeu mais de meio bilhão de reais por meio da Execução Fiscal 0006181-37.2010.4.01.390.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Gilson Fernandes pode ser um dos nomes de Bolsonaro para federal

Publicado

em

O nome do líder dos pequenos mineradores, Gilson Fernandes, vem ganhando força no meio bolsonarista na região de Carajás, para disputar uma cadeira de deputado federal em 2022.

Gilson está a frente da Federação Brasileira da Mineração e da Cooperativa Brasileira da Mineração, e vem desde 2015 ganhando protagonismo nas pautas conservadoras e políticas alinhadas ao presidente Bolsonaro.

Gilson tem se mantido reservado quanto a possibilidade de aceitar disputar uma cadeira de deputado federal, mas vem sendo incentivado por correligionários do setor mineral e conservador da região de Carajás.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze