Connect with us

Bico do Papagaio

SÃO MIGUEL: Preço do coco babaçu é debatido em encontro da Setas e associação de quebradeiras

Publicado

em

A luta por melhores condições de vida constantemente reúne as quebradeiras de coco do Bico do Papagaio, mas nos dias 29 e 30 a Asmubip – Associação Regional das Mulheres Trabalhadoras Rurais do Bico do Papagaio realizou em São Miguel do Tocantins o primeiro encontro sobre gestão do projeto babaçu, uma importante conquista para a região. Na reunião, a secretaria executiva do projeto pôde apresentar o trabalho desenvolvido nos primeiros três meses de execução às coordenadoras de núcleo da associação, que reúne mulheres de 11 municípios da região e também aos parceiros do projeto.

O Projeto Babaçu é uma parceria entre Asmubip e Setas – Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social. Em 2008, o projeto foi aprovado pela Petrobras recebendo recursos de mais de R$ 500 mil. Com o recurso a associação poderá manter funcionando a unidade de processamento de mesocarpo e a unidade que fabrica o óleo de coco. Outro benefício proposto no projeto é a melhoria na qualidade dos subprodutos e para tanto serão contratados consultores especializados para ministrar cursos e adquiridas embalagens adequadas para cada produto do babaçu. De acordo com o técnico da Setas, Josivaldo Veloso, para que os ganhos do projeto sejam mantidos por mais tempo, parte dos investimentos serão aplicados em capital de giro e divulgação dos produtos buscando ampliar mercado e elevar o preço dos produtos.

Segundo o coordenador do Projeto, Marcelo Oliveira Barbosa, das atividades propostas no projeto, até o momento, já foram comprados 20mil quilos de amêndoas das associadas, contratadas consultoria de marketing e fabricado parte do material de divulgação. “Estamos com um bom desempenho das ações buscando alcançar as metas estabelecidas”, completa.

A Asmubip trabalha há mais de 15 anos e surgiu da necessidade de unir forças para preservar os palmeirais, que são constantemente ameaçados pelos fazendeiros da região e para agregar valor ao babaçu e seus subprodutos. Nesse período muitos avanços foram conquistados, como todas as quebradeiras gostam de ressaltar. Mas ainda hoje o preço pago pelo coco não oferece um salário digno a essas mulheres. Para se ter ideia o melhor preço pago pelo coco é R$ 1,50 o quilo. Cada quebradeira consegue, em média, 7kg por dia, o que no final do mês não lhes garante nem um terço do salário mínimo. A quebradeira de coco Beliza da Costa comenta que a maior dificuldade da classe são os preços dos produtos e o associativismo é uma tentativa de agregar valor ao produto e lutar por melhores preços e declara: “Os benefícios do óleo, mesocarpo e outros produtos do coco já são comprovados, precisamos batalhar para seja valorizado e com isso teremos salários mais dignos”.

Projeto

O Projeto Babaçu é um dos reforços da associação nesta constante luta pela valorização da atividade extrativista, profissão de mais de 500 mil famílias no país. Para a superintendente do Trabalho da Setas, Gláucia Branchina, o empoderamento desta classe de trabalhadoras é o caminho para o desenvolvimento social da região. “O aumento no IDH- Índice de Desenvolvimento Humano dessa região demonstra que tem acontecido avanços, mas é preciso haver continuidade, por isso o Governo do Estado continuará investindo em projetos como este que possibilitam tanto o desenvolvimento econômico, quanto o Social”, explicou.

O projeto, que já está em execução desde outubro de 2009, tem mais um ano para ser concluído e a expectativa das associadas é de que as atividades desenvolvidas estruturem a produção garantindo a autonomia da Asmubip. (Lara Cavalcante)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
2 Comments

Bico do Papagaio

TOCANTINÓPOLIS: Dois homens morrem após moto bater em caminhão com 23 indígenas na carroceria

Publicado

em

Dois homens morreram após uma colisão entre uma motocicleta e um caminhão que transportava 23 indígenas da etnia Apinagé na carroceria. O acidente aconteceu na noite desta sexta-feira (14) na TO-126, próximo da entrada do povoado Mumbuca em Tocantinópolis. As vítimas estavam na moto e foram identificadas como Gustavo Borges de Sousa, de 39 anos, e Hildo de Araújo Moraes, de 42 anos.

O motorista contou à Polícia Militar que estava fazendo o transporte dos indígenas após passarem o dia coletando coco babaçu em uma fazenda da região. Durante a viagem ele ouviu um barulho e quando parou percebeu que a moto tinha colidido na traseira do caminhão.


A PM informou que uma equipe médica ainda foi chamada, mas apenas constatou a morte de Gustavo Borges e Hildo de Araújo.

Nenhum ocupante do caminhão se feriu. O motorista permaneceu no local e não apresentava nenhum sinal de alteração da capacidade psicomotora. Depois ele foi levado para prestar depoimento na delegacia de plantão.

A Polícia Científica foi chamada para fazer a perícia e depois o IML recolheu os corpos. Os dois veículos foram apreendidos e entregues na delegacia. (G1)

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Rixa em bar tem tapa na cara, tiro de espingarda e prisão

Publicado

em

A Polícia Militar apreendeu na noite de quinta-feira, 13, uma espingarda calibre 20, em poder de um homem de 36 anos, que acabou preso por porte ilegal de arma de fogo e também por efetuar disparo com a própria arma em vias públicas. A ocorrência se deu nas proximidades de um bar em um bairro de Araguatins, no Bico do Papagaio.

A equipe de policiais militares foi chamada para atender uma ocorrência nas proximidades de um bar, onde acontecia uma briga envolvendo o autor e outro homem de 38 anos, por motivos não revelados.


O autor disse aos policiais, que se encontrava no bar quando o homem de 38 anos, que também acabou sendo preso, chegou e começou a lhe agredir fisicamente com tapas, causando escoriações na cabeça e nas costas.

O autor também relatou à PM que após a agressão foi em sua residência e buscou a espingarda e apontou para o homem de 38 anos e só não atirou devido ter pessoas próximas. 

No momento da ação o autor acabou sendo contido por populares que estavam no bar, e que a espingarda disparou acidentalmente para o alto no momento em que ele era imobilizado. A espingarda foi escondida e entregue aos policiais militares a qual acabou sendo apreendida. 

Os dois homens e a arma de fogo foram apresentados na Delegacia de Polícia Civil para as providências cabíveis.

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Jacaré é visto nadando próximo a cidade

Publicado

em

Um jacaré-açu espécie predominante da Amazônia, foi filmado por moradores de Araguatins, esta semana, no Rio Araguaia, bem em frente a cidade de Araguatins, no Bico do Papagaio. O animal é grande e esmo com a aproximação dos populares, ele não fugiu ou reagiu.

Pelas dimensões do bicho, se trata de um exemplar adulto. Normalmente esse tipo de jacaré se alimenta de pequenos animais, como tartarugas, peixes, capivaras e veados. É uma espécie que esteve à beira da extinção, devido ao valor comercial do seu couro de cor escura e da sua carne. Atualmente, encontra-se protegido e sua população encontra-se estável no Brasil. É a maior espécie de jacaré, podendo atingir até 4,5 metros de comprimento.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze