Connect with us

Bico do Papagaio

SÃO MIGUEL: Quarta morte por Covid-19 é confirmada

Publicado

em

O 83º Boletim Epidemiológico Notificações da Covid-19 no Tocantins, trouxe neste sábado, 6, a confirmação da quarta morte por Covid-19, no município de São Miguel, no Bico do Papagaio.

Trata-se de uma mulher de 51 anos, hipertensa e diabética, faleceu na madrugada deste sábado, 6, no Hospital Geral de Palmas.

Além das 4 mortes, São Miguel já registrou 89 casos de Covid-19 e 61 estão recuperados da doença.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

ANGICO: Apoliana Oliveira lança pré-candidatura a vereadora

Publicado

em

Apoliana Oliveira (PP), formada em Cooperativismo pela Universidade Federal do Tocantins (UFT), 31 anos, mãe de dois filhos, casada com José Luiz e membro de uma das famílias tradicionais da cidade, filha dos pioneiros Bento Oliveira e de Maria do Espírito Santo, se lançou, como pré-candidata a vereadora de Angico pelo o Partido Progressista (PP).

Por ser apaixonada pela política, Apoliana lamenta que ainda tenha poucas mulheres ocupando cargos públicos. A pré-candidata a vereadora, além de defender o aditamento da participação da mulher nas eleições, ainda tem ampla visão de defesa e enaltecimento do segmento feminino com a fomentação de políticas públicas, também pra juventude na cidade de Angico e região.

Em conversa com o Jornal Folha do Bico, Apoliana disse que coloca seu nome para ser avaliado pelo povo. “Sou moradora do povoado Mato Redondo, e assim como centenas de moradores do povoado entendo que posso fazer muito mais e lutar por melhorias do lugar onde nasci e fui criada”, conta.

De acordo com Apoliana, ela aceitou o desafio porque sabe da importância do papel do vereador. “Firmo aqui meu compromisso político, de lutar pelo nosso município, buscando a implantação de políticas sociais que priorizem a saúde, esporte, educação e valorização da juventude”, disse.

Apoliana deseja que venha ter mais ações em defesa dos direitos das mulheres com pauta de debates e ações no Parlamento Municipal de Angico, a partir de 2021. Segundo Apoliana é importante implantar metas de defesa que almeje manter a dignidade das mulheres em Angico, com articulação de políticas públicas para o segmento, incluindo atividades antidiscriminatórias em suas relações sociais e o combate a todas as formas de violência contra a mulher.

É com essa ampla visão e linha de pensamento que Apoliana Oliveira é pré-candidata a vereadora em Angico.

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: Natividade retoma trabalhos na Saúde após Covid-19

Publicado

em

A Secretaria Municipal de Saúde (SEMUS), informou nesta sexta, 3, que o secretário municipal Natividade Alves Palma, reassumiu os trabalhos, após alta por cura da Convid-19. Ele passou por avaliação médica e se encontra apto a desenvolver suas funções normalmente.

“Retornarei as minhas atividades agradecendo a Deus e aos profissionais da Saúde que nos atenderam e de volta ao trabalho com o objetivo de aprimorar e aperfeiçoar cada vez mais os serviços prestados pela Saúde de Araguatins aos nossos usuários” disse o gestor.

Continue lendo

Bico do Papagaio

Núcleo da Defensoria Pública é canal de apoio no enfrentamento à intolerância racial

Publicado

em

O dia a dia de algumas pessoas pode ser muito mais difícil do que de outras por um detalhe: a cor da pele. Infelizmente o racismo, a discriminação e a intolerância racial ainda fazem parte de uma realidade cruel, principalmente com a população mais carente, causando sofrimentos, desvantagens e muitas vezes violências. O que nem todos sabem é que racismo é crime e a vítima pode sim se defender e lutar por seus direitos. Na Defensoria Pública do Estado do Tocantins (DPE-TO), a luta antirracista é parte integrante das atividades, por meio do Núcleo Especializado de Defesa dos Direitos Humanos (NDDH).

O NDDH atua de forma incisiva no enfrentamento da intolerância racial, seja na participação de conselhos, prestando assistência jurídica integral e gratuita a pessoas e grupos que sofrem violação de seus direitos, além da atuação coletiva em defesa da igualdade de todos e todas.

Uma das estratégias do Núcleo é o acesso à informação. Por isso, a educação em direitos está entre as ações do NDDH. É o caso da Cartilha da Igualdade Racial e Direitos Humanos, que já está na sua 2ª edição. Trata-se de um importante instrumento de conscientização acerca dos direitos e garantias fundamentais. Na Cartilha é possível se absorver de conhecimentos sobre importantes questões como o Estatuto da Igualdade Racial, Declaração Universal dos Direitos Humanos, Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial, conselhos estaduais, além de dados sobre a população negra, dentre outros. 

De acordo com a coordenadora do NDDH, defensora pública Carina Queiroz Farias, mesmo a prática do racismo constituindo um crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei, ainda são muitas as práticas no País e também no Tocantins. “O racismo é um dos maiores obstáculos à inclusão social. Por isso, é essencial que se proponham medidas, programas e políticas de ações afirmativas para assegurar o progresso adequado da população negra ao gozo e ao exercício de direitos humanos e liberdades fundamentais”, disse.

Rede de Combate

Você sabia que existe uma rede de apoio e combate ao racismo?

Além da Defensoria Pública, denúncias de crimes de racismo podem ser acionadas na Ouvidoria Nacional da Igualdade Racial, através do número (61) 2025-7000 ou pelo e-mail, [email protected] As reclamações recebidas por estes veículos são encaminhadas aos órgãos responsáveis, nas esferas federal, estaduais e municipais.

Outro mecanismo de denúncias é o Disque Direitos Humanos (Disque 100), que abrange todo o País e é voltado a pessoas que queiram informar qualquer tipo de violação a estes direitos. A pessoa que sofrer ou testemunhar um caso de racismo deve ainda acionar a polícia. No caso da Polícia Civil, o contato pode ser feito pelo telefone 197 e, para a Polícia Militar, através do 190. Nos casos de flagrante, o autor do crime pode ser preso. (Cinthia Abreu)

Continue lendo
publicidade