- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
quarta-feira, 17 / agosto / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

Seir e Sebrae incentivam empreendedorismo de trancistas de São Luís

Mais Lidas

As trancistas de São Luís terão novo incentivo para fazer despontar o mercado de beleza negra no Maranhão. A partir da articulação realizada pela Secretaria de Estado da Igualdade Racial (Seir), vinculada à Casa Civil, e o Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequenas Empresas do Maranhão (Sebrae/MA), as trancistas serão capacitadas e receberão consultoria para fortalecer a atividade de transformar cabelos afros e lisos em verdadeiras obras de arte.

“Desde 2011 a Seir em parceria com o Sebrae/MA  identificaram a existência no mercado de cerca de vinte cabeleireiras especializadas nos cuidados do cabelo afro e trança nagô.  Uma das demandas deste grupo foi a formação de uma cooperativa que contribuísse para o reconhecimento e organização profissional. No momento este grupo de trancistas está incluído no Programa Cultura Ativa sob a gestão do Sebrae, que objetiva capacitá-las como empreendedoras e gestoras dos seus espaços de trabalho.”, ressaltou a secretária Claudett Ribeiro.

Por meio do Projeto Cultura Ativa: Empreendedorismo Sustentável nos 400 anos de São Luís, desenvolvido pelo Sebrae/MA, as profissionais de beleza especializadas no tratamento e penteados de cabelos afro terão acesso à cursos de qualificação profissional e terão o apoio de consultores, que prestarão atendimento individualizado à cada trancista.

Em reunião realizada com na sede da Seir, na terça-feira (10), o consultor de Mercado Cultural e Empreendedorismo do Sebrae, André Lobão, e a consultora em Gestão, Janice Martins, apresentaram às trancistas o diagnóstico resultante do levantamento de informações sobre as necessidades do setor de beleza negra. De acordo com André Lobão, foram identificadas fortalezas, oportunidades, ameaças e fraquezas desse seguimento, que na opinião dele tem grande potencial de gerar novos negócios.

“As trancistas são extremamente motivadas e tem grande propriedade sobre o trabalho que realizam. Elas conhecem e utilizam produtos de excelente qualidade, sabem estabelecer o valor do trabalho delas e tem como grande vantagem o fato de ter próximo a elas um grande público em potencial para consumir os serviços que elas oferecem. O que elas precisam agora é de orientações sobre elementos gerenciais”, disse o consultor André Lobão.

O diagnóstico sobre o mercado de beleza negra servirá de base para elaboração do programa de capacitação com vistas à maior inserção produtiva das trancistas. Ainda este ano, as trancistas participarão da grande mostra de economia criativa que o Sebrae/MA realizará em comemoração aos 400 anos de São Luís.

Para as trancistas a oportunidade veio em um momento em que a valorização da beleza negra está em alta, em que é cada vez maior o número de pessoas que se sentem à vontade em assumir os cabelos crespos. “Nós temos percebido que a procura pelas trancistas aumentou bastante. Não só os negros como o público em geral tem valorizado as tranças e os penteados que valorizam a beleza negra, que assim como nós, acreditam que cabelo crespo é cabelo bom”, disse Rosana Alves, articuladora do grupo de trancistas.

Para fortalecer atuação delas, as trancistas estão elaborando a proposta de criar a Cooperativa Cassangue, iniciando com o grupo de 18 mulheres. A palavra Cassangue é de origem africana e tem como significado “grupo de negos da África”. Além disso, faz alusão às lutas pela libertação de Angola. “A cooperativa é uma forma de nos organizarmos melhor, de termos mais oportunidades de conseguir melhores condições para adquirir produtos e instrumentos de trabalho, e de nos fortalecer enquanto empreendedoras negras, para dar visibilidade ao nosso trabalho e à nossa identidade”, opinou Rosana Alves.

Projeto Cultura Ativa

O Cultura Ativa tem como objetivo assessorar os grupos culturais e artesãos a administrar o negócio de forma sustentável. Lançado no segundo semestre de 2011, o projeto traz como proposta ser uma vitrine da produção cultural maranhense, reunindo o trabalho de micro e pequenos empreendedores, ao mesmo tempo em que oferece a oportunidade de capacitação dos mesmos nas mais diversas áreas de gestão.

Para tanto, já foram realizadas reuniões com lideranças ligadas à cultura e ao artesanato na Região Metropolitana de São Luís, encontros com parceiros institucionais, oficinas de gestão junto ao público-alvo, entrega de diagnóstico e contratualização do projeto junto aos participantes.

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias