Connect with us

Bastidores

Tiago Dimas intensifica agenda e apresenta propostas para a zona rural

Publicado

em

Já na segunda semana de agenda intensa de campanha eleitoral, o candidato a deputado federal Tiago Dimas, do Solidariedade, ampliou a agenda política, visitando várias cidades, líderes políticos, empresários, residências de moradores do Tocantins, assentamentos, projetos agrícolas, entre outros. Em cada conversa e reunião, Tiago Dimas apresenta suas propostas e ideias de como será p seu mandato caso consiga se eleger.

Para o campo, por exemplo, Tiago Dimas, que conhece os problemas de quem vive na zona rural, sobretudo em assentamentos e povoados rurais, principalmente depois de ter acompanhado o trabalho da Prefeitura de Araguaína na área, ele apresentou uma série de propostas e compromissos.

“Uma das principais lutas minhas como congressista será trabalhar para facilitar acesso a créditos especiais para aquisição de tratores e implementos agrícolas. Como deputado, podemos ajudar nisso, facilitando a interlocução com os bancos”, destacou.

Filho do prefeito de Araguaína Ronaldo Dimas, o candidato defende, também, a municipalização da manutenção das estradas com repasse dos recursos do Incra para as prefeitura, desburocratizando e agilizando o serviço e garante que vai lutar por recursos para garantir estradas e pontes de qualidade que suportem tráfego pesado.

“Uma das principais propostas é a questão da equipe técnica, contratada pelo gabinete, que estará à disposição para desenvolvimento de projetos voltados à melhoria e implantação de infraestrutura e/ou maquinário nos assentamentos”, ressaltou Tiago Dimas, ao salientar que esses projetos serão fundamentais para obtenção de recursos junto ao governo federal.

Além disso, Tiago Dimas destacou ser necessário que as escolas rurais estejam equipadas com ar condicionado. “A base de tudo passa pela educação. As crianças e os jovens do campo merecem ter o mesmo tratamento de quem mora nas grandes cidades. É fundamental que as escolas rurais tenham deem todas as condições para o aprendizado, e isso passa pela climatização adequada”, frisou o candidato.

A luta por transporte escolar digno e pontual; criação de programas de assistência à saúde nos assentamentos e pequenas propriedades; programa habitacional para quem vive em casas de palha na zona rural; ampliação da assistência técnica e acesso a pesquisas e ampliação do número de escolas técnicas rurais são outros compromissos de Tiago Dimas.

“O Tocantins precisa de deputados federais que lutem por resultados para a população e que respeitem a opinião dos eleitores nas grandes questões”, destacou Tiago Dimas.

No final de semana, o candidato teve agenda em assentamentos e comunidades rurais de Araguaína, com líderes políticos em Santa Fé do Araguaia e acompanhou o governador Mauro Carlesse (PHS) Augustinópolis. Nesta semana, ele tem atividades no sul do Estado, passando por Formoso do Araguaia, Peixe, Araguaçu entre outras cidades.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bastidores

Inflação para famílias de renda mais baixa sobe 0,95% em novembro

Publicado

em

O Índice de Preços ao Consumidor – Classe 1 (IPC-C1 – de novembro, calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), registrou alta de 0,95%. Com isso, ficou 0,24 ponto percentual (p.p.) acima do resultado de outubro, quando atingiu taxa de 0,71%. O indicador que mede a inflação para as famílias que ganham até 2,5 salários-mínimos por mês acumula elevação de 4,85% no ano e de 5,82% nos últimos 12 meses.

Em novembro o IPC-BR, que mede a inflação das famílias com renda mensal de 1 a 33 salários, variou 0,94%. A taxa do indicador nos últimos 12 meses ficou em 4,86%, nível abaixo do registrado pelo IPC-C1.

Despesas em alta

De outubro para novembro, seis das oito classes de despesa componentes do índice tiveram elevação nas taxas de variação. O setor de transportes passou de 0,29% para 0,90%, educação, leitura e recreação de 1,33% para 2,56%, saúde e cuidados pessoais de 0,05% para 0,23%, habitação de 0,28% para 0,39%, alimentação de 2,08% para 2,18% e despesas diversas com queda de 0,01% para alta de 0,11%.

Os destaques ficaram para gasolina, que subiu de 0,31% para 2,36%, passagem aérea de 15,63% para 27,16%), medicamentos com queda de 0,17% para alta de 0,34%, tarifa de eletricidade residencial, que tinha recuo de 0,19% e passou para elevação de 0,20%), hortaliças e legumes de 3,91% para 12,15% e cigarros, em queda menor de 0,59% para 0,30%.

Em queda

A favor das famílias dois grupos apresentaram recuo em suas taxas de variação: vestuário (0,24% para -0,04%) e comunicação (0,14% para 0,12%). Roupas tiveram redução de 0,20% para 0,02% e o item tarifa de telefone residencial diminuiu de 1,65% para 0,29%.

O IPC-C1 é calculado com base em preços coletados em sete capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife e Salvador. A próxima divulgação do indicador será no dia 7 de janeiro de 2021.

Continue lendo

Bastidores

Em live, Bolsonaro pede que população economize energia elétrica

Publicado

em

Live da semana Presidente Jair Bolsonaro, 03/12/2020

O presidente Jair Bolsonaro fez um apelo, nesta quinta-feira (3), para que a população economize energia elétrica. Em sua live semanal, transmitida pelas redes sociais, Bolsonaro alertou sobre o baixo nível de água nos reservatórios de usinas hidrelétricas, que respondem pela maior parte da geração elétrica do país.

“Já estamos numa campanha para economizar energia. Tenho certeza que você, que está em casa agora, pode apagar uma luz, evitar o desperdício. Tome um banho um pouquinho mais rápido, que ajuda a manter os reservatórios um pouco mais altos”, afirmou, ao lado dos ministros de Minas e Energia, Bento Albuquerque, e de Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Bento Albuquerque relatou que o país vive a maior seca dos últimos anos e o nível dos reservatórios das usinas estão em uma situação preocupante. “Os reservatórios estão muito baixos, presidente. Dentro dos registros que temos no Ministério de Minas e Energia, desde 2000, não se tem uma seca tão grande nos nossos reservatórios do Sul, e desde 2015, nos [reservatórios] do Centro-Oeste e Sudeste do país. E isso nos levou a adotar medidas, como colocar nossas usinas termelétricas gerando energia. 65% da nossa energia é gerada por hidrelétricas, e com os reservatórios de água estando baixos, temos que utilizar as usinas termelétricas para suprir essa energia, gerar segurança de abastecimento e preservar aquilo que temos de água nos reservatórios”, explicou.

Nesta semana, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) reativou o sistema de bandeiras tarifárias. A bandeira definida foi a vermelha patamar 2 para o mês de dezembro, a mais alta, com custo de R$ 6,243 para cada 100 quilowatts-hora consumidos. A medida é adotada sempre que há queda no nível dos reservatórios e o custo da geração de energia aumenta no país.

“Não é maldade da gente, não é pra arrecadar mais. É porque estamos usando energia de fonte mais cara, como termoelétrica, e daí fica bem mais caro pra pagar essa diferença. Por isso que se bota a bandeira a bandeira vermelha a R$ 6 [a cada 100 quilowatts de energia consumida]”, enfatizou Bolsonaro.

Nos próximos dias, de acordo com o ministro de Minas e Energia, o governo vai apresentar uma atualização do Plano Nacional de Energia, que prevê ações no setor até 2050. Um dos objetivos, disse ele, é ampliar a capacidade de geração de energia nuclear para 10 gigawatts. “Vamos triplicar a geração de energia nuclear, que é fundamental para a manutenção dos nossos reservatórios, porque elas geram 365 dias por ano, e os nossos reservatórios de água poderão ser mantidos na época de escassez de chuva”, destacou.

Eletrobras

O ministro ainda comentou, durante a live, sobre o andamento do projeto de lei de privatização da Eletrobras, que tramita no Congresso Nacional, e é considerado prioritário pelo governo federal.

“Encaminhamos, ano passado, um projeto de lei para a Câmara dos Deputados. Desde então, estamos trabalhando junto com a Câmara e com o Senado, com as lideranças políticas para que esse projeto seja apreciado. Acreditamos que será. Já conversamos com deputados e senadores. E tem tudo para ser aprovado no ano de 2021. Realizaremos não diria uma privatização, uma venda da Eletrobras. Ela vai ser capitalizada, vai virar uma grande empresa de energia com a participação de investidores, todos poderão participar desse empreendimento. Isso é muito importante para que o país tenha os investimentos necessários, com mais segurança energética e melhor prestação de serviço aos consumidores”, disse o ministro, que prevê aumentar os investimentos da empresa para R$ 12 bilhões ao ano, frente aos atuais R$ 4 bilhões.

O projeto de lei de privatização da Eletrobras, encaminhado ao Congresso Nacional pelo governo em novembro de 2019, enfrenta resistência por parte do Senado, em razão do papel estratégico da empresa em diversas regiões do país. A Eletrobras é responsável por 30% da geração de energia no país e por 50% da transmissão.

Amapá

Ainda durante a live, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que, se não fosse o apoio do governo federal, o Amapá levaria mais tempo para restabelecer a energia elétrica, após os apagões ocorridos em novembro, durante cerca de 20 dias. Mais de 765 mil pessoas ficaram sem luz ou com o serviço limitado a poucas horas por dia.

“Sem a participação do governo federal, e participamos porque somos solidários, faríamos isso em qualquer estado do Brasil, a previsão era levar 60 dias. Com a nossa participação, foram três semanas para o restabelecimento total da energia”. Desde o último dia 24 de novembro, após a ativação de um transformador em Macapá, o estado normalizou a distribuição de energia para a população. Por causa dos apagões, o governo federal isentou mais de 185 mil imóveis do pagamento da conta de luz de novembro.

Desmatamento

Sobre o índice de desmatamento na Amazônia em 2020, atualizado essa semana pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o ministro Ricardo Salles disse que os números estão estáveis em relação aos últimos anos e afirmou que é preciso gerar alternativa de renda e emprego para a região.

“O desmatamento desse ano está mais ou menos no patamar do ano de 2018, portanto, bem abaixo do que foi 2004 e 2005. Isso não quer dizer que estamos contentes com isso, mas tem que trazer prosperidade para a região”, afirmou. Para ele, a população da Amazônia foi esquecida em governos anteriores. “Nos anos de 2012 para trás, quando se fez essa política de combate ao desmatamento, não se preocupou em cuidar das pessoas, dos 23 milhões de brasileiros que vivem na Amazônia. E quando você não cuida das pessoas, a pressão das atividades ilegais, por ganhar recurso de alguma forma, aumenta muito”, destacou.

Segundo o Inpe, a área desmatada na Amazônia foi de 11.088 quilômetros quadrados entre agosto de 2019 e julho de 2020, de acordo com números oficiais divulgados na última segunda-feira (30). Os dados representam um aumento de 9,5% em relação ao período anterior, entre agosto de 2018 a julho de 2019, quando foram registrados 10.129 quilômetros de área desmatada. (Agência Brasil)

Continue lendo

Bastidores

Capacitações para gestores do Tocantins destacam benefícios de contratações locais

Publicado

em

Nesta quarta-feira, 01, palestrante Luís Mauricio Zanin, especialista em políticas públicas, esteve em Paraíso e Palmas para capacitar gestores públicos e novos vereadores em como comprar dos pequenos negócios e gerar e empregos. As palestras destacaram os avanços nas compras governamentais e trouxe casos de sucessos de contratações locais.

Para a gerente de relacionamento institucional do Sebrae Tocantins, Magvan Botelho, comprar de um pequeno negócio fortalece a economia local e desenvolve a comunidade. “Desenvolver formas para facilitar a contratação do pequeno empreendedor valoriza os empresários locais e fortalece a economia da cidade, além de oportunizar os pequenos negócios concorrerem os editais entre si, de forma leal”, disse.

“É preciso que o comprador conheça os benefícios e especificidades da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa, saiba das obrigações e como preparar os editais que incentivam a participação dos pequenos negócios nas compras governamentais”, afirmou a Zanin destacando que a participação dos pequenos negócios nas compras públicas traz benefício para toda a região.

Continue lendo
publicidade Bronze