- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
terça-feira, 24 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

Tocantinenses e maranhenses debatem impacto causado por usina

Mais Lidas

O presidente da Assembléia Legislativa, deputado Raimundo Moreira (PSDB), juntamente com os parlamentares Marcello Lelis (PV) e Josi Nunes (PMDB), receberam na semana passada dois representantes do Legislativo do Maranhão que vieram tratar sobre os impactos causados pela Usina de Estreito.

Os deputados Alexandre Almeida (PT do B) e Léo Cunha (PSC) defenderam a realização, entre as autoridades do Maranhão e do Tocantins, um amplo debate político, sobre os impactos causados pela realização da obra e pelo enchimento do reservatório da hidrelétrica.

De acordo com Alexandre Almeida, relator da Comissão de Meio Ambiente da Assembléia Legislativa do Maranhão, o objetivo de vir ao Tocantins é em função de grande parte dos municípios afetados pela usina pertencer ao Estado. Almeida disse que os impactos são mais graves do que se imagina, daí, segundo ele, a urgência de se fazer a integração para tentar equacionar os problemas.

Os deputados maranhenses anunciaram que será realizada uma primeira audiência pública na cidade de Estreito no dia 26 de maio e que o encontro aqui realizado irá fomentar os debates no evento.

Marcello Lelis e Josi Nunes são respectivamente membros da Comissão de Saúde, Meio Ambiente e Turismo da Assembléia Tocantinense.

A Hidrelétrica de Estreito foi construída pelo Governo Federal no Rio Tocantins na região norte do Estado e Sul do Maranhão, sendo que seu reservatório começou a encher no mês de dezembro de 2010, e sua 1ª turbina já entrou em operação, com capacidade de 135 megawatts. A última máquina geradora de energia deve entrar em operação em junho de 2012. (Elpídio Lopes)

- Publicidade -spot_img
Assinar
Notificar-me
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias