- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
quinta-feira, 19 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

TOCANTINS: Candidato de Exame da OAB é preso em flagrante

Mais Lidas

Depois de uma tentativa de suborno, o candidato ao exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) José Reginaldo Ruivo da Silva, 46 anos, foi preso pela Polícia Federal em flagrante na última terça-feira pela Polícia Federal (PF). José Reginaldo tentou subornar o presidente da comissão de exame da OAB, o advogado Antônio Yanowich Filho, em troca da sua aprovação no certame 2010/3.

Segundo o presidente da comissão, o candidato disse ser de São Paulo e fez o seu primeiro contato em janeiro deste ano. Depois de receber a proposta do advogado, Yanowich procurou a Polícia Federal para relatar a tentativa de suborno, quando foi orientado a continuar o contato com o infrator para montar um flagrante.

No dia 8 de fevereiro José Reginaldo e Yanowich, acompanhados por agentes da PF, tiveram o primeiro encontro onde o candidato voltou a reforçar suas intenções. De acordo com o presidente da comissão, ele insistiu que queria de qualquer forma sua aprovação na prova. “Ele disse que não interessava como, mas que eu o ajudasse ou o incluísse na lista dos aprovados”, comentou. Na ocasião, foi sugerido pelo candidato a possibilidade dele ter acesso à prova ou ao gabarito com antecedência.

Questionado sobre o acesso a esse material, Yanowich disse que só quem tem acesso é a Fundação Carlos Chagas (FCC), responsável pela aplicação da prova e não teria nenhuma possibilidade disso acontecer.

O segundo encontro entre os interessados aconteceu na última terça-feira, 15 de fevereiro, quando mais uma vez José Reginaldo reforçou a tentativa de suborno. Na ocasião, conforme Yanowich, o candidato já estava inclusive com os R$ 5 mil que seria para o pagamento da primeira parcela, de um total de R$ 10 mil. A segunda parcela seria paga depois da aprovação do candidato no exame.

Prisão

Depois de confirmada a tentativa de suborno, os agentes da PF, que também acompanhavam a negociação, deram voz de prisão ao candidato, que foi conduzido à Superintendência da PF para lavratura do auto de prisão em flagrante.

Conforme informações da PF, a prisão do candidato, baseado na sua conduta, está prevista no artigo 333 do Código Penal. A pena pode variar de 2 a 12 anos de reclusão. José Reginaldo Ruivo da Silva continua na Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPP).

Lição

Para o presidente da comissão, esse caso serve de modelo para acabar com a ideia de que no Tocantins tudo se consegue com mais facilidade. Yanowich reforçou que a OAB cumpriu o seu papel e agiu com ética. “As pessoas não têm que vir de fora achando que aqui vão conseguir as coisas com mais facilidade. A OAB do Tocantins não admite esse tipo de situação. Aqui existe legislação, não é uma terra sem leis”, enfatizou.

Flagrante

Antes do encontro que possibilitou o flagrante, Antônio Yanowich foi à sede da PF onde se equipou com filmadora e gravador para que pudesse documentar a tentativa de suborno. (Jornal do Tocantins)

- Publicidade -spot_img

1 Comentário

Assinar
Notificar-me
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
VASCO VASCONCELOS - ANALISTA E ESCRITOR -BRASÍLIA-DF

EGITO x OAB

Ufa! A voz do povo é a voz de Deus nenhuma tirania é eterna. A do Hosni durou 30 anos até que o povo do Egito estomagado com tantos desregramentos e abusos, resolveu expurgar o tirano do poder. Que sirva de exemplo para OAB parar de usurpar atribuições do Estado (MEC), ao impor goela abaixo o seu pernicioso, abusivo, nefasto, cruel, caça-níqueis e inconstitucional Exame de Ordem. Uma afronta à CF art. 5º-XIII, 205 CF e art. 43 da LDB. Abocanha cerca de R$ 66 milhões tosquiando com altas taxas, milhares de Bacharéis em Direito, (Advogados) de acordo dicionário Aurélio, gerando fome desemprego e doenças psicossociais, sem prestar contas ao TCU. Os abusos que destroem as boas instituições, têm o privilégio fatal de fazer subsistir as más.” (Pierre-Édouard Lémontey. Que os Ministros do Egrégio STF mirem-se na celeridade, no exemplo humanitário e moralizador do Tribunal Constitucional de Portugal, que acaba de declarar inconstitucional o Exame de Ordem. O STF tem que dar um basta nesse leviatã, extirpando urgentemente esse câncer (Exame da OAB) do nosso ordenamento jurídico, em respeito à Constituição ao Estado de Direito e aos Direito Humanos.

VASCO VASCONCELOS

Analista e Escritor

Brasília-DF.

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias