Connect with us

Tocantins

TOCANTINS: Em julgamento, acusado diz que comprou soltura

Publicado

em

Absolvido ontem da acusação de assassinar o policial civil Jailson Dias Pereira em 2004, o empresário Francisco Botelho Pinheiro, 53 anos, disse, ontem, que pagou R$ 60 mil ao desembargador José Liberato Costa Póvoa, 66 anos, para obter um alvará de soltura. A confissão foi durante o seu depoimento julgamento que o absolveu, no Tribunal do Júri, no Fórum, em Palmas que estava completamente lotado.

Pinheiro afirmou que, após ser preso, trocou de advogado várias vezes antes de comprar a decisão. O réu ressaltou que isso criou muitas dificuldades a ele, inclusive o obrigando a vender a empresa que possuía. Ontem, Pinheiro, que disse estar sem condições financeiras para contratar um advogado, foi defendido pelos defensores públicos Júlio César Cavalcante e Danilo Michelini.

No sistema do Tribunal de Justiça (TJ), é possível verificar dez processos, a maioria com advogados diferentes, envolvendo o réu. Do total de ações, sete tiveram como relator o desembargador  Póvoa e, destas, cinco são habeas corpus.

Em um dos habeas corpus, o de número 3.713, Póvoa expede um alvará de soltura no dia 26 de abril de 2004. O desembargador, junto com os colegas Willamara Leila de Almeida, 55 anos, e Carlos Luiz de Souza, 64 anos, foram afastados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) no dia 17 de dezembro de 2010 por suspeita de corrupção. Os três são acusados de comercializar decisões e manipular autorização de pagamentos de precatórios do governo do Estado.

O afastamento dos magistrados ocorreu em decorrência da operação Maet, desencadeada pela Polícia Federal. Além do depoimento do réu, os defensores públicos Cavalcante e Michelini usaram parte da operação como peça de defesa do acusado. O voto do ministro relator do inquérito contra os desembargadores no STJ, João Otávio de Noronha, foi projetado e todos os presentes puderem verificar parte das acusações contra os magistrados.

Willamra

As acusações do réu não foram só contra Póvoa. A desembargadora Willamara também foi citada. Segundo a defesa, por causa de um problema pessoal envolvendo Pinheiro e Willamara, que disputavam um terreno, a desembargadora teria manipulado o andamento do processo contra réu a fim de prejudicá-lo. Esse, inclusive, seria um dos motivos de Pinheiro estar sendo novamente julgado ontem, pois ele já fora absolvido pelo Tribunal do Júri anteriormente.

Defensoria

Ontem à noite, após o julgamento, o defensor Cavalcante, mas ele não quis comentar a estratégia usada para liberar o réu.

Morte

No final, Pinheiro foi absolvido por cinco votos a um. A morte do policial, segundo a Defensoria Pública, ocorreu em legítima defesa, argumento que foi aceito pela maioria dos jurados. Os dois  teriam brigado em um bar na 1.004 Sul e o policial disparado contra Pinheiro, mas errou o alvo. Também armado, Pinheiro revidou e acabou matando o policial. No Tribunal do Júri, familiares e amigos do acusado e da vítima estavam com fotos deles nas camisetas.

Operação

Além dos desembargadores, a operação Maet também envolve, segundo o STJ e Polícia Federal, uma série de advogados acusados de serem lobistas na relação com os magistrados. Esses advogados fariam a negociação diretamente com os desembargadores afastados. (Jornal do Tocantins)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Tocantins

Suspeito de torturar e matar namorada em motel do Tocantins é preso

Publicado

em

A Polícia Civil confirmou nesta terça-feira (21) que o suspeito de torturar e matar Marcela da Silva Soares em um motel de Palmas é um ex-namorado da vítima. O homem, de 21 anos, não teve o nome divulgado. A Secretaria de Segurança Pública informou que ele já responde por outro homicídio, mas não deu detalhes do crime.

A crueldade do assassinado de Marcela chocou moradores em Palmas. O corpo da jovem tinha marcas de queimaduras, indicando a tortura. A análise preliminar indicava que ela poderia ter morrido esganada, mas isso ainda será confirmado por laudos do Instituto Médico Legal (IML).

O delegado do caso, Guido Camilo, que chefia a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) de Palmas, disse que o suspeito confessou. Ele estava com o celular da vítima e escondido na casa de parentes em Porto Nacional, a 60 km da capital, quando foi detido. A SSP disse que ele não esboçou nenhuma reação ao ser abordado.


O homem deve responder por feminicídio. Inicialmente ele foi levado para a Central de Flagrantes de Porto Nacional. Depois disso, foi transferido para um presídio não divulgado.

O assassinato

O crime foi descoberto durante a madrugada de segunda-feira (20). Testemunhas relataram à polícia ter ouvido uma discussão vinda de um apartamento do motel, de número 103, onde a vítima estava hospedada.

Os funcionários do motel acabaram encontrado a vítima ao ir vistoriar o local porque a pessoa que acompanhava a mulher saiu sem pagar. O corpo foi encontrado com marcas, que podem ser de queimaduras, na região da barriga e das pernas. (G1)

Continue lendo

Tocantins

13ª edição da Festa da Colheita do Capim Dourado mantém tradição local

Publicado

em

Trazendo um novo olhar sobre a forma de apresentar a comunidade Mumbuca para turistas e visitantes, encerrou no domingo, 19, a Festa da Colheita do Capim Dourado, a festividade mais marcante do povoado. Mais de duas mil pessoas participaram das atrações durante os três dias de evento, que contou com maratonas, desfiles, futebol, cavalgada, peças teatrais e premiações. A 13ª edição teve o apoio do Sebrae Tocantins e da Energisa.

O evento também teve um papel social fundamental, em que a Energisa Tocantins levou o projeto “Energia para Crescer”, em parceria com o Sebrae. Segundo o gerente da Assessoria de Gestão de Projetos da Energisa, Leandro Fernandes, foi possível resgatar a cultura do Capim Dourado, além de fazer o recadastramento de famílias de baixa renda.


“O Energia para Crescer é um projeto que tem o objetivo de desenvolver três comunidades quilombolas da região do Jalapão: Mumbuca, Prata e Rio Novo. Nesse final de semana, tivemos a oportunidade de estar na Festa da Colheita, onde resgatamos um pouco da cultura do povoado Mumbuca, junto aos moradores. A Energisa entende que o seu papel vai além de distribuir energia; é por isso que estão sendo desenvolvidas ações sociais em todo o Estado”, destacou.

De acordo com a analista do Sebrae, Admary Barbosa, a Festa envolveu todos, seja na organização, nas atividades realizadas ou na programação de um modo geral. “Foi um evento excelente. Nós do Sebrae, em parceria com a Energisa, contribuímos com estrutura, iluminação, material de comunicação, a fim de ter um ambiente que pudesse receber os visitantes, e que eles pudessem participar das atrações e conhecer a comunidade, trazendo esse novo olhar sobre a vida e trabalho do povoado”, pontuou.

Railane Ribeiro, diretora executiva e presidente da Associação dos Artesãos do Povoado Mumbuca, afirmou que o evento superou as expectativas. “Terminamos a nossa Festa e foi surpreendentemente bom. Contribuiu para integrar ainda mais a comunidade e nos unir para continuarmos levando nossa cultura por todo o País”, celebrou.

Povoado Mumbuca
O povoado está localizado próximo à rodovia TO-110, no trecho entre as cidades de Mateiros e São Félix do Tocantins. A comunidade é formada, em sua maioria, por descendentes indígenas e negros, vindos da Bahia em 1909, em busca de melhores condições de vida. Já a Festa da Colheita do Capim Dourado já faz parte da tradição e é promovida pela Associação dos Artesãos do Povoado Mumbuca. O período é uma oportunidade para conhecer cultura, tradições e saber como se dá o processo artesanal do capim dourado. (Assessoria de Imprensa do Sebrae Tocantins)

Continue lendo

Tocantins

ARAGUAÍNA: Estudantes da Rede Municipal vão participar dos Jogos da Integração

Publicado

em

A Prefeitura de Araguaína informa que será realizado os Jogos da Integração dos alunos da Rede Municipal de Ensino. A primeira fase da competição está prevista para os próximos dias 28, 29 e 30 de setembro. Nove modalidades serão disputadas entre 300 estudantes de 47 escolas, do 1º ao 9º ano.

“O objetivo dos jogos é o desenvolvimento do espírito coletivo e desportivo. Seguindo todos os protocolos de saúde, as modalidades esportivas serão realizadas sem contato físico e vão promover a interação e estimular o trabalho de equipe, de todos os estudantes, inclusive dos alunos com deficiência, ” afirmou a secretária municipal de educação, Elizangela Moura.

O evento inicia no dia 28, às 8 horas, com a cerimônia de abertura, no Ginásio da Escola Municipal Casemiro Ferreira Soares, localizada no Setor Urbano. Além dos estudantes, conta com a presença dos diretores, professores e autoridades. Para a prática das atividades de forma segura, além da ausência de contato físico, não terá a presença do público na arquibancada.

Modalidades
Os estudantes vão competir em atividades que envolvem desde a prática de esportes a jogos desportivos que estimulam o raciocínio lógico. As modalidades dessa edição são: atletismo de 50 m e 100 m, arremesso de peso, salto em distância, badminton, tênis de mesa, boliche adaptado, chute ao golzinho e batida de pênalti, cubo mágico e dama. O último Jogos da Integração foi realizado em 2018 com o objetivo de desenvolver o intercâmbio esportivo e recreativo entre os estudantes.

Como funciona
As escolas inscreveram os alunos interessados em participar dos Jogos da Integração. Para chegar na disputa, eles tiveram um período de preparação e passaram pelos jogos de interclasse no dia 18 de junho. O evento foi dividido em duas fases, começando neste mês e encerrando em novembro. Em breve, a programação será divulgada pelo Município.

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze