Connect with us

Tocantins

TOCANTINS: Entrevista com o Governador Carlos Gaguim

Publicado

em

Ao projetar as eleições deste ano, o governador Carlos Gaguim (PMDB) prevê que o seu grupo político terá 15 partidos e ganhará o pleito quase com hegemonia total, elegendo 22 deputados estaduais, dois senadores, sete deputados federais, além do comando do Palácio Araguaia. Ele negou que a sua administração esteja pautada por ações eleitoreiras e chegou a dizer que os oposicionistas estão desesperados. No campo administrativo, Gaguim acredita ser possível obter a liberação dos empréstimos internacionais de mais de R$ 450 milhões bem antes de junho. Além disso, o governador ressaltou que o cronograma de ações do Estado para este ano prevê 500 obras.

Governador, qual é a avaliação que o senhor faz desse seu período de governo em 2009 e quais sãos as perspectivas para 2010?

Nós avaliarmos o nosso próprio governo é difícil, mas posso dizer que estamos fazendo o máximo para conseguirmos administrar o Estado com muita transparência, conseguimos fechar o ano pagando muitas pendências, muitas dívidas, conseguimos, junto com o nosso secretariado, organizar as secretarias e arrumamos as pendências jurídicas. Em Brasília, através da Bancada Federal e do nosso trabalho lá, fomos o Estado que mais conseguiu empenhar recursos, mais do que todos. Visitamos todos os ministros desse País. Teve ministro, como a ministra Dilma (Dilma Rousseff, da Casa Civil), que falei com ela cinco vezes. Nossa viagem representando o Tocantins e a Região Norte, em Copenhague, nossa viagem para Índia, para os Estados Unidos, para os Emirados Árabes… Bem, no meu modo de pensar, estou fazendo a minha parte, estou contribuindo para o Estado, o que é minha obrigação como governante e fechamos o ano votando todas as matérias de governo, fechamos o ano fazendo um planejamento. No próximo ano vamos estar lançando quase 500 obras, nós conseguimos manter a folha de pagamento, conseguimos dar o aumento, pagar esse aumento e se Deus quiser, no próximo ano, estaremos conseguindo pagar todos os compromissos e fazendo a diferença em relação aos os outros estados. O Tocantins, com o apoio que tenho tido do presidente Lula, da Assembleia Legislativa, prefeito, vereadores, bancada federal e os nossos secretários que estão trabalhando 24 horas… A nossa equipe de governo não descansou e não teve folga de um dia sequer. Nós trabalhamos, se for somar o trabalho feito nesses quatros meses (três meses e mais o mês do período de interinidade), em horas trabalhadas vai chegar a quase um ano de trabalho. Essa é diferença que nós implantamos com esse ritmo acelerado. A aceleração é montar todos os projetos, nós aceleramos no planejamento, na estratégia de desenvolvimento, e aceleramos no enxugamento do gasto público. A partir de 2010 vamos estar efetivamente lançando as obras de interesse do povo do Tocantins. Como presidente da Assembleia, experiência que tive, percorrendo todo o Estado, fazendo a Assembleia Participativa, ouvindo todo o segmento da sociedade, me deu essa qualificação e esse conhecimento de estar sabendo o que cada região precisa. Eu sei o que cada região precisa. Nesse sentido, digo que não pude fazer tido aquilo que queria porque fiquei esses três, quatro meses planejando, traçando um norte, uma linha de administração, tentando buscar empréstimos internacionais, empréstimos dentro do País e fazendo as parcerias corretas para dar incentivo ao nosso povo.

Governador, como irá fechar o balanço financeiro de 2009?

Só para você ter uma ideia, nós conseguimos R$ 173 milhões, estamos conseguindo mais R$ 60 milhões e tem mais R$ 458 milhões que está praticamente empenhado para poder aplicar no Estado. Todos esses são financiamentos.

Mas governador, os R$ 458 milhões não serão liberados só em junho?

A gente quer liberar antes. Temos de terminar as obras que estão iniciadas, acertar as pendências jurídicas e acertar as pendências de orçamento. Acertando isso esse dinheiro entra.

E as contas, estão fechando bem?

Nós vamos chegar com uma economia de mais de R$ 100 milhões, que o usei para pagar o pequeno e micro-empresário. Deu mais de 3 mil fornecedores que estão recebendo. Lógico que vai ficar dívida para o Estado. Mas nesses quatro meses, da gestão Gaguim, não ficou nenhuma dívida.

A oposição acusa o senhor de ter projetos que visam a eleição de 2010. Como o senhor avalia essa acusação?

Eu não vejo nenhum projeto eleitoreiro. Tudo que a gente faz tem projeto. Os Pioneiros Mirins nós fizemos uma fundação, a Tocantingás será uma empresa de gás no Estado, para cortar o Tocantins todo, ter o gasoduto, para o taxi andar mais barato, investimento de milhões. O Nota na Mão é para tirar os fiscais da porta do cidadão, para arrecadar mais. Então eu não vejo isso. Eles estão é desesperados. As nossas ações são baseadas em projetos, pois nós não trabalhamos em cima do eu acho, de campanha eleitoreira. A minha meta é governar esse estado. Não falo em eleição, falo é em trabalho.

E o aumento no orçamento do Dertins, que em 2010 tem previsão de mais de R$ 500 milhões, tem relação com a eleição?

Não tem aumento. Orçamento é uma perspectiva de ter esse dinheiro. Eu fiz aquilo ali porque temos hoje 15 cidades sem ligação com asfalto no Tocantins. Quando eu assumi o governo foram lançadas mais de dez obras importantes. Como eu não vou fazer uma obra ligando Xambioá à Fábrica de Cimento, Palmas a Lizarda e Miracema a Lajeado?. São as contrapartidas, já que eu paguei os projetos e esse dinheiro é para pagar as contrapartidas. Eu tenho que fazer dois hospitais – um em Gurupi e outro em Araguaína – e a contrapartida é quase R$ 70 milhões. Temos que fazer as estradas que lançamos de Palmas a Barrolândia, de Novo Acordo a São Félix, que só essa vai custar mais de R$ 200 milhões. Inclusive é uma região com menor densidade eleitoral, pois Mateiros de 2 mil eleitores. Mas se eles estão achando que fazer obra para o Estado é ação eleitoreira eles estão vivendo em outro País, não no Brasil.

O senhor disse que a oposição está desesperada. A provável união do PSDB com o DEM para 2010 é uma demonstração disso? Como o senhor avalia essa reconciliação?

Ótimo. Ótimo para os dois. O povo sabe o que o Siqueira (ex-governador Siqueira Campos, do PSDB) falou da Kátia (senadora Kátia Abreu, do DEM) e o que a Kátia falou do Siqueira. Então ótimo, não tenho nada a declarar.

O senhor está ironizando a aliança?

Não, eu acho ótimo, para o governo essa dobradinha é boa. Quero que eles sejam felizes. Se você acompanhou as eleições passadas e pega o que um falava do outro, aí você terá a percepção.

O presidente estadual do PT, Donizeti Nogueira, afirmou que falta centralidade no seu governo, com a gestão ainda muito na euforia. Ele disse esperar que a administração comece a deslanchar no começo de 2010. Como o senhor avalia essas declarações?

Concordo plenamente com ele. Nós estamos planejando. Sobre a euforia da vitória, a melhor coisa do mundo é viver da euforia da vitória na Assembleia. A Assembleia votou e aprovou todos os nossos projetos, de cunho social e empresarial de grande importância. É uma euforia que dá resultado. O duro é se eu estivesse aqui chorando. Eu não sou candidato ao governo, nunca falei que sou candidato, o candidato que tenho pedido voto é o senador João Ribeiro (PR) e o nosso nome já aparece. Então, as palavras do presidente do PT, como de todos os líderes que a gente respeita, eu recebo com muita naturalidade, mas você ter certeza que as ações do governo serão percebidas quando estivermos lançando o nosso projeto de um ano.

Governador, o senhor garante que não será candidato?

Eu não tenho que dar essa garantia. Eu tenho que dar a garantia que vou trabalhar mais do que outro cidadão nesse País e nesse estado. A garantia é essa. Agora garanto que o governo vai ter o seu candidato e o seu candidato vai ganhar a eleição, eu tenho certeza. Não sei quem será esse candidato, mas que vai ganhar a eleição, não tenho dúvida.

O senhor ainda aposta no senador João Ribeiro?

O nome do senador João Ribeiro é um companheiro que pode disputar o governo do Estado, assim como do prefeito Raul (prefeito de Palmas, Raul Filho do PT) e do candidato do PMDB que for apresentado. O nome que nós apresentarmos, junto com o presidente Lula, pode ganhar o governo do Estado. Nós temos aqui pesquisa qualitativa e quantitativa, temos a radiografia do Estado, sabemos o que o cidadão precisa. E as pesquisas indicam que o governo, falando a verdade para o eleitor, falando a verdade para o empresariado, falando a verdade para a criança e para o idoso não tenho dúvida de que seremos vitoriosos. Eles não vão conseguir fazer nem chapa.

Como o senhor vê o posicionamento do presidente do seu partido, deputado federal Osvaldo Reis, de defender o seu nome como candidato a governador?

Essa é a posição do deputado. Eu respeito. Mas agora eu te passo em primeira mão, vai ter uma reunião dia 13, com representantes dos 15 partidos que participam da base do governo. Serão convidados o PT, PR, PTB, PV, PMDB, PPS, PDT, PSB, PSL, PRTB, PTdoB, PCdoB e PSC. No total serão 15 partidos (ele citou só treze legendas). Pode ter certeza de que todos esses partidos estarão unidos na eleição.

Então o senhor não acredita na projeção de três candidatos, feitas pelo presidente do PT?

Não. Vai ter o candidato do Serra e o candidato do Lula e, por sorte nossa, o nosso presidente Lula tem 94% de aprovação no Estado. Falo para você que esse grupo consegue fazer três chapas para deputado estadual. Consegue fazer três chapas para deputado federal. O outro grupo não consegue fazer uma chapa para deputado federal. Com o nosso grupo, vamos os dois senadores, sete deputados federais, o governador e 22 deputados estaduais.

Governador, qual a mensagem o senhor deixa para os tocantinenses nesse início de ano?

O tocantinense pode ter certeza que vamos trabalhar como jamais ninguém trabalhou nesse estado, não desmerecendo os outros governantes, porque o próximo governador terá de trabalhar muito mais do que eu, mas eu vou trabalhar muito. Estamos preparados. Para os investimentos, já alocamos dinheiro. Estamos fazendo projetos para fazer convênios com os prefeitos e com o empresariado. Mas, em momento algum, vamos utilizar a máquina do governo para captar votos. É lógico que o governo vai fazer as obras. Quero dizer ao povo, também, que não fui votado para ser governador, mas Deus e a Assembleia me deram essa oportunidade. A minha responsabilidade aumento dez vezes mais e é por isso que vou trabalhar dez vezes mais para mostrar para a sociedade. (Daniel Machado – JT)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
2 Comments

Tocantins

Tocantins acumula mais de 80 mil contaminados pela Covid-19

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que nesta quinta-feira, 26 de novembro, foram contabilizados 241 novos casos confirmados para Covid-19.

Deste total, 69 foram registrados nas últimas 24 horas e o restante por exames coletados em dias anteriores e que tiveram seus resultados liberados na data de ontem.

Desta forma, hoje o Tocantins registra um total de 254.508 pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 80.450 casos confirmados da doença. Destes, 72.849 pacientes estão recuperados e 6.446 estão ainda ativos (em isolamento domiciliar ou hospitalar), além de 1.155 óbitos.

Clique AQUI e veja o boletim completo.

Continue lendo

Tocantins

ARAGUAÍNA: Cristo tem iluminação especial no Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher

Publicado

em

Quem passou pelas proximidades do setor Pedra Alta, nessa quarta-feira, 25, viu a imagem do Cristo Redentor de Araguaína alaranjado. A iluminação diferenciada foi uma referência ao Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher. A data é escolhida pelas Nações Unidas (ONU), em 1999, em homenagem às irmãs Mirabal (Pátria, Minerva e Maria Teresa), assassinadas pela ditadura de Leônidas Trujillo na República Dominicana, na década de 1960.
 
Conhecidas como “Las Mariposas” (as borboletas), essas mulheres eram ativistas contra o regime de Trujillo. Eram nascidas em uma família rica da província dominicana de Salcedo (hoje chamada de Hermanas Mirabal), com cursos universitários, casadas, com filhos e tinham cerca de uma década de protestos.
 
Reforma

A estátua do Cristo e as imediações estão sendo revitalizadas. A iluminação já está pronta e é realizada por cinco projetores em LED, que podem receber vidraria colorida para refletir na imagem. O sistema que liga a iluminação é automatizado para garantir economia de energia durante os horários de sol.
 
A partir de dezembro, o monumento passará para cor vermelha em alusão ao Natal e também mês da doação de sangue.
 
Combate contra a violência

A Secretaria da Assistência Social tem atendimento especializado no Centro de Referência de Assistência Social (CREAS) para mulheres que sofrem violência doméstica e ainda estimula a independência financeira com cursos profissionalizantes gratuitos. Para ter acesso o atendimento o telefone é 99973-9729.
 
“Nós percebemos que grande parte das mulheres que sofrem violência tem medo de sair de casa não só por medo do companheiro, mas também pela dependência financeira. Então, fornecemos a ajuda psicológica e educativa para transformação dessa mulher”, afirmou Lucas Andrade, diretor de Proteção Social Especial.

Continue lendo

Tocantins

Comerciantes no interior do Tocantins são acusados de reter cartões bancários de indígenas e idosos

Publicado

em

A Polícia Civil do Tocantins, por meio da 69ª Delegacia de Polícia de Tocantínia, deflagrou na manhã desta quinta-feira, 26, em Tocantínia, a 60 km de Palmas, a operação Borduna contra comerciantes que estariam, em tese, retendo cartões bancários dos povos indígenas Xerente, idosos e demais pessoas.  Coordenada pelo delegado-chefe da 69ª DP, Hismael Athos, a operação teve o objetivo de cumprir seis mandados de busca e apreensão, resultando na apreensão de diversos cartões e senhas anotadas em papéis.

De acordo com a autoridade policial, as investigações iniciaram após o Ministério Público Federal (MPF) enviar notícia crime para Polícia Civil de que cartões bancários referentes a auxílios do Governo Federal eram retidos por comerciantes daquela cidade para garantir o pagamento de produtos alimentícios adquiridos pelas vítimas em estabelecimentos comerciais específicos.

O delegado, Hismael Athos, informou ainda, que os cartões permaneciam de posse dos comerciantes e, à medida que os benefícios eram depositados, os respectivos valores eram debitados das contas. Segundo a autoridade policial, há indícios de que os comerciantes sabiam inclusive as senhas bancárias dos indígenas e realizavam esses saques mensalmente.

O delegado ressaltou que é crime reter cartão de idoso. Informou ainda, que inicialmente, a Operação servirá de alerta para que os povos indígenas tomem posse dos seus documentos e cartões pessoais. “Orientamos que os beneficiários dos recursos busquem pessoas de sua confiança para realizar os saques bancários e jamais entregue seus cartões bancários a terceiros”, afirma a autoridade policial.

Operação Borduna

A operação foi batizada de Borduna em homenagem espécie de armamento indígena com o referido nome, fabricado em madeira maciça e utilizado em caçadas ou mesmo para em situações de ataque e defesa dos povos indígenas. (Patricia de Paiva)

Continue lendo
publicidade Bronze