Connect with us

Tocantins

TOCANTINS: Sem propostas, candidatos desperdiçam debate com ataques

Publicado

em

Ataques, acusações mútuas, até ofensas no campo pessoal e poucas exposições de propostas. Esse foi o saldo do debate entre os dois candidatos ao governo estadual que a TV Anhanguera levou ao ar na noite desta terça-feira, 28, na última oportunidade que os postulantes tiveram de se colocar diante do eleitor com suas propostas para governar o Tocantins. A Rede Globo e suas afiliadas realizaram debates, simultaneamente, nos 26 estados e no Distrito Federal.

Conforme sorteio realizado pelo mediador do debate, jornalista da Rede Globo Sandro Dalpícolo, coube ao candidato da coligação Tocantins Levado a Sério, o ex-governador Siqueira Campos (PSDB), abrir a primeira rodada de perguntas, sobre o tema, também sorteado, governabilidade. Siqueira Campos foi direto ao assunto que predominou em sua participação ao longo do debate e, inclusive, já havia sido destaque na sabatina realizada pelo Jornal do Tocantins, no início de setembro: corrupção. O tucano questionou seu adversário, o candidato à reeleição Carlos Gaguim (PMDB), pela coligação Força do Povo, sobre como pretende administrar o dinheiro público.

Gaguim defendeu parceria com a sociedade, os partidos políticos, os quilombolas, a Assembleia Legislativa, enfim, “olhando para o bem do povo”. Para, em seguida, fazer referência às administrações de seu opositor, qualificando-as de atrasadas e de período de “caça às bruxas”. Siqueira, na réplica, defendeu que governabilidade é, sobretudo, transparência e honestidade. Estava aberta a sessão de trocas de acusações.

De um lado, Siqueira Campos defendendo suas realizações quando governou o Tocantins, por três vezes, e acusando o atual governador de enganar a opinião pública. De outro, Carlos Gaguim desfilando uma série de feitos de sua recente administração, contrapondo ao que chamou de falta de planejamento do ex-governador nos diversos setores públicos. “Ele nunca teve governabilidade. Sempre teve ditadura. No Tribunal de Contas, na Assembleia Legislativa”, disse Gaguim. “No passado ou no presente, temos de ter transparência, boa aplicação dos recursos”, ponderou Siqueira.

Oportunidade

A primeira oportunidade de discorrer sobre propostas de governo foi logo desperdiçada, quando o tema sorteado foi segurança pública. Com direito a fazer a pergunta, o peemedebista suscitou, ainda que indiretamente, o episódio da greve da Polícia Militar, durante o terceiro mandato do tucano, quando o Exército assumiu o comando no Estado a pedido do então governador. Siqueira Campos disse não ter nada a lamentar e fez menção à censura imposta pelo desembargador Liberato Póvoa, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), à imprensa do Tocantins, em liminar, atendendo pedido da coligação Força do Povo, na tentativa de impedir a veiculação de notícias sobre investigações do Ministério Público Estadual de São Paulo sobre um esquema de fraudes em licitações, com citações do nome do governador Gaguim em escutas telefônicas constantes no relatório oficial.

Gaguim respondeu com mais provocações, referindo-se a reportagens veiculadas na época dos mandatos de Siqueira, com acusações contra o então governador, e acusou o tucano de impor mordaça à imprensa. Disse ainda que foi contra a liminar e que defende a liberdade de imprensa. “Sou pela liberdade, a ditadura é do outro lado.” Na tréplica a que teve direito, Siqueira Campos acusou os últimos oito anos de governo, sob o comando de Marcelo Miranda (PMDB), candidato a senador pela coligação de Gaguim, de prática de atos ditatoriais. “No meu governo haverá transparência”, garantiu, desafiando seu opositor a apresentar documentos que comprovem “se foi colocada mordaça na imprensa e no Tribunal de Contas”.

No bloco seguinte, Carlos Gaguim voltou a questionar reportagens de dez anos atrás, que acusariam Siqueira Campos de desvio de recursos e superfaturamentos. O tucano ensaiou uma exposição de propostas, tentando ignorar os ataques, mas cedeu ao clima já instalado de troca de acusações e devolveu com ataques à atual gestão nas áreas de saúde e segurança pública. O governador, por sua vez, atribuiu ao seu adversário falta de planejamento e, mais uma vez, tentou elencar acusações que constariam em documentos que alegou estar proibido de mostrar diante das câmeras. Dalpícolo lembrou aos candidatos que havia um acordo de cavalheiros de que não seriam exibidos papéis em respeito ao telespectador, mas que não estava proibida a citação de reportagens e documentos.

Tensão

Siqueira Campos insistiu em questionamentos sobre corrupção, sempre enfatizando que deixou o Estado “pronto” para o desenvolvimento. “Vamos combater a corrupção sim. Estamos trabalhando para organizar o que você não fez em 20 anos”, disparou Gaguim. “Esse estado tem a infraestrutura construída no meu governo. Se alguém chega aqui agora e é o dono da verdade e das coisas, vive no mundo da lua”, rebateu Siqueira. O peemedebista replicou dizendo que o Estado foi construído com a ajuda dos servidores, deputados, senadores e o povo. “Vista as sandálias da humildade”, recomendou ao tucano.

Os dois candidatos ainda trocaram acusações ao responder sobre a polêmica dos preços dos combustíveis em Palmas, políticas para o meio ambiente e transparência. Nessa última questão, o debate ficou mais tenso, quando, pela primeira vez, o assunto das investigações do Ministério Público de São Paulo foi tratado mais explicitamente. Gaguim desafiou “qualquer cidadão” a provar que seu governo tenha pago algum centavo a alguma das empresas citadas nas reportagens que noticiaram as denúncias. E, ao citar o nome do empresário Maurício Manduca, um dos presos durante a investigação do MPE-SP, relacionou-o à família de seu adversário. “Eu sou bem casado, graças a Deus. O mesmo não posso falar de vossa excelência”, disse, para ressaltar que estava ali para falar de propostas.

Siqueira exigiu respeito à sua família. “A sua senhora, pelo que eu sei, é uma moça de bem, mas você não é uma pessoa que mereça respeito de ninguém”, disparou o ex-governador. Ambos os candidatos pediram direito de resposta e foram atendidos pela produção do programa. Após advertidos por Sandro Dalpícolo para que se ativessem às propostas e evitassem ataques pessoais, no minuto que cada qual teve direito a responder aos ataques sofridos, ambos trataram de se dirigir ao telespectador e defender propostas de governo, já no finalzinho do debate, que se encerrou com os candidatos pedindo votos em um minuto e meio cada. (Valéria Kurovski – Jornal do Tocantins)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
10 Comments

Tocantins

Tocantins atinge 79.612 casos confirmados de Covid-19

Publicado

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) informa que nesta segunda-feira, 23 de novembro, foram contabilizados 100 novos casos confirmados para Covid-19.

Deste total, 37 foram registrados nas últimas 24 horas e o restante por exames coletados em dias anteriores e que tiveram seus resultados liberados na data de ontem.

Desta forma, hoje o Tocantins registra um total de 250.785pessoas notificadas com a Covid-19 e acumula 79.612 casos confirmados da doença. Destes, 72.208 pacientes estão recuperados e 6.256 estão ainda ativos (em isolamento domiciliar ou hospitalar), além de 1.148 óbitos.

Clique AQUI e veja o boletim completo.

Continue lendo

Tocantins

ARAGUAÍNA: Ronaldo Dimas paga primeira parcela do 13º salário ao funcionalismo municipal

Publicado

em

A Prefeitura de Araguaína pagou, nesta sexta-feira, 20 de novembro, para todos os servidores municipais a primeira parcela do décimo terceiro salário. A medida beneficia aproximadamente 2.150 pessoas e deve movimentar a economia local com um montante de mais de R$ 2,4 milhões.
 
Os demais 2.681 servidores já haviam recebido o adiantamento de 50% do décimo terceiro em meses anteriores, seja por requerimento próprio ou em decorrência do mês de aniversário, conforme Decreto Municipal nº 067, de março de 2018.
 
Para o prefeito Ronaldo Dimas, a medida busca dar tranquilidade aos servidores que são chefes de família, neste momento de combate à pandemia da covid-19.
 
“Sempre que as finanças permitem, esse pagamento é antecipado, e este ano não foi diferente. Além de honrar esse compromisso com o nosso servidor, a proposta é movimentar o comércio e a economia local neste momento tão difícil de combate à covid-19 que estamos vivendo”, explicou o prefeito.
 
Aquecendo o fim de ano

A estimativa é de que, em dezembro, o Município injetará aproximadamente R$ 41,6 milhões na economia local, por meio da quitação do salário de novembro, dezembro, segunda parcela do 13º e proporcional de férias, segundo dados da Secretaria da Fazenda do Município. (Thatiane Cunha / Foto: Marcos Sandes)

Continue lendo

Tocantins

PALMAS: 150 quilos de maconha são apreendidos na capital

Publicado

em

Na noite deste sábado, 21, no Jardim Taquari, região Sul de Palmas, foi realizada mais uma operação conjunta da 1ª Divisão Especializada de Repressão a Narcóticos (1ª Denarc Palmas) da Polícia Civil do Tocantins e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual do Tocantins (MPE-TO) para desarticular ponto de armazenagem de drogas na Capital ligado à fação criminosa de renome nacional. Denominada Collapssus, a operação resultou na apreensão de cerca de 160 peças de maconha, totalizando mais de 150 quilos, em um valor estimado de cerca de R$ 300 mil. Também foi presa um homem de 31 anos e apreendida uma motocicleta que era utilizada para comercializar a droga.

Segundo o delegado-chefe da 1ª Denarc, Enio Walcácer, a ação se desenvolveu a partir de investigações de pessoas ligadas à facções criminosas que atuavam em núcleo ligado ao tráfico de drogas, como forma de conseguir recursos para as atividades ilícitas da facção criminosa.

O Delegado explica que as investigações realizadas apontavam para uma grande quantidade de drogas que teria sido enviada a Palmas para antecipar as entregas de final de ano. O objetivo dos criminosos era evitar a maior atuação policial nas rodovias em decorrência dos feriados de final de ano.

Conforme o delgado Enio Walcácer, para chegar ao “bunker”, local onde a droga estava armazenada, os agentes do núcleo de inteligência da Denarc e do GAECO cruzaram informações e verificaram uma movimentação para antecipação das remessas de drogas do final do ano. “Dessa forma, 15 dias após o monitoramento o local foi confirmado e neste sábado, depois do ingresso dos agentes de campo, foi localizado o esconderijo debaixo do chão em um fundo falso, onde estavam as 160 peças de maconha”, explicou Walcácer.

Collapsus

O nome da operação, Collapsus decorre da busca por paralisar as ações de tráfico como sustentação de facções criminosas, buscando desarticular o poder de captação financeiro das organizações criminosas, enfraquecendo-as.

Continue lendo
publicidade Bronze