- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
domingo, 22 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

TOCANTINS: STJ transforma em ação penal inquérito contra desembargadores

Mais Lidas

A duas semanas de completar um ano que o inquérito do Superior Tribunal de Justiça (STJ) nº 569 afastou três desembargadores do TJ (Tribunal de Justiça) – Willamara Leila, Carlos Souza e Liberato Póvoa -,  por suspeita de vendas de decisões e fraude no julgamento de precatórios, a Corte Especial do STJ comunicou ao Judiciário tocantinense que o inquérito passa a tramitar como ação penal.

Com a mudança, de investigados no inquérito os desembargadores e mais 14 pessoas, passam à condição de réu na ação penal.  A ação penal examina a ocorrência de crime ou contravenção e são iniciadas no STJ contra autoridades, como os desembargadores, que contam com foro privilegiado, ou seja, não podem ser julgados por juízes inferiores.

Os desembargadores, que eram investigados, passam a ser denunciados por suposta venda de decisões e manipulação da fila de pagamento de precatórios. Servidores do Judiciário e advogados, apontados como lobistas, também são investigados.

A comunicação ocorreu em telegrama da Corte Especial do STJ (nº 702) à desembargadora Jacqueline Adorno, emitido às 18h53 desta sexta-feira, pouco mais de uma hora depois de o inquérito ter sido reautuado.

Iniciado em 2007, o inquérito tomou proporções de escândalo em dezembro do ano passado quando o STJ autorizou a Operação Maet, realizada no dia 16 de dezembro do ano passado. A PF e MPF (Ministério Público Federal) efetuaram buscas e apreensões de documentos na casa dos desembargadores Willamara Leila (55 anos), Carlos Souza (64 anos) e Liberato Póvoa (67 anos) e em 20 locais em Palmas e Araguaína. Ninguém foi preso, mas os desembargadores foram afastados por 180 dias. Servidores acusados de participação também estão afastados. Na busca, foram apreendidos R$ 375 mil, um veículo, computadores, pen drives, documentos (escrituras e recibos), cinco armas de fogo e munições.

Em junho, o STJ manteve os três desembargadores afastados por mais 180 dias – que se completam no próximo dia 16 – e decidiu afastar também pelo mesmo prazo o desembargador Amado Cilton (59 anos).

O processo tramita em segredo de Justiça e o blog não teve acesso ao teor do telegrama. Mas para reautuar o inquérito como ação penal significa que os elementos apurados no inquérito eram fortes.

Com a mudança o inquérito 569 passa a tramitar como Ação Penal nº 690. O relator é o ministro João Otávio de Noronha.

Willamara Leila também responde desde setembro, no STJ, a um processo administrativo disciplinar instaurado a partir de uma sindicância que apura a administração da desembargadora no TJ-TO. (Lailton Costa)

- Publicidade -spot_img

1 Comentário

Assinar
Notificar-me
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio Milhomem Marinho

Gostei da inclusão deste desleal AMADO CILTON, ele sabe do que praticou em Itaguatins em 2007.

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias