- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
quinta-feira, 19 / maio / 2022
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_img
Array

TOCANTINS: Vale e empresários parceiros querem implantar empreendimento

Mais Lidas

O governador Siqueira Campos recebeu no gabinete do Palácio Araguaia, na manhã desta quarta-feira, 9, empresários da Vale e da SSI Inteligence, empresa especializada em mineração, com base em São Paulo e negócios em diversos países. A audiência contou com as presenças de Eduardo Callea Junger, coordenador executivo de Novos Projetos da Vale, Jorge Salles, SSI Inteligence, William Almeida, Analista da Vele e Luiz Raimundo Carneiro de Azevedo, consultor.

Eduardo Callea Junger, coordenador executivo de Novos Projetos da Vale e Jorge Salles, da SSI Inteligence, apresentaram ao Governador e ao Secretário das Relações Institucionais, Lívio de Carvalho, projetos de estruturação do desenvolvimento econômico, com sustentação na extração e exportação de minério, especialmente o manganês.

O primeiro, apresentado pelo Coordenador Executivo da Vale, Eduardo Callea Junger, mostrou a eficiência do Corredor Centro-Norte logístico para o transporte de cargas gerais, inclusive grãos, combustível, manganês e ferro gusa. De acordo com o Coordenador, o gargalo para este projeto é a estrutura portuária. Os principais terminais ao longo do Corredor são em Porto Franco (MA), Marabá (PA), Açailândia (MA), Paraopebas (PA), São Luis do Maranhão e Palmeirante (TO).

Segundo Eduardo Callea, a região de Colinas do Tocantins também torna-se a mais avançada para a distribuição de fertilizantes, não só para o Estado, mas para Mato Grosso e Bahia. De acordo com a Vale, só este ano foram exportados do Brasil 2,4 milhões de toneladas de minério.

Dentro do Corredor Centro-Norte também estaria, de acordo com o projeto apresentado ao governador Siqueira Campos, um terminal em Tupirama , para o embarque de etanol, e em Porto Nacional para o embarque de carne congelada.

Para viabilizar o sucesso do empreendimento, a Vale aposta na parceria com produtores rurais, orientando a produção, e também no pólo industrial de Palmas, principalmente para o processamento de minério, como níquel e cobre e vislumbra o mercado dos grandes compradores como a Ásia e a Europa.

Mineração

O segundo projeto apresentado ao Governador está diretamente ligado ao primeiro, da Vale, e pertence à Mineração Buritirama, gerida pela SSI Inteligence. Jorge Salles, empreendedor da Empresa que explora manganês na região de Carajás , no estado do Pará, produz para indústrias siderúrgicas de fabricação de ferro liga de países da Ásia, principalmente a China. De acordo com o projeto, 95% da extração de manganês têm como destino a indústria de ferro liga.

Segundo o empresário, a jazida em Carajás é explorada há mais de 30 anos e o minério não possui a mesma qualidade dos anos anteriores, por isso há a necessidade de expansão para outros Estados a fim de continuar sendo uma grande fornecedora de matéria prima para a indústria siderúrgica no mundo.

“A dificuldade hoje de implantamos um empreendimento como este no Tocantins é a falta de parceria com o Governo do Estado”, explicou Jorge Salles. Segundo ele, a exploração necessita de vários insumos, como carvão e energia elétrica, entre outros, e com o apoio do Governo no que tange ao preço do fornecimento de energia, o projeto poderá se implantado, após aprovação ambiental, em 10 ou 12 meses, com um investimento de aproximadamente U$ 100 milhões e geração de 650 empregos inicialmente.

Atualmente a Rússia e a Ucrânia são os maiores exportadores de manganês e principais competidores do Brasil. São os maiores em razão do baixo custo da energia elétrica. Um dos fatores que possibilitam a instalação do projeto aqui no Tocantins são a viabilidade da ferrovia Norte Sul, a Leste Oeste e a hidrovia Tocantins-Araguaia. A idéia é produzir 100 mil toneladas por ano.

Mas para esta produção são necessários 3.500 KW por tonelada e uma área de 10 mil hectares para reflorestamento. A proposta feita ao Governo do Estado é ter a energia a um preço que seja subsidiado ao custo de R$ 100,00 por MW.

O governador Siqueira Campos garantiu que o Estado tem interesse e determinou que os projetos sejam estudados pelos setores do Governo, sob a coordenação do Secretário Lívio de Carvalho, para o mais rápido possível terem concluído a viabilidade de apoiar a implantação dos empreendimentos.

“O Tocantins está de portas abertas para empresários com esta responsabilidade como estes e o Governo apóia, diante da necessidade de promovermos o desenvolvimento econômico e social do Estado, pois as empresas crescendo, nós crescemos junto e é disso que precisamos, de parceria e iniciativa privada”, disse Siqueira Campos

- Publicidade -spot_img

1 Comentário

Assinar
Notificar-me
guest
1 Comentário
Mais antigo
Mais recente Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
MANO PEIXE BOM

Espeamos q isso ñ se torne em uma verdadeira farça.

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_img

Últimas Notícias