Connect with us

Pará

TUCURUÍ: Reunião debate projeto de piscicultura que está paralisado há 10 anos

Publicado

em

Na segunda-feira (17), o Ministério Público do Estado realizou uma reunião com representante do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e da Administração Hidroviária da Amazônia Oriental (AHIMOR) para debate sobre a implementação do projeto de Piscicultura, que está estagnado há 10 anos.  O projeto deveria atender 325 famílias atingidas pelas obras de Eclusa construída em Tucuruí.

A reunião foi conduzida pelo promotor titular da 3ª Promotoria de Justiça de Tucuruí, Francisco Charles Teixeira e pela promotora de justiça Adriana Passos Ferreira, que está atuando em conjunto no procedimento. Em reunião na sede do Ministério Público em Tucuruí, os representantes do o DNIT e da AHIMOR informaram que não possuíam condições de desenvolver o projeto de acordo com o cronograma apresentado no ano passado e teriam que realizar mais ajustes no projeto. O motivo seria a redução orçamentária.

De acordo com a promotora Adriana Passos Ferreira, o orçamento inicial apresentado ao Ministério Público, no ano de 2018, foi no valor de  dezessete milhões de reais, porém as instituições relataram que o valor era inviável e a nova estimativa inicial do orçamento para este ano é de três milhões de reais.

O projeto deveria ter iniciado em 2010, e iria atender 325 pescadores atingidos pelas obras de Eclusa, em Tucuruí, por meio da piscicultura, que é uma forma de produção sustentável de peixes em tanques. O projeto de produção de peixes seria desenvolvido no Parque Aquícola de Breu Branco III – Ipirá I, aproveitando o potencial do parque aquícola de Tucuruí. As famílias foram afetadas pelas obras de eclusa na região.

A promotora Adriana Passos relatou que, desde o ano de 2010, o Ministério Público vem tentando realizar acordos para o desenrolamento do projeto, porém sem comprometimento por parte das empresas.

Ao final da reunião, foi constituída uma comissão com os representantes do DNIT, da AHIMOR, do Instituto Federal do Pará (IFPA) e da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (SEDAP), para fazer um novo levantamento dos recursos existentes, com a finalidade de se realizar o ajuste financeiro inicial sem impactar na qualidade do projeto.

A comissão se comprometeu a apresentar o reajuste financeiro até o dia 17 de agosto deste ano. Após essa data será avaliado pelo Ministério Público ou a propositura de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) ou ajuizamento das ações cabíveis.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

No Pará, ‘Triagem Pós-Covid’ vai tratar sequelas da doença

Publicado

em

O Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), lançou na noite desta terça-feira (24) o Programa Triagem Pós-Covid, que atenderá pacientes oriundos de todas as regiões do Estado que tiveram a doença e apresentam sequelas, como alteração no paladar e olfato, ansiedade, rinite, insônia ou hipertensão arterial. O programa, lançado no Palácio do Governo, em Belém, também atenderá pacientes que já faziam acompanhamento médico e precisaram interromper devido à pandemia.

“A nossa intenção com este programa é continuar o cuidado com o nosso paciente. São muitas pessoas que, mesmo após a doença, continuam procurando atendimento, pois ficaram com alguns sintomas residuais. Sabemos que se trata de uma ideia inovadora, que pode, inclusive, servir de referência para outros Estados”, ressaltou o titular da Sespa, Rômulo Rodovalho.

A meta do programa é oferecer 130 consultas por dia, sendo 50 vagas para homens, 50 para mulheres e 30 para atendimento infantil. “Vamos fazer atendimento pediátrico com consultas com psicólogos, nutricionistas e fonoaudiólogos. Tudo isso pensando nas sequelas de crianças que passaram muito tempo em casa, tiveram aumento de peso, pois não conseguiram controlar a alimentação, e que, além disso, estão esse tempo todo fora da sala de aula. Tudo isso vem trazendo muitos transtornos para toda a família, por isso estamos disponibilizando esses atendimentos fundamentais”, informou Luiz Fausto Silva, diretor da Policlínica Metropolitana.

O Programa Triagem Pós-Covid foi elaborado após a equipe técnica da Sespa, em conversa com diretores de hospitais e profissionais da área de saúde que fazem parte da linha de frente no combate à Covid-19, constatar que muitos pacientes ainda precisam de atendimento, mesmo após a recuperação da doença, mas não sabem onde procurar. Quem já teve Covid-19 e está sem sintomas gripais, mas sente sintomas que podem ser consequência do novo coronavírus (dores no peito, nas pernas e na cabeça, ou cansaço, sintomas inexistentes antes do contágio), tem o perfil para o atendimento oferecido pelo programa.

O objetivo do governo estadual é expandir o programa para as demais regiões do Pará. “Nós temos que pensar em todo o Estado, e temos que trabalhar para que os serviços cheguem aos 144 municípios. Neste momento estamos lançando e iniciando os serviços na Policlínica Metropolitana (em Belém), mas é fundamental que os hospitais regionais estejam com esses serviços disponíveis, para que independentemente das distâncias, todos que precisem e tenham diagnóstico de sintomas pós-Covid também sejam prontamente atendidos”, enfatizou o governador Helder Barbalho.

Procedimento – O atendimento será realizado sem a necessidade de encaminhamento. Basta que o paciente entre em contato com a Policlínica pela Central de Atendimento, por meio do telefone 4005-0510 e pelos números de WhatsApp: (91) 98521-5110 / 98564-7638 e 98526-9319.

Ao chegar à Policlínica o paciente será encaminhado a um clínico geral, e em seguida fará um check-up básico, com exames de sangue e radiografia. Também receberá orientações e encaminhamento para um especialista, se necessário.

“O agendamento dos atendimentos será realizado exclusivamente através da nossa central telefônica/WhatsApp, no número 4005-0510. O paciente não necessita vir até a Policlínica para agendar. Uma vez agendado o atendimento, o paciente receberá via WhatsApp a confirmação do dia e do horário para realização dos exames e avaliações médicas (clínica e pediátrica). No dia marcado, basta o paciente comparecer à Policlínica 40 minutos antes da hora da consulta, com seus documentos pessoais: RG, CPF, comprovante de residência com CEP e cartão do SUS”, explicou Lilian Gomes, diretora executiva da Policlínica Metropolitana.

As consultas serão oferecidas de segunda a sexta-feira, das 7 às 19 h, na Policlínica Metropolitana, localizada na Avenida Almirante Barroso, entre a Avenida Dr. Freitas e a Travessa Perebebuí, bairro do Marco. (Agencia Pará)

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Homicida integrante de facção criminosa é preso

Publicado

em

Um homem suspeito de participar de uma facção criminosa e ter envolvimento em duas mortes ocorridas em maio deste ano, em Parauapebas, foi preso no início da tarde desta segunda-feira, 23. A ação da Polícia Civil deu cumprimento ao mandado de prisão preventiva expedido pela 2ª Vara Criminal do município. 

O investigado compareceu à Delegacia do Município para denunciar uma suposta abordagem de agentes de segurança contra ele, logo foi reconhecido e recebeu voz de prisão.  

Com a prisão do indiciado, foram contabilizadas cinco prisões de membros de uma facção criminosa, os quais estariam envolvidos na morte de dois amigos ocorrida em maio, cujos corpos foram encontrados em um sítio localizado na zona rural de Parauapebas.

Continue lendo

Pará

PARAUAPEBAS: Travestis dão surra em cliente após recusar pagar programa

Publicado

em

Uma guarnição da Polícia Militar foi acionada por volta das 3h da manhã deste domingo (22) para atender a uma ocorrência de agressão. Segundo a denúncia, três travestis estavam espancando um homem a golpes de capacete, no Bairro Beira Rio I, perto da Estação Rodoviária em Parauapebas, município Sudeste Paraense.

Ao chegar no local, os militares conseguiu prender os travestis identificados como João Vitor Magalhaes dos Santos e Diemerson Douglas da Silva. Eles estavam tentando fugir da cena do crime, mas foram reconhecidos por uma testemunha.

A vítima, Jhon Willis Penha Teles, foi socorrida por uma equipe do Corpo de Bombeiros e encaminhado de ambulância a um hospital da região com várias lesões pela face. Para a polícia, as travestis disseram que, a vítima teria contratado um programa com uma delas, mas no final de tudo não quis pagar pelo serviço. Diante disso, se iniciou uma confusão e outras duas travestis foram ajudar a colega e acabaram espancando Jhon Willis.

A guarnição da Polícia Militar conduziu as acusadas para a Delegacia de Polícia Civil para os procedimentos cabíveis. Dependendo do entendimento da autoridade policial, as duas travestis podem responder por lesão corporal grave ou por tentativa de homicídio.

Continue lendo
publicidade Bronze