Connect with us

Pará

Uepa abre período para pedidos de isenções nos Processos Seletivos

Publicado

em

Começa às 14h desta terça-feira, 10, o período de solicitação de isenção da taxa de inscrição para os Processos Seletivos 2013 da Universidade do Estado do Pará (Uepa). Os interessados em participar do Processo Seletivo (ProSel) e do Programa de Ingresso Seriado (Prise) – Subprograma XVI tem até 23h do dia 4 de maio para acessar os endereços www.uepa.br ou www.prodepa.psi.br/uepa e fazer o pedido.

A instituição está ofertando 12.660 isenções, sendo 6.960 integrais e 5.700 parciais (50% de isenção) – cerca de 10% a mais que no ano passado, quando a Uepa concedeu 11.500 isenções. Vale lembrar que após o cadastro online, o candidato é obrigado a imprimir o formulário de solicitação, anexá-lo às cópias dos documentos descritos no item 3 (“Da DocumentaçãoObrigatória a ser anexada ao formulário”) e entregá-lo nos locais descritos no item 4 (“Da entrega”) dos editais 35/2012 e 36/3012, disponíveis no site da Uepa (www.uepa.org) até 11 de maio, entre 8h e 14h.

As provas dos Processos Seletivos 2013 estão marcadas para 2 de dezembro (1ª. etapa), 3 de dezembro (2ª. etapa) e 16 de dezembro (3ª. etapa) de 2012. Inscritos aos cursos de Licenciatura e Bacharelado em Música farão o Exame Habilitatório nos dias 28 e 29 de outubro do mesmo ano. 

De acordo com a Diretoria de Acesso e Avaliação (DAA), para o Prosel, serão ofertadas 8.860 isenções, sendo 5.060 integrais e 3.800 parciais (50% de isenção); e ao Prise, 3.800 isenções, sendo 1.900 integrais e 1.900 parciais (50% de isenção). O valor cobrado no ato da inscrição aos candidatos que obtiverem isenção não-total será de R$ 30 (Prosel) e R$ 17,50 (Prise).

A definição da concessão de taxa de inscrição total ou parcial ficará a critério da Uepa, que decidirá a partir da demanda e da análise da situação socioeconômica do interessado, conforme a apresentação dos documentos especificados no item 3 dos editais, e que serão analisados por um grupo de profissionais qualificados para tal. Será considerado como pré-requisito para análise socioeconômica possuir renda igual ou inferior a dois salários mínimos. Esse mesmo grupo fará visitas técnicas não previamente marcadas, por amostragem, para efeito de decisão de concessão de isenção. Se houver empate entre candidatos no momento da classificação para preenchimento das vagas, será obedecido o critério de maior idade.

A divulgação oficial do resultado será no dia 10 de agosto de 2012, até às 14h, no site da Uepa, e ainda nos quadros de aviso do prédio da Reitoria, bem como nos campi do interior do Estado. Os isentos (integrais e parciais) devem imprimir seus comprovantes de isenção e efetivar a inscrição junto aos demais candidatos no mesmo período estabelecido pelos editais dos Processos Seletivos 2013, que serão publicados até 31 de agosto desse ano – sob pena de perda automática do benefício se não o fizerem.

Documentos que devem ser entregues junto ao formulário de solicitação – Até 11 de maio

– Fotocópia do Documento de Identidade; (válido para todos os candidatos)

– Atestado de que está cursando desde a 1ª série do Ensino Médio, em escola pública ou como bolsista integral em escola particular, com conclusão neste ano; (somente para os candidatos do Prosel)

– Atestado de que está cursando a 1ª série do Ensino Médio em escola pública, ou como bolsista integral, em escola particular; (somente para os candidatos do Prise)

– Histórico Escolar se concluiu todo o Ensino Médio em escola pública, ou como bolsista integral, em escola particular; (Somente para os candidatos do Prosel)

– Laudo médico no original ou em cópia autenticada emitido nos últimos 12 meses, atestando o tipo e o grau ou nível da deficiência, com expressa referencia correspondente da Classificação Internacional de Doenças (CID 10); (Somente para pessoas com deficiência / Prosel e Prise)

– Cópia do seu cadastro atualizado expedido pela instituição de deficientes a qual pertence. (Somente para pessoas com deficiência / Prosel e Prise) 

* A ausência da cópia de um dos documentos para comprovação das situações indicadas implicará na eliminação automática do candidato à isenção.

Locais de entrega da documentação

Na capital

a) Centro de Ciências Sociais e da Educação – (CCSE) – Campus I – Trav. Djalma Dutra, s/n – Bairro do Telégrafo – Belém – Pará;

b) Centro de Ciências Biológicas e da Saúde – (CCBS) – Campus II – Trav. Perebebuí, 2.623 – Bairro do Marco – Belém – Pará;

– Campus III – Av. João Paulo II, 817 – Bairro do Marco – Belém – Pará;

– Campus IV – Av. José Bonifácio, 1.289 – Bairro do Guamá – Belém – Pará;

c) Centro de Ciências Naturais e Tecnologia – (CCNT) – Campus V – Trav. Enéas Pinheiro, 2.626 – Bairro do Marco – Belém – Pará. 

No interior

a) Campus Universitário da Uepa nos municípios de Conceição do Araguaia, Santarém, Marabá, Tucuruí, São Miguel do Guamá, Moju, Altamira, Barcarena, Igarapé-Açu, Paragominas, Vigia, Redenção, Cametá, Salvaterra e Castanhal;

b) Unidade Regional de Educação (URE) nos municípios de Abaetetuba, Breves, Capanema, Itaituba, Monte Alegre, Parauapebas e Santa Izabel do Pará;

c) Escolas Sedes nos municípios de Rondon do Pará e Tailândia

Isenção da Taxa de Inscrição para servidores da UEPA e Instituto Estadual Carlos Gomes – IECG 

Servidores da Uepa e do IECG, bem como seus filhos, esposo(a) ou dependentes legais, terão isenção total de taxa de inscrição e, deverão solicitá-la via internet no mesmo período citado acima e seguindo as mesmas orientações descritas. Candidatos nessa situação devem entregar, no protocolo de local de trabalho do funcionário, além de toda a documentação listada, a fotocópia do contracheque de março ou abril de 2012 do servidor ou declaração de vínculo expedida pela Diretoria de Gestão de Pessoas (DGP/Uepa), e no caso de inscrição de dependente, comprovante desta ligação/parentesco (cópia da certidão de nascimento; cópia da certidão de casamento ou comprovante oficial desta dependência: declaração de imposto de renda e/ou declaração judicial). A falta da cópia de qualquer um dos documentos citados implica no indeferimento da concessão da isenção. 

Serviço

 mais informações poderão ser obtidas junto à DAA (Reitoria – Rua do Una, 156 – Telégrafo), ou ainda por meio do telefone (91) 3299-2216 e e-mail [email protected]

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Pará

MARABÁ: Nível do rio recua mas continua acima dos 13 metros

Publicado

em

De acordo com o Boletim da Defesa Civil Municipal, às 18 horas, desta quinta-feira (20), o nível do Rio Tocantins continuou baixando e atingiu a marca de 13 metros e 03 centímetros na régua fluviométrica. O número atualizado de famílias atingidas é de 4.296, sendo que 789 estão nos abrigos, 2.424 desalojadas, ou seja, que foram para casa de parentes e amigos, 465 famílias ribeirinhas e 618 ilhadas, que ficam no segundo piso dos imóveis e resistem em sair das residências. Hoje foram entregues cestas básicas nos abrigos Sororó, Folha 14 e Irmã Theodora.

Apesar do recuo do nível do rio, a Defesa Civil recomenda que as pessoas ainda não retornem para casa devido à conhecida situação de repique, característica do Tocantins por aqui, que é quando o rio volta a subir. Segundo a coordenação do órgão, todos os trabalhos de assistência vão continuar, inclusive melhorias dos abrigos já construídos, agora já são 21 oficiais, bem como o serviço de mudanças, que conta com 20 caminhões, sendo alguns do Exército, 02 caminhões dos Bombeiros e 06 embarcações para atender às famílias que ainda não conseguiram sair do local.

A Defesa Civil tem contado também com o apoio da Marinha, Governo do Estado, Governo Federal e toda a estrutura da Prefeitura Municipal, uma média de 200 servidores estão envolvidos diretamente.

Vale ressaltar que algumas famílias resistem em abandonar as residências, na esperança de que a enchente não atinja o andar de cima, ou no caso de locais mais altos, que água não entre dentro de casa, o que tem dificultado a dinâmica do trabalho da Defesa Civil. Por dia, vinha sendo programada uma média de 400 mudanças, das quais nem sempre eram concluídas com sucesso, devido às desistências, informações desencontradas no cadastro e, ainda, por conta de veículos estacionados de forma irregular atrapalhando o acesso dos caminhões aos endereços.

Outro fator importante, é a parceria da Equatorial junto à Defesa Civil. A concessionária de energia foi solicitada pelo órgão para análise e desligamento de energia nos locais que oferecem riscos, com fiação próxima à água.

Atualmente, a prioridade da Defesa Civil é a retirada das famílias das áreas alagadas. Por outro lado, as secretarias de Assistência Social, Saúde, Centro de Controle de Zoonoses, Obras, Serviço de Saneamento Ambiental, Meio Ambiente e Segurança têm dado atendimento por todos os abrigos distribuídos pela cidade.

A Defesa Civil informa ainda que os cadastros realizados pelo órgão no momento do pedido de mudança é o mesmo que servirá para os benefícios ofertados pelo município, tais como, entrega de cestas básicas, atendimento de saúde, dentre outros. Quanto ao salário pago pelo Governo do Estado, os cadastros têm sido feitos no Centro de Convenções.

Em função da cheia antecipada dos rios Tocantins e Itacaiúnas, provocando a maior cheia em 20 anos, a Prefeitura de Marabá construiu em tempo recorde 13 abrigos oficiais, o que foi ampliado para 21 abrigos oficiais. Só nesta quinta-feira (20), foram realizadas 199 mudanças de famílias atingidas pelas cheias. Para esta sexta-feira (21) estão previstas mais 298 mudanças.

A Defesa Civil Municipal, em parceria com a Secretaria de Assistência Social, Proteção e Assuntos Comunitários (SEAPAC), continua realizando o cadastro das famílias e a entrega de cestas básicas.

Quem desejar ajudar as famílias com doações, os pontos oficiais da Prefeitura para arrecadação são a sede da SEASPAC, que fica na Travessa da Fonte, bairro Amapá, Marabá – em frente ao CAP e ao lado do Ministério Público Estadual, e na sede da Defesa Civil Municipal, que está em novo endereço, na Rua 7 de Junho, nº 1020, Marabá Pioneira. A arrecadação é das 8 às 16 horas. Os itens prioritários são alimentos não-perecíveis, itens de higiene pessoal, roupas e artigos de cama, mesa e banho.

Continue lendo

Pará

Águas turvas do Rio Tapajós em Alter do Chão preocupam especialista

Publicado

em

Uma equipe composta por técnicos da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas) chegou na última quarta-feira (19), ao município de Santarém, oeste paraense, para avaliar as condições da água do rio Tapajós e áreas em torno dos locais onde a água apresenta coloração diferente da habitual. 

O grupo coordenado pelo secretário estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará, Mauro O’ de Almeida, é composto por técnicos da  Diretoria de Recursos Hídricos, do Núcleo de Monitoramento Hidrometereológico, Diretoria de Fiscalização e da Assessoria Especial de Inteligência e Segurança Corporativa. 

Teste

De imediato e de forma paralela, enquanto uma equipe coletava informações por via aérea, outros técnicos se dirigiram até a vila de Alter do Chão para realizar o teste de medição dos parâmetros físicos para checar a turbidez da água do rio Tapajós. Para a verificação foi utilizada uma sonda multiparâmetro que avalia, entre outros aspectos, o PH e a temperatura da água. 

Ainda não é possível determinar se a causa da turbidez que o Rio Tapajós tem apresentado nos últimos dias é fruto de ação direta do homem ou se é do volume de chuvas que está caindo na região. De acordo com dados do setor de hidrometereologia da Secretaria, foram identificadas chuvas acima da média na região do Tapajós desde o mês de novembro do ano passado e que este fenômeno é recorrente na região.

“Temos a dúvida porque há décadas não tínhamos chuvas desta magnitude no Tapajós. Estamos agindo em duas pontas: aumentando a fiscalização sobre os garimpos e buscando aprimorar a investigação científica com dados de qualidade para que a gente saiba com certeza o que está ocorrendo para responder de forma mais assertiva. Neste sentido, estamos firmando parceria com a Ufopa, a Universidade Federal do Oeste do Pará, para disponibilizar os dados do Projeto Águas do Tapajós e rapidamente montar um laboratório que atue em conjunto com nosso núcleo regional. Mas é importante fazer uma ressalva: o Estado, sozinho, não tem condições de fiscalizar os garimpos. É preciso a ação dos órgãos federais no combate aos crimes ambientais que porventura estejam ocorrendo”, ressaltou o titular da Semas.

Integração

Junto à equipe da Semas havia também representantes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Federais (IBAMA), além de integrantes do projeto “Águas do Tapajós” e Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA). 

Segundo o secretário Mauro O’ de Almeida, a integração entre as instituições pode gerar benefícios de curto e longo prazo.

 “Aqui na Ufopa nós propusemos uma parceria um pouco mais imediata de fazer uma absorção dos dados que eles já têm no projeto ‘Águas do Tapajós’, que há algum tempo vem monitorando a água do rio Tapajós a partir de uma série de dados e pesquisas e, futuramente, construir uma parceria para que a Universidade possa nos dar um apoio de dados e pesquisas para as nossas atribuições executivas, e até quem sabe, a parceria para que nós possamos ajudar a montar um laboratório de água aqui”, afirmou o titular da Semas.

Iracenir Andrade, professora da Ufopa e coordenadora do projeto “Águas do Tapajós” afirma que a soma de esforços irá gerar resultados significativos. “ É louvável pensar o Pará de forma mais integrada. É fundamental garantir com que as ideias sejam efetuadas e nós podemos fazer o levantamento das informações, beneficiando a todos. Isso é viável”, garantiu. (Aline Saavedra)

Continue lendo

Pará

MARABÁ: SEMAS diz que enchentes são influenciadas por chuvas em estados vizinhos

Publicado

em

As fortes chuvas que caem em Marabá não são a única causa da inundação no município paraense, localizado no sudeste do Estado. Segundo informação divulgada nesta quinta-feira (20), pelo Núcleo de Meteorologia da Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas), as chuvas que estão ocorrendo nas cabeceiras dos rios Araguaia e Tocantins, presentes entre os Estados do Mato Grosso, Goiás e Tocantins, aproximadamente, são as maiores responsáveis pelo aumento de nível do rio Tocantins. “Além dos altos acumulados de chuva ocorridos nessa região central do país, houve uma antecipação do atingimento da cota de alerta do rio Tocantins, em Marabá”, afirma o coordenador do Núcleo de Monitoramento Hidrometeorológico da Semas, Saulo Carvalho.

Nesta quinta-feira (20), de acordo com o Boletim da Defesa Civil Municipal, o nível da régua fluviométrica do rio Tocantins marca 13 metros e 7 centímetros, um recuo de dois centímetros em relação ao dia anterior. Sobretudo nas últimas semanas, a precipitação foi intensificada pelo fenômeno Meteorológico Zona de Convergência do Atlântico Sul. “As chuvas intensas, principalmente no sul e sudeste paraense serão causadas pelo grande fluxo de umidade causado pela zona de convergência do Atlântico Sul aliado com a chegada da zona de convergência intertropical”, explica o coordenador. Segundo ele, a tendência é que o rio Tocantins mantenha o nível elevado. “Todas as chuvas que caem nas bacias e cabeceiras dos rios Araguaia e Tocantins, que abrangem os estados do Pará, Maranhão, Goiás, Tocantins e Mato Grosso, vão continuar influenciando a subida dos níveis do rio Tocantins, em Marabá”, alerta o coordenador.

O boletim climatológico, divulgado pela secretaria no início do mês, chama atenção sobre o volume de chuvas acima do esperado para janeiro em grande parte do território paraense. Para a região de Marabá, na porção norte do sudeste do estado, a previsão é de 300 a 400 mm neste primeiro mês do ano. O município de Marabá decretou situação de emergência por causa das fortes chuvas e elevação do nível do rio Tocantins que atingem a região. De acordo com o boletim desta quinta-feira divulgado pela Defesa Civil do município, o número de famílias atingidas já é de 4.097.

Assistência – Na última quarta-feira (19), famílias atingidas pelas enchentes do Rio Tocantins, em Marabá, sudeste paraense, começaram a receber os serviços de saúde e cidadania ofertados pelo Governo do Pará por meio de duas carretas do projeto “TerPaz, Formação Profissional”, adaptadas para realizar atendimentos médicos, testes para detecção da covid-19, emissão de documentos, entre outros serviços. 

Também em Marabá, 96 famílias desabrigadas receberam cestas de alimentos no abrigo Yamada, onde estão alojadas. Famílias de ruas alagadas da Marabá Velha, como a Rua Pará, no bairro Santa Rosa começarão a ser cadastradas para receberem o auxílio do programa “Recomeçar”.

O Governo do Pará já encaminhou três caminhões de donativos para Marabá, que chegaram no último domingo (16). São colchões, kits de higiene e limpeza, e cestas de alimentos, que serão entregues às famílias, além de atendimento nas especialidades Clínica Médica, Pediatria e Ginecologia, além de vacinas (contra Covid-19 e a tríplice viral) e exames (testes rápidos de Covid-19, sífilis, hepatite B e C e HIV) que são oferecidos por profissionais de saúde. (Aline Saavedra)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze