Connect with us

Bico do Papagaio

UFT poderá elaborar plano de saneamento para municípios do Bico do Papagaio

Publicado

em

O Núcleo de Caracterização, Impactos e Programas Ambientais da Universidade Federal do Tocantins (Nucipa/UFT) poderá elaborar um Plano Municipal de Saneamento Básico que irá beneficiar sete municípios da região do Bico do Papagaio: Angico, Darcinópolis, Cachoeirinha, Luzinópolis, Palmeiras, Nazaré e Santa Terezinha.

O início dos trabalhos só depende da formalização do consórcio para o compartilhamento dos sistemas de saneamento entre esses municípios. O consórcio está sendo articulado em conjunto pelas Prefeituras com o apoio da Fundação Nacional de Saúde (FUNASA), da Secretaria do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável do Tocantins (SEMADES) e da UFT.

As ações voltadas para a criação desse consórcio surgiram durante a conferência regional para tratar da questão de resíduos sólidos realizada no mês de maio no município de Araguatins.

“A UFT está participando dessas conferências regionais e têm recebido demandas desses municípios, que não possuem estrutura e capacidade técnica para a elaboração desse plano”, conta a coordenadora do Nucipa, professora Iracy Martins. “Assim que o consórcio estiver formalizado vamos submeter o projeto à aprovação da Funasa”, explica ela.

A implantação do Plano Municipal de Saneamento Básico é uma exigência da Lei nº 12.305/10, que institui a política e inclui resíduos sólidos no País. A criação de consórcios, por sua vez, é estimulada como forma de viabilizar políticas públicas sustentáveis que sozinhas as prefeituras, sobretudo as de pequenos municípios, não têm condições de implantar.

O Nucipa já realiza o Plano de Saenamento Básico do município de Taipas, que está em fase de conclusão e terá, na próxima semana, uma audiência pública para apresentação do diagnóstico à comunidade.

Com 21 alunos no Núcleo, a maioria bolsistas, a UFT disponibiliza um suporte técnico aos municípios e recebe como contrapartida um incremento na formação de estudantes do curso de Engenharia Ambiental.

“O Núcleo é um escritório modelo onde o aluno aprende na prática o que ele não consegue na sala de aula. E esses trabalhos são uma oportunidade para o estudante ouvir as comunidades, conhecer diferentes realidades e propor soluções”, comenta a professora.

“É muito construtivo participar desse processo e ver que o Plano de Saneamento mobiliza a comunidade inteira. Em Taipas quase 200 pessoas participaram da última audiência pública. As pessoas são bem conscientes e com certeza esse plano vai se refletir em benefícios para aquela população”, acrescenta a estudante Aline Maier.
Segundo a professora, esse trabalho também gera projetos de pesquisa como, por exemplo, a elaboração de planos para a recuperação de córregos ou áreas contaminadas.

“A gente vê que as comunidades estão ‘gritando’ por isso, porque sofrem com a falta de infraestrutura”, completa Iracy ao enfatizar também os benefícios para a saúde e o bem estar da população gerados a partir da gestão adequada dos resíduos sólidos e dos cuidados com o meio ambiente.

Outras prefeituras interessadas em serviços do Nucipa podem entrar em contato com o núcleo pelo telefone (63) 3232-8017.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

AUGUSTINÓPOLIS: Educação realiza formação continuada para profissionais da pasta

Publicado

em

A Secretaria Municipal de Educação, deu inicio na segunda, 25, à primeira formação continuada de 2021. Abertura do encontro aconteceu na quadra poliesportiva da Escola Municipal Alfredo Paulino. Na ocasião a secretária municipal de Educação, Maria José Lima de Oliveira, desejou boas vindas e parabenizou os profissionais pelos avanços registrados pela Educação municipal.

Na primeira formação do ano, estão sendo ministrados conteúdos para professores, coordenadores pedagógicos, diretores escolares, secretários escolares, auxiliares de secretarias, coordenardes de bibliotecas e assistentes administrativos.

Continue lendo

Bico do Papagaio

AUGUSTINÓPOLIS: Profissionais de Saúde são vacinados

Publicado

em

Nesta semana iniciou-se a vacinação contra a Covid-19 em profissionais de Saúde que atuam na linha de frente no enfrentamento a pandemia, uma parte dos profissionais imunizados fazem parte da Unidade Sentinela, e a outra integram a equipe do Hospital Regional de Augustinópolis – Ala Covid e UTI Covid.

O secretário municipal de Saúde informou que serão imunizados 36 Técnicos de Enfermagem, 12 Enfermeiros (as), 9 Fisioterapeutas, 3 Psicólogos (as), 3 Farmacêuticos (as), 1 Auxiliar de Farmácia, 12 Recepcionistas, 13 Médicos (as), 13 Auxiliares de Higienização, Limpeza e Borrifamento, 10 Maqueiros, 6 Assistentes Sociais, 10 Radiologistas, 1 Administrador UTI.

Continue lendo

Bico do Papagaio

CNM divulga orientações aos gestores municipais sobre a vacinação da Covid-19

Publicado

em

Com o início da distribuição de imunizantes e vacinação contra a Covid-19 por todo o Brasil, o baixo número de vacinas disponíveis preocupa os municípios mais longínquos do País. Por isso, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) enviou um ofício ao ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, em que manifesta apreensão sobre a forma como o governo federal está enfrentando os gargalos no combate à pandemia.

De acordo com o presidente da CNM, Glademir Aroldi, o governo federal ainda não dispõe de um calendário de vacinação e muito menos de um plano de comunicação com a sociedade brasileira. O presidente da entidade diz que é preciso rever o plano anteriormente divulgado pelo Ministério da Saúde e reforçar as estratégias adequando ao número de vacinas que o Brasil possui.

“O número de vacinas disponibilizadas para os municípios, nesse primeiro momento, não atende ao primeiro grupo. Essa é uma dificuldade que o gestor está enfrentando lá na ponta. Evidentemente que isso causa alguns transtornos como os critérios para estabelecer subgrupos, ou seja, pessoas a serem escolhidas nessa primeira etapa com esse número de vacinas. Essa é uma situação, a outra é a falta de uma campanha de comunicação com a comunidade, no sentido de transmitir que a vacina é segura e eficaz”, explicou Aroldi.

Segundo o líder municipalista, o governo federal ainda não dispõe de um plano de comunicação com a sociedade brasileira – o que é imprescindível nesse momento, pois apresenta informações sérias e concretas, combatendo as fake news que circulam atualmente. “Em toda vacinação sempre acontece uma campanha ampla e ainda não aconteceu. Já cobramos com muita força o Ministério da Saúde para que isso ocorra imediatamente”, disse Aroldi.

No documento enviado ao Ministério da Saúde, a Confederação solicita um cronograma de entrega das vacinas, com estimativa mensal até o fim de 2021, para que os gestores municipais possam ter informações que norteiam um efetivo planejamento e enfrentamento da pandemia.



Procurado, o Ministério da Saúde informou que não comenta esse tipo de documento enviado por outros órgãos e entidades. Por isso, a CNM começa a divulgar a partir desta quarta-feira (27), um próprio plano de comunicação para orientar os municípios sobre a vacinação. De acordo com a entidade, foram “reiteradas tentativas de alinhar a estratégia com a pasta federal sem sucesso”. Desta forma, a campanha informativa da CNM tem objetivo de auxiliar os Municípios nos planos locais de comunicação.

Como primeiro passo, a CNM orienta os gestores municipais a construir ações comunicativas, com mensagens de informação à população: como, quando, onde e para quem será a primeira etapa e demais, bem como a quantidade de doses recebidas no município.

Essas informações estão de acordo com a opinião do médico infectologista do Hospital das Forças Armadas de Brasília (HFA), Hemerson dos Santos Luz. “O número reduzido de doses da vacina exige um planejamento prévio, considerando as prioridades de quem deve ser vacinado ao mesmo tempo em que se tem uma flexibilização desse plano para que se possa adaptar os grupos de acordo com o andamento da pandemia. Isso pode ser feito com um bom planejamento e uma boa análise epidemiológica da situação da Covid-19 em cada localidade”, afirmou o médico. (Brasil 61)

Continue lendo
publicidade Bronze