Connect with us

Maranhão

Vacinação Covid de grupos quilombolas avança no Maranhão

Publicado

em

A vacinação contra a Covid-19 chegou para os povos tradicionais quilombolas da microrregião de Rosário, localizada no Norte do Maranhão. A região é formada, ainda, pelos municípios de Santa Rita, Icatu, Morros, Bacabeira, Presidente Juscelino, Axixá e Cachoeira Grande, que juntos concentram cerca de 15 mil pessoas autodeclaradas descendentes e remanescentes de escravizados, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE). 

Francieli Fantinato, coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, explica a importância da vacina nos grupos prioritários. “As comunidades quilombolas são populações que vivem em situação de vulnerabilidade social. Elas têm um modo de vida coletivo, os territórios habitacionais podem ser de difícil acesso e muitas vezes existe a necessidade de percorrer longas distâncias para acessar os cuidados de saúde. Com isso, essa população se torna mais vulnerável à doença, podendo evoluir para complicações e óbito.”

Na cidade de Santa Rita, mais de 5 mil quilombolas já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19, de acordo com o Ministério da Saúde. O município contém a maior população quilombola da microrregião, com um total de 7.759 habitantes pertencentes a esse grupo.

Entre os imunizados está Maria Antônia Teixeira, conhecida na região como Antônia Cariongo. Aos 41 anos, a lavradora é representante do quilombo Cariongo e coordenadora do Comitê de Defesa dos Direitos dos Povos Quilombolas de Santa Rita e Região. 

Para ela, toda a população quilombola precisa tomar a vacina. Como se trata de um meio para evitar a propagação da doença, ela incentiva a prática por parte de todos os moradores. “Conhecemos a realidade do nosso povo e temos em mente que a única forma de voltarmos a ter uma vida social, de buscarmos um emprego fora do nosso território é com a vacina. Eu me vacinei, minha família inteira se vacinou”, relata.

A reportagem tentou contato com a Secretaria de Saúde do Maranhão para apurar o balanço da imunização da população quilombola do estado, além de saber qual a meta do governo local para esse propósito, mas até o fechamento desta matéria não recebemos nenhum retorno. 

A informação mais atualizada disponível no site da Secretaria de Saúde do estado aponta que, até o dia 24 de junho, 105.687 pessoas desse grupo prioritário já tinham recebido a primeira dose da vacina contra o novo coronavírus na Unidade da Federação e 23.960 receberam a dose 2.

  • Rosário – 1ª dose: 1.946 | 2ª dose: 150 | População Quilombola: 1.983
  • Santa Rita – 1ª dose: 5.215 | 2ª dose: 3.042 | População Quilombola: 7.759
  • Icatu – 1ª dose: 2.334 | 2ª dose: 53 | População Quilombola: 2.653
  • Morros – Não informado
  • Bacabeira – Não informado
  • Presidente Juscelino – 1ª dose: 1.282 | 2ª dose: 8 | População Quilombola: 1.866
  • Axixá – 1ª dose: 1174 | 2ª dose: 696 | População Quilombola: 1.589
  • Cachoeira Grande – 1ª dose: 98 | 2ª dose: 3 | População Quilombola: 590

Fonte: Ministério da Saúde/IBGE 

O Maranhão é o terceiro maior estado do País em população quilombola, com mais de 170 mil habitantes, ficando atrás apenas da Bahia e de Minas Gerais. Por isso, são necessárias medidas que priorizem a vacinação de pessoas que integram esse grupo. Segundo a coordenadora de Atenção Básica de Santa Rita, Rauanny Muniz Lemos, as orientações do Ministério da Saúde para a vacinação estão sendo seguidas.

“Seguimos o calendário de acordo com o Ministério. Foi feita uma escala para todos os enfermeiros que trabalham na estratégia levarem a vacina na área quilombola. Conseguimos imunizar boa parte e, assim, evitar que essa população seja contaminada”, afirma.

Prioridade Quilombola

No Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19, divulgado em 16 de dezembro de 2020, grupos socialmente vulneráveis foram incluídos como prioridade no calendário de imunização. Entre eles, a população quilombola que vive em comunidades tradicionais e que, segundo o último levantamento realizado pelo IBGE, em 2019, representa mais de 1,3 milhão de brasileiros. Essa prioridade se faz necessária diante da falta de acesso desse público à saúde, já que grande parte vive em zonas rurais, afastadas do ambiente urbano. 
Para facilitar o enfrentamento da Covid-19 entre quilombolas e indígenas, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) antecipou a divulgação da base de informações geográficas e estatísticas sobre essa população em maio de 2020. O levantamento foi realizado em 2019.  

Covid-19 no Maranhão

De acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde do Maranhão, até o dia 24 de junho foram confirmados 311.207 casos de Covid-19. Desse total, 8.841 pessoas morreram e 271.202 se recuperaram da doença. 

Dados do Ministério da Saúde mostram que 3.479.700 de doses de vacinas foram distribuídas no estado: 2.713.705 já foram aplicadas, sendo 2.135.288 para a primeira dose e 578.417 para a dose 2. Ainda de acordo com a Pasta, para o enfrentamento da doença, foram destinados ao estado mais de R$ 5 bilhões. 

Mesmo que você já tenha sido vacinado, a recomendação é respeitar as medidas sanitárias para reduzir o risco de transmissão da doença. A vacina é segura e trata-se de uma das principais formas de proteção contra o novo coronavírus. Fique atento ao calendário de imunização do seu município. Para saber mais sobre a campanha de vacinação em todo o país, acesse gov.br/saude.

Serviço

Quilombolas que vivem em comunidades quilombolas, que ainda não tomaram a vacina, devem procurar a unidade básica de saúde do seu município. Para mais informações, basta acessar os canais online disponibilizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Acesse o portal saude.gov.br/coronavirus ou baixe o aplicativo Coronavírus – SUS. Pelo site ou app, é possível falar com um profissional de saúde e tirar todas as dúvidas sobre a pandemia.

Proteja-se

Se você sentir febre, cansaço, dor de cabeça ou perda de olfato e paladar procure atendimento médico imediato. A recomendação do Ministério da Saúde é que a procura por ajuda médica deve ser feita imediatamente ao apresentar os sintomas, mesmo que de forma leve. Após a vacinação, continue seguindo os protocolos de segurança. Entre eles, uso de máscara de pano, lave as mãos com frequência com água e sabão ou álcool 70%; mantenha os ambientes limpos e ventiladores e evite aglomerações. Para mais informações sobre a vacinação em todo o país, acesse gov.br/saude. (Brasil 61)

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Maranhão

IMPERATRIZ: Socorrão volta a atender ao público com duas recepções

Publicado

em

Porta de entrada em muitas organizações, as recepções são fundamentais para o bom funcionamento de um hospital. É lá que ocorre o primeiro contato dos pacientes com a instituição. “O acolhimento de forma especifica facilita o direcionamento dos pacientes e melhora qualidade do atendimento da chegada”, pontua o secretário Alcemir Costa.

Ele explica que com o retorno do atendimento ao público no Socorrão em duas recepções, a RECEPÇÃO 1 fica destinada às urgências da Clinica Medica – pacientes  que chegam com sintomas característicos de patologias tratadas por clínicos gerais e odontologistas. E a RECEPÇÃO 2 atenderá  às emergências da Clinica Cirúrgica e da Ortopedia –  pacientes vitimas de acidentes, arma branca, tiros, acidente de trabalho e traumas, entre outros.  

“Estes pacientes direcionados à cirúrgica geralmente chegam de ambulância, muito deles politraumatizados. Com acolhimento em recepção específica, ele vai conseguir dar entrada de forma muito mais rápida e sua identificação com preenchimento de fichas e guias de internações se torna mais prática” – observa o secretário Alcemir.

O diretor do hospital, Vitor Pachelle, acrescenta ainda que a reabertura da segunda recepção vai ajudar na agilidade, na organização, e no fluxo de atendimento em geral.

“É importante termos as duas opções, assim facilitamos a logística tanto para o paciente quanto para os servidores. Com a divisão, já temos a indicação que o paciente que dar entrada pela recepção 2 geralmente é um caso mais grave,  e isso torna a tomada de decisão da conduta a ser adotada mais rápida” – explicou o diretor.

Além disso, gestores, médicos e colaboradores contam com o trabalho da recepção em diversos processos. Lá são feitos os atendimentos a pacientes; abertura de fichas ambulatoriais; preenchimentos de guias de internação, direcionamento para consultórios e salas de exames. O funcionamento específico das recepções garante um fluxo de informações satisfatório.

Continue lendo

Maranhão

IMPERATRIZ: Policial que matou médico em boate é expulso da PM

Publicado

em

Adonias Sadda

A família do médico, Bruno Calaça Barbosa, de 24 anos, assassinado em julho, a tiros durante uma festa ocorrida em Imperatriz, na região Tocantina, estado do Maranhão, antecipou que o policial militar, Adonias Sadda, responsável pelo disparo de arma de fogo que causou a morte, foi exonerado da Polícia Militar.

O Comando Geral da Polícia Militar deve publicar a decisão esta semana.

Sadda deve ser transferido para a penitenciaria de Pedrinhas, em São Luís.

Continue lendo

Maranhão

AÇAILÂNDIA: PROCON fiscaliza o cumprimento da gratuidade para jovem e idosos no transporte

Publicado

em

O PROCON de Açailândia realizou na quinta-feira, 20, campanha de fiscalização aos prestadores de serviços de transporte de passageiros no Terminal Rodoviário da Cidade, sobre a obrigatoriedade de isenção e concessão de descontos em passagens para viagens intermunicipais e interestaduais para idosos e jovens.

A fiscalização constatou que todas as empresas comprovaram o cumprimento do benefício legal. O PROCON está elaborando um relatório a respeito que será encaminhado para Promotoria do Consumo desta de Açailândia.

Toda reclamação sobre Direito do Consumidor também pode ser registrada diretamente na sede do PROCON, localizada na Rua São Francisco, nº. 1160, Centro, ou no E-mail institucional: [email protected] .

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze