Connect with us

Maranhão

Vigilantes terceirizados do MA denunciam atraso nos salário

Publicado

em

Jonas Rodrigues, presidente do sindicato da categoria, com o presidente da Câmara Municipal, José Carlos Soares

Vigilantes terceirizados que trabalham em escolas estaduais em Imperatriz denunciam atraso no pagamento de salários e do tíquete alimentação. O fato foi comunicado ao presidente da Câmara Municipal, José Carlos Soares, pelo presidente do sindicato da categoria no sul do Maranhão, Jonas Rodrigues, durante audiência na manhã desta quarta-feira (25).

“É sempre um drama para o trabalhador quando ele não recebeu seu salário pelo trabalho prestado, principalmente o trabalhador que é contratado por empresas terceirizadas que não assumem seus compromissos trabalhistas. Estamos encampando a luta desses vigilantes e vamos fazer gestão junto ao governo do estado para tentar solucionar o impasse”, declarou o presidente José Carlos.

Segundo Jonas Rodrigues, o atraso no pagamento dos salários já está chegando a dois meses e o tíquete alimentação a três meses. São 165 profissionais que foram “rebaixados” de vigilantes a porteiros de escolas da rede estadual de ensino, de acordo com o sindicato, prestando serviços à empresa terceirizada Trans Service.

“Nem a empresa nem o estado deram qualquer informação sobre esses atrasos. A empresa não manteve contato o sindicato e com eles (vigilantes) apenas uma vez, quando receberam uma lista de documentos e uma camiseta. Não enviaram fardamento, EPI (equipamento de proteção individual) e só isso”, relatou o presidente do sindicato.

Ele denunciou “desvio de funções da categoria em postos de trabalho”, bem como contratações irregulares e atraso de salários.

O dirigente sindical disse que inicialmente os trabalhadores “sofreram um rebaixamento”, “pois anteriormente exerciam a função de vigilantes treinados, armados, licenciados pela Polícia Federal e perderam essa condição porque foram transformados em porteiros”, o que, de acordo com ele, se constitui em uma “fraude social”, “meso que talvez não tenha havido uma fraude legal”.

“Eles estão sendo subutilizados, sofreram prejuízos a curto, médio e longo prazos. A curto prazo perderam 30 por cento do adicional de periculosidade, perderam a qualidade de assegurado especial diante da Previdência Social porque deixaram de usufruir da aposentadoria especial e tantos outros reflexos que sofreram com a queda salarial, tendo agora a promessa, porque ainda não receberam nada, de salário de porteiro”, argumentou.

Jonas Rodrigues denunciou também que sequer esses trabalhadores têm vínculo trabalhista (carteira assinada) com a empresa terceirizada. “O estado não pode abrigar uma situação de ilegalidade como esta. Se houver um sinistro, um episódio com qualquer trabalhador desse, ele não está assegurado. Ele está trabalhando, mas não está empregado”, protestou.

A categoria vai decidir em assembleia se entra em greve ou não. “Dada a situação de completo abandono, de escravidão em pleno século 21, acreditamos nessa paralisação das atividades”, informou o sindicalista.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Maranhão

Contrabandistas de hidroxicloroquina são presos tentando levar remédio para o Maranhão

Publicado

em

Quatro homens foram presos na quarta-feira (27) em Uruaçu, no norte de Goiás, suspeitos de contrabandear 3,6 mil comprimidos do remédio hidroxicloroquina. As cápsulas estavam escondidas dentro de caixas de equipamentos de som transportadas em uma caminhonete e seriam levadas par ao Maranhão.

A suspeita é que o grupo comercializaria o medicamento de forma clandestina.

O medicamento foi liberado pelo Ministério da Saúde para tratamento de pacientes com coronavírus, até mesmo em casos leves. Pesquisas feitas em várias partes do mundo apontaram, entretanto, que não há eficácia comprovada.

A Polícia Rodoviária Federal encontrou o carregamento de remédio durante uma abordagem de rotina na BR-153. “Os quatro ocupantes disseram que montam estruturas para eventos e que estavam voltando de um show. Os policiais desconfiaram da versão, pois os eventos estão suspensos durante o período de pandemia”, disse o assessor de imprensa da PRF, Newton Morais.

Continue lendo

Maranhão

Fila do auxílio emergencial termina com “quebra-pau” entre mulheres no Maranhão

Publicado

em

Duas mulheres se desentenderam e causaram tumulto em uma fila da Caixa Econômica Federal, na noite de quarta-feira, em Santa Inês, município localizado a 247 km de São Luís. Outros clientes presentes no momento, tiveram muita dificuldade para separá-las.

De acordo com a Caixa Econômica, a situação ocorreu fora do horário de atendimento ao público. Mas, informou que já tomou providências para reforçar a segurança durante a noite.

Precaução

Há cerca de uma mês, os tumultos nas filas da agência da Caixa diminuíram, depois que um grupo de voluntários, liderados por um policial militar, passou a organizar os usuários, na tentativa de seguir as orientações das autoridades de saúde. 300 senhas são distribuídas para quem vai ser atendido no dia seguinte e somente 10 pessoas por vez podem entrar na agência.

“Já fazem mais de 20 dias que nós assumimos essa organização, para que não houvesse mais aquela aglomeração e pessoas tendo que dormir nas filas e muito menos ser feita vendas e trocas de lugares e senhas. Isso não existe mais depois que assumimos voluntariamente – explicou o Cabo da Polícia Militar, Jhonantan Rodrigues.

Continue lendo

Maranhão

IMPERATRIZ: Chega a 63% o número de pacientes curados da Covid-19. Leitos hospitalares estão com 83% de ocupação

Publicado

em

Com 114 novas notificações registradas nesat quarta, 27, Imperatriz atualiza para 1.724 casos confirmados em laboratório. O Estado do Maranhão tem 27.979 casos confirmados com o novo coronavírus (COVID-19), sendo 19.975 ativos (548 – 31.78% em Imperatriz), 7.117 recuperados (1096- 63.57% em Imperatriz) e 887 óbitos registrados (80 – 4.65% em Imperatriz).

O óbito anexado no boletim hoje é de homem de 49 anos, falecido no dia 13/05, na rede hospitalar privada. Informamos novamente que número de mortes pela Coronavírus registrado diariamente não representa os óbitos ocorridos na data da divulgação. Os resultados da investigação epidemiológica estão aliados à confirmação laboratorial do caso. Além disso, óbitos que ocorrem em ambiente hospitalar passam por uma comissão de revisão, algo que pode exigir até 15 dias de espera dependendo do caso.

A média de ocupação dos leitos hospitalares é de 83,7%.

Ocupação de leitos detalhada

Até às 18h de hoje, a ocupação de leitos no ​​​​​​Hospital Macrorregional era:

  • Leitos Clínicos: 81 ocupados – 100% de ocupação;
  • Leitos de UTI: 47 ocupados -87,04% de ocupação;

No Hospital Municipal de Campanha Covid-19:

  • Leitos Clínicos: 28 ocupados – 56% de ocupação;
  • Leitos de UTI: 9 ocupados – 90% de ocupação. 

Na esfera privada, a ocupação de leitos no ​​​​​​Hospital Unimed é:

  • Leitos Clínicos: 30 ocupados – 75% de ocupação;
  • Leitos de UTI: 11 ocupados – 92% de ocupação. 

No Hospital Santa Mônica:

  • Leitos Clínicos: 16 ocupados – 70% de ocupação;
  • Leitos de UTI: 12 ocupados – 100% de ocupação. 
Continue lendo
publicidade