Connect with us

Bico do Papagaio

WANDERLÂNDIA: Produtor investe na produção de tilápia com aproveitamento da água em irrigação de maracujá

Publicado

em

A cadeia produtiva da piscicultura está presente em praticamente todos os municípios do Tocantins. Conforme aponta o Censo da Piscicultura, realizado pelo Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) em parceria com o Conselho de Desenvolvimento Econômico (CDE) do Tocantins, são 117 municípios realizando a atividade, e o empenho do Governo do Tocantins é fortalecer cada vez mais esta cadeia produtiva, por meio da assistência técnica e extensão rural, bem como de incentivos fiscais.

Em Wanderlândia, o proprietário da Fazenda Maranata, Virney Costa, recebe a assistência técnica do Ruraltins de Araguaína, por meio do Convênio de Assistência Técnica para o Médio Produtor (Ater/Médio), e investe na produção de tilápia e tambaqui em tanque elevado. Com a água dos tanques, a família de Virney aproveita para realizar a fertirrigação na cultura de maracujá, desenvolvendo assim, o sistema de integração piscicultura e fruticultura.

Acompanhado há cerca de um ano pelo extensionista e engenheiro de pesca, Renan de Sousa e Silva, Virney já produziu e comercializou, no ano passado, 2,5 mil kg dessas espécies, em seis meses de cultivo.

Segundo o produtor, a expectativa, a partir de agora, é produzir 3,5 mil kg de tilápia e para o segundo semestre chegar a 48 toneladas por ciclo. “Estou fazendo investimentos em bombas e em novos Sistemas de Oxigenação para chegar a 6 mil Kg de peixes. A partir do segundo semestre, iremos dobrar a construção dos tanques para otimizar a produção para 48 toneladas por ciclo, ou seja, 96 toneladas anual”, relata.

No momento, são cinco tanques suspensos de lona geomembrana com capacidade de 110 mil litros de água em cada. “Inicialmente trabalhamos com capacidade de 2, 5 mil Kg de peixes em cada tanque por ciclo que se encerra a cada seis meses. Colocamos alevinos com cinco gramas e em seis meses tiramos as tilápias com peso acima de 800 gramas, que é o peso ideal para essa espécie de peixe. Com um custo de produção estimado em R$ 4,20, esse pescado é comercializado em Araguaína, nos supermercados e na feira do município”, explica o produtor, acrescentando que a expectativa de lucro em torno de 35% em cada ciclo.

Já na área de plantio, são 600 pés de maracujá melhorados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). No chão há quatro meses, as plantas são irrigadas por aspersão com a reutilização das águas provenientes da produção dos peixes, que é bombeada para uma caixa de mil litros, onde é feita irrigação.

Para o engenheiro de Pesca, Renan de Sousa e Silva, as vantagens da produção de peixes junto com o cultivo agrícola vão além do reaproveitamento da água, incentiva a diversificação produtiva e, ainda, por meio da fertirrigação, reduz gastos com adubação, substituindo a adubação química pela adubação natural formada pela ração e das fezes do peixe.

Ainda na primeira safra, a expectativa do produtor é colher 6 kg da fruta em cada pé para atender o mercado de polpas de frutas de Araguaína e região.  “Nas próximas safras, acreditamos que essa carga de maracujá possa chegar entre 30 e 40 kg por pé, entre a segunda e a quarta safra”, afirma Virney, acrescentando que os custos estimados nessa primeira safra sejam em torno de R$ 10 por pé, fora a mão-de-obra de funcionário.

Ainda na propriedade, de 100 hectares, a família trabalha com gado de leite na produção de queijos, aproximadamente 200 kg, por mês, também comercializado em Araguaína. Essa diversificação produtiva é que garante renda e alternativa de investimento ao produtor.

Incentivos

Para o fortalecimento da cadeia da piscicultura e o crescimento econômico-social do Tocantins, o Governo do Estado vem promovendo uma série de ações, dentre elas a isenção do Imposto sobre Circulação de Mercado e Serviços (ICMS) do pescado de cultivo, até 31 de dezembro deste ano; a elaboração do Censo da Piscicultura no Tocantins, como informações que vão nortear as ações para o desenvolvimento do setor; a resolução do Conselho Estadual do Meio Ambiente (Coema) que dispõe sobre o licenciamento ambiental da aquicultura no Estado com a inclusão do cultivo da tilápia em tanques-rede em reservatórios; inserção do Tocantins na Rota do Peixe e Sistematização da Câmara Setorial da Piscicultura do  Estado, formada por representantes de instituições de governos, pesquisa, educação e iniciativa privada, bem como o primeiro evento que debateu a produção de tilápias no Tocantins – o Tilapiatins.

Ater para Médio

Desenvolvido pelo Governo do Tocantins, por meio do Ruraltins, e em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o Ater para Médio foi firmado em 2017 com o objetivo de contribuir com o desenvolvimento econômico e social dos médios produtores rurais do Tocantins.

Com recursos na ordem de R$ 861.639,32, o convênio foi aditivado e segue até 30 de dezembro de 2020, contemplando três categorias, sendo pecuarista de corte e misto, de culturas anuais e de fruticultura. Para o início dos trabalhos no Estado, foram capacitados 84 extensionistas na plataforma digital Mais Ater, visando atender os 44 municípios contemplados pelo projeto.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

NAZARÉ: Quantidade de eleitores supera o de moradores

Publicado

em

Em matéria publicada no portal G1/TO sobre os municípios tocantinenses com mais eleitores que habitantes, está Nazaré, único da região do Bico do Papagaio nessa situação.

A base de dados são do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Segundo especialistas e integrantes de tribunais regionais eleitorais, as diferenças podem ser explicadas por defasagem nas estimativas de população, migrações e até fraudes.

Outra explicação para esse fenômeno é que o IBGE considera o domicílio civil, onde a pessoa efetivamente mora. Já o TSE leva em conta o domicílio eleitoral, que pode ser o lugar em que o eleitor tenha “vínculo político, familiar, afetivo, profissional, patrimonial ou comunitário”.

Ou seja, é possível que uma pessoa mude de endereço para estudar ou trabalhar, mas não transfira o título eleitoral para continuar mantendo um vínculo com seu local de origem.

Nazaré tem hoje, segundo o IBGE, 3.834 habitantes e conforme o TSE, 3.845 eleitores (diferença de 11).

Continue lendo

Bico do Papagaio

TOCANTINÓPOLIS: Paulo Gomes protocola pedido de registro para disputar reeleição. Conheça o Plano de Governo

Publicado

em

A Coligação “O Trabalho Vai Continuar”, integrada por PTB, PSD e MDB protocolou junto a Justiça Eleitoral, o pedido de registro do prefeito Paulo Gomes (PSD) e sua vice Eleny Araújo (PTB). Ambos disputam a reeleição.

Partidos políticos e coligações tinham até as 19h deste sábado (26) para requerer o registro de candidaturas à Justiça Eleitoral.

Para concorrer aos cargos de prefeito ou vice-prefeito, o candidato deve ter 21 anos. No caso da disputa pela vereança, 18 anos. Essa idade mínima é verificada tendo como referência a data da posse. Também é necessário que o postulante esteja em dia com suas obrigações eleitorais, isto é, não pode dever multa à Justiça Eleitoral.

A Resolução TSE nº 23.609/2019 estabelece que qualquer cidadão pode concorrer às eleições desde que cumpra as condições constitucionais e não esteja impedido por qualquer causa de inelegibilidade prevista em lei. Pelo texto, para disputar o pleito, o candidato deverá possuir domicílio eleitoral na respectiva circunscrição e estar com a filiação deferida no partido político pelo qual pretende concorrer seis meses antes das eleições.

Cada partido político ou coligação poderá solicitar à Justiça Eleitoral o registro de um candidato a prefeito e um a vice-prefeito. Somente partidos poderão requerer o registro de candidatos a vereador, no limite de uma vez e meia o número de vagas disponíveis na Câmara Municipal.

No caso de o partido político ou coligação não solicitarem o registro de seus candidatos, estes poderão requerer o registro no prazo máximo de dois dias após a publicação do edital de candidatos do respectivo partido ou coligação no Diário de Justiça Eletrônico (DJe).

Clique AQUI e veja o Plano de Governo de Paulo Gomes.

Continue lendo

Bico do Papagaio

AUGUSTINÓPOLIS: Veja os números da Covid-19 deste sábado, 26

Publicado

em

Continue lendo
publicidade Bronze