O Jornal do Tocantins publicou na tarde desta quinta-feira, 27, que a família do segundo-sargento da Aeronáutica, Manoel Silva Rodrigues, preso na última terça-feira, 25, após terem encontrado 39 kg de cocaína na sua bagagem em um avião presidencial, acredita que houve uma armação contra o militar.

“Nesse tempo todo, ele nunca teve falhas lá, trabalhou tanto tempo, para outros presidentes, Dilma, Temer e agora Bolsonaro, e de repente acontecer isso do nada?”, disse um parente que pediu para não se identificar.

Segundo a fonte, a família está abalada. “Ninguém aqui está acreditando nisso, ele sempre foi um menino exemplar, acho que fizeram uma armação por causa do ódio ao Bolsonaro e usaram ele de cobaia, ele quem está pagando o preço”, explica.

Conforme a familiar, Rodrigues desde muito cedo tem comportamento exemplar e “nunca se envolveu com nada errado”. Ela afirmou que todos na cidade o conhece e estão apoiando ele, na fé de que “a verdade seja descoberta”.

“É um menino trabalhador, guerreiro, ele queria que o Bolsonaro ganhasse para mudar o País, é um pai exemplar, todos nós acreditamos na sua inocência e sabemos que a investigação vai provar isso”, destaca.

A parente finaliza dizendo que está sendo uma situação muito difícil para a família. “Estou muito chocada, não está dando para acreditar. É muito difícil”, completa.

Perguntada se o sargento poderá vir ao Tocantins enquanto ocorre a investigação para ver os familiares, a fonte disse que não sabe sobre isso. (Com informações do Jornal do Tocantins)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.