- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
quinta-feira, 18 / abril / 2024

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Ação monitora e captura morcegos hematófagos em propriedades rurais do Bico

Mais Lidas

A Agência de Defesa Agropecuária (Adapec), realizou semana passada, uma ação de monitoramento e captura de morcegos hematófagos (principal transmissor da raiva), atendendo demandas de 13 produtores rurais dos municípios de Araguatins, Xambioá, Buriti e Riachinho, na região do Bico do Papagaio.

Segundo o responsável técnico pelo Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros, Raydleno Mateus, a equipe do programa monitorou e cadastrou cinco abrigos da espécie, sendo dois em locais artificiais (poços e cisternas) e três naturais (cavernas e troncos de árvores), resultando na captura de seis morcegos hematófagos. “Destes atendimentos realizados, um era foco, no município de Buriti, onde foi observada a sugadura em animais da propriedade, inclusive confirmado caso de raiva em animais”, relatou Raydleno, acrescentando que por se tratar de uma zoonose (doença que pode ser transmitida para o ser humano), a equipe fez um trabalho de orientação e educação sanitária para cerca de 25 pessoas, sobre os riscos de transmissão e cuidados no manejo de animais possivelmente infectados.

A Adapec reforça, aos produtores rurais, para vacinarem o rebanho contra a raiva, pois esta é a forma mais segura de prevenção contra a doença.

Registros

Este ano, a Adapec atuou no controle da raiva dos herbívoros em 242 propriedades em todas as regiões do Estado, com 122 ações de capturas e monitoramento em 109 abrigos, o que resultou em 558 morcegos hematófagos capturados. Foi ainda realizada a orientação sobre a zoonose para mais de 400 pessoas. Este ano, foram registrados seis focos da doença.

Sintomas

O animal infectado pelo vírus da raiva apresenta alguns sintomas, como isolamento do restante do rebanho, apatia, perda de apetite, salivação abundante e dificuldade para engolir. A evolução da doença causa movimentos desordenados, tremores musculares, ranger de dentes, decúbito lateral e morte.

A Agência alerta que o produtor deve evitar o contato direto com animais que apresentam sintomatologia nervosa. Qualquer dúvida ou denúncia em relação à defesa agropecuária, o produtor pode entrar em contato por meio do Disque Defesa, no 0800 63 11 22. (Welcton de Oliveira)

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Últimas Notícias