- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
segunda-feira, 15 / abril / 2024

- Publicidade -spot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

ARAGUATINS: No Ministério da Educação, quilombolas discutem dificuldades no acesso ao ensino

Mais Lidas

Letícia Queiroz de Freitas quilombola da comunidade Ilha de São Vicente, no município de Araguatins, no Bico do Papagaio, esteve na última sexta-feira, 16, em uma reunião no Ministério da Educação (MEC), juntamente com o Coletivo de Educação da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ), na Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI).

Durante a reunião com representantes da Coordenação de Políticas Étnicos-raciais para a Educação Escolar Quilombola, foram apresentadas as dificuldades enfrentadas por estudantes quilombolas no acesso à educação em todo o Brasil.

Em seu momento de apresentação, Letícia destacou que assim como vários quilombos, na Ilha de São Vicente não há escola. Ela explicou a logística de crianças, jovens e adultos para chegar às instituições de ensino na cidade de Araguatins.

Após a travessia de barco, ao chegarem à margem do rio Araguaia, estudantes de todas as idades se arriscam caminhando até suas escolas.

Letícia lembrou ainda que Fátima Barros foi sua maior incentivadora na luta por educação.

“Não é fácil ter acesso à educação sendo quilombola. Apesar de tudo, tive o privilégio de ter como incentivadora a minha tia Fátima Barros, que durante sua vida apoiou jovens dentro e fora do nosso quilombo e dizia para não aceitarmos o que é imposto para nós”.

Ela pediu que os coordenadores tivessem atenção aos pontos abordados na reunião. (Ascom)

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Últimas Notícias