- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
quinta-feira, 13 / junho / 2024

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

OPINIÃO: “Chapinha”, um formato democrático e eficiente que permite o pequeno chegar ao poder

Mais Lidas

Um modelo pouco utilizado e até desconhecido por muitos outrora, a famosa “chapinha” vem sendo adotada em todo o país nas eleições, sejam elas municipais, sejam gerais. O formato é aplicado para cargos legislativos proporcionais (vereador, deputado estadual e federal).

O jargão chapinha é utilizado quando se forma uma chapa de vereadores ou deputados sem a presença de mandatários, onde oportunizada candidatos pequenos e oriundos da minoria, ou com pouco poder aquisitivo se eleger, muitas vezes com poucos votos, tornando a disputa nivelada.

O advento do referido modelo dificultou a vida de muitos mandatários, que encontrando dificuldades em agregar médio e pequenos candidatos terminam se juntando entre si e formando o chapão, onde é comum ver candidatos com votações expressivas ficarem de fora do mandato.

Seja em chapinha, ou em chapão, é importante observar a necessidade de toda chapa ter puxadores de votos, para que o partido ou federação não corra o risco de não obter cadeira no legislativo. Há partidos que adotam a seguinte composição para uma chapa: cabeça, meio e cauda, ou seja, a legenda é composta por candidatos grandes, médios e pequenos.

A política é um jogo, onde cada um usa suas próprias estratégias para vencer, mas nesse caso cabe uma reflexão por partes dos partidos e líderes, que devem pensar a política a longo prazo e entender que todos os componentes são importantes no processo.

A título de sugestão, o rodízio entre suplentes seria uma boa prática entre os partidos, onde titulares de mandatos se afastariam por determinados períodos, para contemplar os suplentes, fortalecendo assim partidos e grupos políticos.

Neste período final de filiação partidária, todos correm contra o tempo para se abrigar no melhor lugar para disputar as eleições, sejam mandatários ou novos aspirantes ao Poder Legislativo. Quem usar a melhor estratégia tende a ser vitorioso.

Elisvan Lopes é funcionário público e analista político.

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Últimas Notícias