- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
quinta-feira, 20 / junho / 2024

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

PALMAS: Novo escândalo na Prefeitura. PF investiga prejuízo de R$ 74 milhões no PREVIPALMAS

Mais Lidas

Na manhã desta sexta-feira, 24, a Polícia Federal (PF) deu início à Operação Moiras, com o objetivo de investigar possíveis crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, gestão fraudulenta, peculato e lavagem de dinheiro, relacionados ao Instituto de Previdência Social do Município de Palmas (PREVIPALMAS).

A ação da PF, realizada em diversas localidades do país, incluiu o cumprimento de 27 mandados de busca e apreensão nas cidades de Palmas, Araguaína, Paraíso do Tocantins, Monte do Carmo (TO), São Paulo e Piracicaba (SP), Rio de Janeiro e Petrópolis (RJ), João Pessoa (PB), Oiapoque (AP) e Santo Antônio de Goiás (GO). Os mandados foram expedidos pela 4ª Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Tocantins.

O inquérito policial busca esclarecer suspeitas de direcionamento e conluio entre empresários, servidores públicos e agentes políticos, que teriam levado o PREVIPALMAS a investir R$ 50 milhões em fundos sem liquidez, conhecidos como “fundos podres”. Esse investimento resultou em um potencial prejuízo de R$ 74.433.036,70.

A investigação visa identificar todos os envolvidos nas ações criminosas, reunir provas suficientes para comprovar os fatos e recuperar os recursos possivelmente desviados. Durante esta fase da operação, a Polícia Federal também pretende cumprir a determinação da Justiça Federal de sequestrar bens dos envolvidos, totalizando o valor do prejuízo apurado.

Caso sejam obtidas provas suficientes, os suspeitos poderão ser indiciados pela Polícia Federal e responderão, de acordo com suas responsabilidades, pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, gestão fraudulenta, peculato e lavagem de dinheiro. As penas para esses crimes, somadas, podem chegar a 46 anos de reclusão. Além disso, se os fatos forem comprovados, o Poder Judiciário poderá decretar a perda de bens e valores necessários para reparar os danos causados pelas infrações penais.

A Operação Moiras reflete o contínuo esforço da Polícia Federal em combater a corrupção e proteger os recursos públicos, visando garantir a integridade e a transparência na gestão de fundos previdenciários municipais.

O que diz a Prefeitura:

A operação ‘Moiras’, da Polícia Federal, deflagrada nesta sexta-feira, 24, investiga investimentos irregulares realizados em 2017. 

Na atual gestão, que teve início em 3 de abril de 2018, foi determinado o ajuizamento de ações, via Procuradoria Geral do Município, para declarar nulas as aplicações e obter a restituição dos valores. 

O Previpalmas realizou auditoria sobre as aplicações para identificar possíveis falhas e responsáveis pelos processos de aplicação. O relatório dessa auditoria foi encaminhado aos órgãos de controle, inclusive para a Polícia Federal. 

A Prefeitura de Palmas adotou todas as providências para identificar as falhas nos processos de investimentos e a restituição dos valores aplicados para garantir os direitos dos servidores públicos. 

O Previpalmas e a Prefeitura de Palmas estão à disposição das autoridades para colaborar com as investigações, sendo, ao lado dos servidores públicos municipais, os principais interessados nas apurações e na obtenção da restituição dos valores.

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Últimas Notícias