- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
sábado, 24 / fevereiro / 2024

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Senadores do Tocantins se mantêm calados sobre voto na indicação de Dino ao STF

Mais Lidas

Em uma votação apertada realizada na quarta-feira (13), o Senado aprovou a indicação do senador licenciado e atual ministro da Justiça, Flávio Dino, para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). A votação secreta resultou em 47 votos a favor, 31 contrários e 2 abstenções.

Nenhum dos três senadores do Tocantins; Eduardo Gomes (PL), Irajá Abreu (PSD) e Professora Dorinha (UB), manifestaram publicamente seu voto, que permanece em sigilo. A votação é secreta.

Dino ocupará a vaga deixada pela ministra aposentada Rosa Weber. A diferença de votos no Plenário para a indicação de Dino foi de 16, superando por pouco a indicação com a menor diferença de apoios dos últimos anos.

A indicação com placar mais apertado até então havia sido a do ministro André Mendonça, indicado no governo de Jair Bolsonaro, que registrou diferença de 15 votos. Mendonça também detém o recorde de maior votação contrária, com 32 votos.

Desde a redemocratização, o ministro que recebeu o menor número de votos favoráveis foi Francisco Rezek, indicado por Fernando Collor em 1992, com 45 votos.

O próximo passo será a posse de Dino no STF.

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Últimas Notícias