- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
sábado, 15 / junho / 2024

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Cerca de 3 milhões de pessoas serão vacinadas contra a doença em 2024

Mais Lidas

O Brasil é o primeiro país no mundo a oferecer a vacina contra a dengue na rede pública, mas possui desafios com relação à quantidade de doses oferecidas. Conforme o Ministério da Saúde, o país deve ter acesso a até 6 milhões de vacinas ao longo deste ano. No entanto, como a aplicação é feita com duas doses, somente 3 milhões de pessoas serão vacinadas em 2024. 

O Ministério da Saúde deve seguir a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e priorizar a vacinação na faixa etária entre 6 e 16 anos. A pasta deve definir, em conjunto com estados e municípios, qual idade será priorizada diante do quantitativo de doses reduzido em uma reunião marcada para quinta-feira (25).

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, a vacinação deve iniciar em fevereiro. A vacina Qdenga (TAK-003) foi desenvolvida pelo laboratório japonês Takeda Pharma. O registro do imunizante foi aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em março deste 2023. Segundo o laboratório, a vacina é recomendada para as pessoas entre 4 a 60 anos. Todas as pessoas, mesmo aquelas que já tiveram dengue, podem receber a vacina. A vacinação no Brasil deve iniciar em fevereiro.

Na avaliação do médico infectologista Fernando Chagas, as populações que vivem em locais com maiores concentrações de casos de dengue em todo o país precisam ser imunizadas inicialmente. 

“Deve-se avaliar os locais onde se tem altas taxas de adoecimento, consequentemente também de altas taxas de mosquito Aedes aegypti e aplicar nesses locais, nessas populações. Somados também as estratégias de combate ao vetor, já que o vetor não transmite apenas a dengue, também transmite a chikungunya e transmite a zika. E combater o vetor, além de combater essas outras doenças, vai somar na luta contra a dengue, que muito provavelmente vai se refletir numa queda no número de casos durante os próximos anos”, destaca.

Como funciona a vacina?

De acordo com o infectologista, a vacina contra dengue é composta de um vírus atenuado, ou seja, um vírus vivo, mas enfraquecido e com fragmentos dos outros 3 tipos de dengue que circulam pelo mundo.

“Nós temos quatro tipos de dengue que a gente classifica como DENV 1,  DENV 2, DENV 3 e DENV 4. A vacina é um vírus do tipo DENV 2, mas com fragmentos dos outros 1, 3 e 4 que uma vez no nosso corpo, estimula a produção de anticorpos e de defesa celular contra os quatro tipos de dengue. Nos estudos, foi mostrado uma eficácia de média de 80% na diminuição de casos e das pessoas que desenvolveram uma doença mais de 90% no risco de evoluir para forma grave. Então, é uma efetividade muito alta”, explica. 

Chagas ainda ressalta que nos estudos e nas populações que receberam a vacina, os efeitos adversos têm sido muito leves, geralmente dentro de dois dias após a aplicação.

“A gente tem observado geralmente sinais e sintomas que até lembram doenças febris, como febre baixa, às vezes um pouco de dor muscular, geralmente leve. Algumas pessoas relatavam um pouco de dor de cabeça também leve, que duram em média de 1 a 3 dias. Qualquer sinal ou sintoma que passe de 3 dias a pessoa tem que considerar a possibilidade de ter adoecido concomitantemente a vacina ou até mesmo antes de receber a vacina, então é importante buscar o atendimento médico”, diz.

Por tratar se de uma vacina composta de vírus atenuado, a Qdenga não vai poder ser administrada em certos grupos, como explica o infectologista. 

“Pessoas que têm doenças que prejudiquem a imunidade ou que façam uso de medicamentos que diminuam a imunidade, por exemplo, pessoas que fazem uso de corticoides há mais de 15 dias. Assim como também as gestantes e mulheres que estão amamentando não vão poder receber a vacina porque têm um pouco de prejuízo na imunidade e a gente não sabe os reflexos da vacina na gestante e porque não se tem estudos sobre a transmissão do vírus ou da vacina para o leite”, afirma.

Dengue no Brasil

De acordo com o Ministério da Saúde, o país registrou, em 2023, 1,6 milhão de casos de dengue e 1.094 mortes. Somente neste ano, os casos já superam os 10 mil e sete mortes sob investigação. Os estados com maior incidência da doença foram Espírito Santo, Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Goiás.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o país tem o maior número de casos da doença no mundo. Conforme a organização, o país apresentou 2,9 milhões de casos entre janeiro e dezembro de 2023. (Brasil 61)

- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
- Publicidade -
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Últimas Notícias