Connect with us

Bico do Papagaio

AUGUSTINÓPOLIS: Elias Madeira diz que defesa de Júlio tenta tumultuar trabalho da Justiça

Publicado

em

Após decisão do juiz Jefferson David Asevedo Ramos, que suspendeu preventivamente ato da Comissão processante 03/2019, na direção de promover afastamento cautelar do prefeito, Júlio Oliveira (Republicano), o vereador presidente da Comissão, Elias Madeira, disse por meio de Nota Pública, que retirar o prefeito do cargo nesse momento, nunca foi o objeto da Comissão.

“No entanto, esclareço que jamais foi objeto da Comissão Processante nº. 003/2019 suspender cautelarmente o prefeito municipal ou qualquer outra decisão contrária ao ordenamento jurídico e os princípios constitucionais. Somos cientes dos nossos deveres, responsabilidades e direitos. Buscamos, dentro de nosso limite de atuação político administrativo, conduzir os trabalhos com máximo cumprimento aos princípios do contraditório, ampla defesa e devido processo legal”, escreve o parlamentar.

Elias Madeira diz ainda que a defesa do prefeito, tumultua o trabalho do magistrado e de seus auxiliares com pedidos infundados, desnecessários e inverídicos. Segundo o parlamentar, são inúmeros processos judiciais que não trazem guarida na realidade fática e jurídica atual. “O prefeito está com medo de algo que não existe a mínima possibilidade, qual seja, seu afastamento cautelar, visto que o DL 201/67 que possui rito próprio não prevê medidas acautelatórias. Esta Casa de Leis é sabedora de suas atribuições e da didática do Decreto-lei nº. 201/67, o qual é taxativo quanto ao rito e procedimento cabível para o Processo de uma Comissão Processante. A comissão seguirá seu curso normal, sob o crivo do contraditória e da ampla defesa, para que ao final o processo possa ser julgado dentro dos ditames legais. Nossos atos são públicos e notórios, trabalhamos para o povo dessa cidade! Estamos sempre à disposição das Autoridades e dos Cidadãos dessa municipalidade para servir e cumprir à lei”, escreveu o vereador por meio da Nota.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bico do Papagaio

MP abre procedimento para fiscalizar “fura-fila” na vacinação contra Covid-19 no Bico

Publicado

em

O Ministério Público do Tocantins (MPTO) instaurou procedimentos administrativos a fim de fiscalizar as ações adotadas quanto à execução do Plano Municipal contra a Covid-19 e expediu recomendações para garantir que a vacina seja realizada de forma isonômica, eficiente, célere e segura à população.

Os promotores de Justiça apontaram, nos procedimentos, o número de casos de infectados, a quantidade de doses da vacina distribuída a cada município, consideraram a competência do ente frente ao Sistema Único de Saúde e requereram informações acerca do plano de operações referente à vacinação contra a Covid-19.

À medida que os municípios respondem aos questionamentos, estão sendo expedidas as recomendações, que tratam da organização do suporte logístico dos imunizantes; do acondicionamento, transporte e segurança das vacinas; da adequação na quantidade de salas e de equipes disponíveis para executar a vacinação; da observância aos grupos prioritários, do envio de listas nominais dos profissionais da saúde que serão vacinados, da aquisição de equipamentos e insumos, bem como do controle de estoque e do sistema de informação.

O Ministério Público alerta que o descumprimento das diretrizes estabelecidas nos planos nacional e estadual para priorização da vacina pode ensejar a responsabilização criminal; além de eventual ação por improbidade administrativa, dentre outras medidas.

Denúncia Covid

Até a manhã desta quarta-feira, 27, os canais da  Ouvidoria do Ministério Público receberam 18 comunicações de todo o Tocantins, em relação à vacinação, destas  sete são de manifestações de fura fila e as demais de profissionais da saúde, que afirmam que, apesar de estarem na linha de frente, não conseguiram vacinar. As comunicações foram processadas e encaminhadas para as respectivas promotorias para a devida apuração.

As comunicações sobre supostas irregularidades podem ser realizadas por chamadas gratuitas pelo telefone 127, pelo o e-mail [email protected] e no número de whatspp (63) 99100 2720. (Denise Soares)

Continue lendo

Bico do Papagaio

Delegado fala sobre supostos sequestros de crianças no Bico

Publicado

em

Continue lendo

Bico do Papagaio

ARAGUATINS: “Leviano. Mentiu e vai ter de provar na Justiça”, rebate dono de imóvel sobre Aquiles

Publicado

em

Não demorou para que André Gonçalves, dono do imóvel onde está instalada a sede da 3ª Companhia do Corpo de Bombeiro, em Araguatins, no Bico do Papagaio, rebatesse o prefeito Aquiles da Areia (PP), que o acusou de propor “rachadinha” no aluguel, para manter a corporação funcionando no prédio de sua propriedade.

Aquiles fez a declaração, logo após, o fim da reunião entre integrantes do Corpo de Bombeiros, da Prefeitura e do Poder Legislativo, onde ficou definido um novo local para a unidade.

André foi duro ao rebater Aquiles e disse que vai acionar a Justiça, para exigir retratação. “Espero que ele prove as afirmações levianas e mentirosas que fez a meu respeito. Se ele acha que pelo fato de ser prefeito, pode falar o que quiser, sem apresentar nada que constate a acusação, ele está enganado. Vai ter de provar tudo na Justiça”, disse André.

Ele ainda explicou, que desde o dia que Aquiles assumiu a Prefeitura, nunca esteve pessoalmente com o gestor e não tratou de assunto de aluguel, e nenhum outro, embora na manhã da última terça-feira, dia 26, tenha sido procurado pelo vereador Marlúcio, por meio de contato telefônico, o qual propôs a redução no valor do aluguel de modo que o Corpo de Bombeiros continuasse operando no mesmo local, por ser o mais adequado, com o que concordou André.

Segundo André, a atitude do prefeito na manhã desta quarta, 27, causou perplexidade e indignação, pois desvirtuou os fatos e denegriu sua imagem, imputando-lhe fato criminoso, pelo que será acionado civil e criminalmente, e terá que provar suas alegações perante a Justiça.

Continue lendo
publicidade Bronze