Connect with us

Bastidores

CNI-Ibope: 41% dos brasileiros confiam no presidente Jair Bolsonaro, mesma parcela que aprova sua maneira de governar

Publicado

em

Em seu último levantamento de 2019, apresentado nesta sexta-feira (20), a pesquisa CNI-Ibope revela que a parcela da população que aprova a maneira de governar do presidente Jair Bolsonaro é de 41%, enquanto aqueles que desaprovam é de 53%. O índice de confiança no presidente também é de 41% dos brasileiros e os que afirmam não confiar nele é de 56%.

Outra pesquisa, denominada Sondagem Especial: Avaliação do Governo pelo Empresário Industrial, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada em 11 de dezembro, mostrou que, entre os empresários industriais, a avaliação do governo é mais positiva: 65% dos entrevistados disseram confiar no presidente Bolsonaro e 64% disseram aprovar sua maneira de governar.

A pesquisa CNI-Ibope, divulgada nesta sexta-feira (20), mostra também que 29% da população considera o governo de Jair Bolsonaro ótimo ou bom. Este índice é aproximadamente a metade da avaliação feita pelos industriais brasileiros, entre os quais, 60% consideram o governo ótimo ou bom.

“A diferença na avaliação do governo entre empresários e a população em geral pode ser explicada pela diferença na percepção das condições econômicas. Os empresários já percebem a retomada do crescimento (inflação e juros baixos, consumo voltando a crescer), enquanto a população ainda vê o país com alto desemprego e renda baixa”, analisa Renato da Fonseca, gerente-executivo de Pesquisa e Competitividade da CNI.

Para o economista, a população, sobretudo as famílias com renda mais baixa continuam com dificuldade de recuperar a capacidade de consumo. Por isso, não percebem que a economia está voltando a crescer. À medida que a recuperação ganhar força, provavelmente em meados de 2020, o emprego passará a crescer mais rápido e a população começará a perceber com mais clareza a melhoria na economia.

CONTRASTES – Ainda de acordo com a pesquisa CNI-Ibope, 31% dos brasileiros consideram a atual administração regular, enquanto 38% a avaliam como ruim ou péssima. Em contraste, a Sondagem Especial com empresários mostra que 26% dos industriais acham que o governo é regular, enquanto 7% avaliam a atual administração como ruim ou péssima.

Na indústria da construção, 69% confiam em Jair Bolsonaro e 69% aprovam a maneira de governar do presidente. Na indústria de transformação, 67% confiam no presidente e 65% aprovam sua maneira de governar. Na indústria extrativa, 62% confiam no presidente e 59% aprovam sua maneira de governar.

Em relação às perspectivas da população quanto ao restante do governo, a CNI-Ibope mostra que as avaliações positivas e negativas da população convergem dentro da margem de erro. Segundo a pesquisa, 34% consideram que os próximos anos de mandato serão ótimos ou bons, enquanto para 32% serão ruins ou péssimos. Para 28% dos ouvidos, os próximos três anos serão regulares.

ÁREAS DE GOVERNO – A segurança pública segue como a área de governo mais bem avaliada pela população, sendo aprovada por 50% dos brasileiros – a taxa de desaprovação é de 47%. Em seguida, aparece a área de educação, aprovada por 45% dos brasileiros. No terceiro lugar, o combate ao desemprego conta com 41% de aprovação entre a população, um aumento de 5 pontos percentuais em relação à pesquisa de setembro.

A CNI-Ibope ouviu 2 mil pessoas em 127 municípios, entre 5 e 8 de dezembro. A Sondagem Especial: Avaliação do Governo pelo Empresário Industrial, por sua vez, entrevistou 1.914 empresários de todo país entre os dias 2 e 10 deste mês. Em ambas, a margem de erro é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e, a confiança, de 95%.

PERCEPÇÕES DA POPULAÇÃO – Recentemente, o Ibope fez também uma pesquisa para aferir as  expectativas da população com relação à economia brasileira para 2020 e a avaliação sobre projetos e ações de iniciativa do governo de Jair Bolsonaro. De acordo com essa pesquisa, que entrevistou 2 mil pessoas em 127 municípios e foi divulgada em 11 de dezembro, quase metade (49%) da  população acredita que a situação econômica do país vai melhorar no próximo ano. Outros 24% dizem que ficará igual e 24% afirmam que a situação vai piorar.

O levantamento revela também que a população apoia as reformas estruturais e medidas do atual governo nas áreas econômica e social. Alguns exemplos: 88% apoiam a liberação de recursos do FGTS para trabalhadores e também a criação da “carteirinha de estudante digital”; 78% apoiam a manutenção da inflação dentro da meta; 76% apoiam a liberação de 13º salário para beneficiários do Bolsa Família e a abertura de agências bancárias aos sábados; 62% apoiam o pacote anticrime enviado pelo governo ao Congresso Nacional e a Lei da Liberdade Econômica; 57% apoiam as privatições e as concessões de serviços públicos à iniciativa privada.

Na avaliação dos brasileiros, o desemprego, com 30% das citações, a segurança pública e a violência, com 24% das menções, e a saúde, também com 24% das respostas, lideram a lista dos problemas que “vão melhorar em 2020”. Em quarto lugar, com 23% das citações, vem a educação, e, em quinto, com 16% das respostas, a corrupção.

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bastidores

Luana Ribeiro realiza live nesta quarta-feira, 23, com médico referência em hematologia

Publicado

em

A deputada estadual Luana Ribeiro participa nesta quarta-feira, 23, às 19h, de um evento online que tem como objetivo ampliar a conscientização sobre a importância da doação de sangue e de medula óssea com o médico Dr. Vanderson Rocha, especialista em hematologia e hemoterapia. O evento será online e a transmissão será realizada através das redes sociais da parlamentar @luanaribeiroto.

Luana é a autora da Lei 3099/2016 que estabelece a campanha Junho Vermelho de conscientização sobre a doação de sangue no Tocantins. De acordo com a deputada, a conversa será um momento para que a população entenda a importância da doação de sangue e tire dúvidas sobre a doação de medula óssea. “Acompanho o trabalho do Dr. Vanderson já tem uns anos e hoje será um momento de troca bastante enriquecedor. Ele tem um vasto trabalho prestado na área de hematologia e é reconhecido internacionalmente. É um momento oportuno para que todos possam participar, agregar conhecimento e sanar dúvidas”, disse.

O evento online conta com o apoio da União Nacional dos Legisladores e Legislativos do Brasil. A deputada estadual Luana Ribeiro preside a Secretaria de Saúde da Unale.

Dr. Vanderson Rocha

O Doutor Vanderson Rocha é médico especialista em Medicina Interna e em Hematologia e Hemoterapia pela Universidade Federal de Minas Gerais, e Transplante de Médula Óssea pela Universidade de Paris VII. O médico também é diretor presidente da Fundação Pró Sangue (Hemocentro de São Paulo), cientista e professor convidado da Universidade Oxford, no Reino Unido.

Continue lendo

Bastidores

Correção do saldo de contas do FGTS pode ter impacto de R$ 401 bilhões

Publicado

em

A mudança na correção do saldo do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço), cuja discussão está parada no STF (Supremo Tribunal Federal), pode ter um impacto de R$ 401 bilhões de reais nas contas do fundo. O cálculo foi feito pela Secretaria de Política Econômica, vinculada ao Ministério da Economia. 

Ao mesmo tempo em que as entidades representantes dos trabalhadores pressionam a Corte para colocar o processo em pauta novamente, o governo alerta para o risco da medida representar um financiamento mais caro para os próprios trabalhadores.

O saldo das contas do FGTS, segundo a lei em vigor, deve ser corrigido pela Taxa Referencial (TR), atualmente zerada, com acréscimo de um juro de 3% ao ano. Os ministros precisam decidir se a TR será corrigida de 1993 até 2013. 

Uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) pede a correção monetária e a aplicação de um dos índices de inflação ao consumidor medidos pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais o juros de 3%.

“Por muito tempo, o FGTS rendeu menos do que os juros e a inflação, mas recentemente, essa situação se inverteu”, comenta Thomas Carlsen, COO e co-fundador da mywork, startup focada em controle de ponto online para pequenas e médias empresas. “É um assunto espinhoso que pode afetar muito o governo”, diz o executivo. (Beatriz Candido Di Paolo)

Continue lendo

Bastidores

Brasil ocupa o 2º lugar no ranking do índice de mal-estar entre 38 países

Publicado

em

Com alta taxa de desemprego e inflação crescente, o Brasil ocupa a 2a posição em ranking que mede o mal-estar de 38 países, ficando atrás apenas da Turquia. De acordo com estudo do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (Ibre-FGV), o país tem 19,83% de desconforto socioeconômico, contra 26,28% da nação turca.

A lista de países que é avaliada relaciona membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que engloba economias avançadas e o Brasil, e quanto maior o índice de desconforto apresentado, pior é a taxa. Em terceiro lugar no ranking está a Espanha (16,09%), seguida por Colômbia (15,63%), Grécia (14,08%) e Chile (13,42%).

O índice de infelicidade, que é medido através da soma das taxas de inflação e de desemprego, atingiu o pior patamar dos últimos cinco anos no primeiro trimestre de 2021. O mesmo índice foi registrado em 2016, quando o país enfrentava uma grave recessão econômica.

Segundo Daniel Duque, pesquisador responsável pela pesquisa, o índice brasileiro é preocupante, pois, ao contrário da líder do ranking, o indicador brasileiro vem piorando ao longo do tempo, especialmente durante a segunda onda da pandemia causada pela Covid-19.

“A pandemia sem dúvidas tem um impacto profundo no índice de desconforto socioeconômico dos brasileiros, tendo em vista o crescimento das taxas de desemprego e alta da inflação”, comenta Thomas Carlsen, COO e co-fundador da mywork, startup especializada em controle de ponto online e gestão de departamento pessoal para pequenas e médias empresas. “Embora o PIB do país esteja voltando a crescer, os efeitos negativos sobre a economia vão perdurar por um bom tempo”, avalia ele. (Beatriz Candido Di Paolo)

Continue lendo
publicidade
publicidade Bronze