Thairson Kenner Vieira foi assassinado a facadas em Tocantinópolis, no Bico do Papagaio, na noite desta sexta-feira (25). O crime aconteceu momentos depois de ele ter agredido a companheira, no setor Alto da Boa Vista I. Segundo a Polícia Militar, a princípio, a violência contra a mulher não está relacionada com o homicídio.

A PM informou que recebeu ligações de vizinhos denunciando a violência doméstica. Quando os policiais chegaram à casa, não encontraram o casal.

Os militares percorreram a região na tentativa de encontrá-los, momento em que localizou Thairson caído na rua Araguaia, já sem vida. O local foi isolado e a perícia foi chamada.

Depois, a PM foi até a residência da sogra de Thairson e encontrou a companheira dele, que havia sido vítima de violência. Ela disse que havia saído de casa após a agressão. Relatou ainda que a briga começou porque o jovem teria levados objetos furtados para a casa, onde eles moravam. A mulher afirmou também que não sabia que o companheiro havia sido vítima de homicídio naquela noite.

Na residência do casal, a PM encontrou um aparelho de TV, que pode ter sido produto de furto.

A Polícia Militar da cidade informou que Thairson tinha passagens por outros crimes. Em 2013, ele tentou matar o jornalista Roberlan Cokim, com uma facada no pescoço, na orla da cidade. O jovem foi condenado a doze anos de prisão. A pena foi reduzida para nove anos após decisão de 2ª instância. Mas ele ficou menos de três anos preso.

Testemunhas disseram que o cachorro de estimação da vítima permaneceu o tempo todo ao lado do corpo.

Conforma a Polícia Militar (PM) os principais suspeitos de matar Thairson Kenner Vieira, foram presos em uma casa abandonada na Vila Cansansão. São Eles, Douglas Marques Silva Machado, de 18 anos e Orleans Borges Nonato Ambrósio, 19 anos. Eles também tem passagens pela Polícia. (Com informações do G1/Foto: Roberlan Cokim)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.