Connect with us

Bastidores

Prefeitos do TO intensificam cobranças em Brasília por Cessão Onerosa e Emenda Parlamentar de Bancada

Publicado

em

A Associação Tocantinense de Municípios (ATM) mobilizou prefeitos e prefeitas a estarem presentes em Brasília nesta terça-feira (08) para participarem de reuniões que discutiram os percentuais de distribuição da Cessão Onerosa e o direcionamento de Emenda Parlamentar de Bancada para a aquisição de recursos e veículos aos Municípios tocantinenses.

A matéria relacionada à Cessão Onerosa está em tramitação na Câmara dos Deputados após ser discutida no Senado Federal no final de agosto e início de setembro. Contudo, nos últimos dias fontes do Palácio Alvorada revelaram eventual interesse do Governo em alterar a divisão dos recursos. A ideia do governo é retirar percentual de Estados e Municípios o direcioná-los para emendas parlamentares.

Cessão Onerosa

Em 2010, a Petrobras e a União fecharam um acordo denominado “Cessão Onerosa”, que permitirá à estatal explorar cinco bilhões de barris de petróleo em campos do pré-sal, sem licitação. Por outro lado, a empresa deve pagar  R$ 74,8 bilhões os cofres da União, montante que deverá ser distribuído entre União, Estados, Municípios e Estados produtores.

Inclusive, há estimativas do Governo Federal que apontam que essa exploração poderá ser um pouco maior e render seis bilhões de barris, com faturamento previsto para R$ 106 bilhões. Um megaleilão desse lote está previsto para ocorrer dia 06 de novembro deste ano, data já aprovada pela Câmara e Senado.

Com base na previsão desse faturamento, R$ 33 bilhões deverão ser destinados à Petrobras; R$ 48,9 bilhões à União; R$ 10,95 bilhões a Estados; R$ 10,95 bilhões a Municípios; e R$ 2,19 bilhões a Estados produtores.

Percentuais

O anúncio do Governo em reduzir os percentuais de distribuição dos recursos da Cessão Onerosa aos Municípios preocupou os prefeitos. “Os 10,95 bilhões previstos aos Municípios correspondem a 15% do faturamento previsto com a exploração. Ao tentar direcionar os percentuais para emendas parlamentares, o Governo reduz o percentual dos Municípioss para 10%, o que representa uma diminuição de 33% dos recursos inicialmente previstos para divisão justa entre todas as cidades”, explica o presidente da ATM e prefeito de Pedro Afonso, Jairo Mariano.

Alcolumbre

O presidente da ATM, que também é vice-presidente da Confederação Nacional de Municípios (CNM), se reuniu com os demais presidentes das entidades municipalistas dos Estados, com o presidente da CNM, Glademir Aroldi, bem como o presidente do Senado Federal, o senador Davi Alcolumbre (AP), na manhã desta terça-feira. No encontro, os municipalistas pediram apoio do parlamentar para manter os critérios que já foram aprovados no Senado Federal.

Segundo a CNM, o presidente do Senado, por sua vez, concordou com os municipalistas e defendeu que a matéria seja mantida da mesma forma quando for votada na Câmara a fim de garantir celeridade. “O presidente Davi está trabalhando muito para que os 15% dos Municípios se mantenham, assim como o critério pelo FPM”, disse o presidente da Confederação, Glademir Aroldi, ao destacar que mais de 400 prefeitos de todo o Brasil estavam em Brasília em mobilização junto aos parlamentares.

Essa também é uma luta dos prefeitos, que o critério de distribuição da Cessão Onerosa seja feita via Fundo de Participação dos Municípios (FPM), o que amplia a capacidade dos Municípios em aplicar esses recursos em diversas áreas de interesse das populações locais.

Maia

Em seguida, os Municipalistas se reuniram com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ). No encontro, o deputado prometeu que a matéria da Cessão Onerosa entra na pauta do plenário nessa quarta-feira (09). Além disso, Maia garantiu que serão mantidos os percentuais de 15% aos Municípios e os critérios do FPM.

Emenda Parlamentar de Bancada

Já no período da tarde, os prefeitos do Tocantins se reuniram com o coordenador da Bancada Federal de Tocantins em Brasília, deputado Federal Carlos Gaguim, e demais deputados federais para discutirem juntos a destinação de Emendas Parlamentares de Bancadas para o exercício de 2020, que devem ser indicadas na Lei Orçamentária Anual (LOA) e no Plano Plurianual (PPA).

A ATM protocolou ofício com o Gaguim no qual pede que parte da Emenda de Bancada seja direcionada aos Municípios para a aquisição de vans de passageiros para as redes Municipais de Saúde, dois ônibus escolares para cada Município, bem como a destinação de recursos aos Fundos Municipais de Saúde, para o custeio de produtos e serviços nessa área.

“Os pequenos Municípios tocantinenses, que correspondem a cerca de 80% dos Municípios do Tocantins, sofrem com a escassez de recursos e vivem basicamente do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), sem possibilidades de investimentos, o que dificulta a construção de obras e a aquisição de máquinas e veículos. As Emendas de Bancada podem suprir essa necessidade de investimentos dos Municípios”, finaliza Jairo Mariano. 

publicidade
FAÇA UM COMENTÁRIO
Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.
Faça um comentário

Bastidores

Propaganda eleitoral no rádio e TV para 2ª Turno terminam nesta sexta, 27

Publicado

em

A propaganda eleitoral gratuita em rádio e televisão dos candidatos que concorrem ao segundo turno nas eleições municipais deste ano termina nesta sexta-feira (27). Hoje é também o último dia para a realização de debates no rádio e na televisão. 

Ao todo, 57 municípios brasileiros com mais de 200 mil eleitores terão segundo turno no próximo domingo (29). A propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão para a eleição de prefeitos teve início no dia 16 de novembro.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 38.284.410 eleitores estão aptos a votar no segundo turno das eleições municipais de 2020. Das cidades que vão definir os prefeitos em segundo turno, 18 são capitais. 

A Região Nordeste tem a maior quantidade de capitais (sete) que ainda não definiram o chefe do Poder Executivo local: Maceió, Fortaleza, São Luís, João Pessoa, Recife, Teresina e Aracaju. Na sequência, vem a Região Norte, com cinco capitais no segundo turno: Rio Branco, Manaus, Belém, Porto Velho e Boa Vista.

Os eleitores de Vitória, do Rio de Janeiro e de São Paulo (SP) também terão de comparecer às urnas no próximo dia 29. Cuiabá e Goiânia são as duas únicas capitais do Centro-Oeste brasileiro a disputar o segundo turno. No Sul, apenas Porto Alegre (RS) terá disputa.

Segurança sanitária

Em decorrência da pandemia de covid-19, o horário de votação foi estendido e será realizado das 7h às 17h (horário local). O horário das 7h às 10h é preferencial para maiores de 60 anos. Os demais eleitores não serão proibidos de votar nesse horário, mas devem, se possível, comparecer a partir das 10h, respeitando a preferência.

Também em virtude da pandemia, o uso de máscaras é obrigatório. Sem ela, o eleitor não poderá votar. Caso seja necessário, o mesário pode pedir que o eleitor se afaste e abaixe a máscara para conferir a foto na identidade.

Entre os protocolos de segurança está a exigência do distanciamento mínimo de um metro. Não será permitido comer ou beber na fila de espera. A medida é para evitar que as pessoas tirem a máscara.

O TSE recomenda que os eleitores levem sua própria caneta para assinar presença no caderno de votação.

Proibições

No dia da votação, a legislação eleitoral proíbe a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de seus candidatos. Também são vedados, até o término do horário de votação, com ou sem utilização de veículos: aglomeração de pessoas com vestuário padronizado ou instrumentos de propaganda; caracterização de manifestação coletiva e/ou ruidosa; abordagem, aliciamento, utilização de métodos de persuasão ou convencimento; e distribuição de camisetas.

A legislação proíbe ainda o uso de alto-falantes, amplificadores de som, a realização de comícios, carreatas e qualquer veículo com jingles; a arregimentação de eleitor ou a propaganda de boca de urna; o derrame de santinhos e outros impressos no local de votação ou nas vias próximas, ainda que realizado na véspera da eleição; e a publicação de novos conteúdos ou a intensificação de conteúdo na internet, podendo ser mantidos em funcionamento as aplicações e os conteúdos publicados anteriormente.

Continue lendo

Bastidores

Governo do Tocantins publica normas e prazos para o encerramento do exercício financeiro de 2020

Publicado

em

O Governo do Estado do Tocantins publicou um novo decreto nesta quinta-feira, 26, que trouxe os procedimentos e os prazos a serem adotados por órgãos e entidades do Executivo quanto ao encerramento do exercício financeiro de 2020. 

Ao final de cada ano, são publicadas as orientações visando à organização da gestão e ao controle das despesas públicas. De acordo com o titular da Secretaria de Estado da Fazenda e Planejamento (Sefaz), Sandro Henrique Armando, a determinação do Governo do Tocantins é para que todos os órgãos sigam com o cronograma estabelecido. 

“O decreto com todas as informações está publicado no Diário Oficial do Estado e  estabelece, inclusive, o levantamento de balanços que devem ser informados no Siafe [Sistema Integrado de Administração Financeira do Estado do Tocantins]. Esse tipo de planejamento faz parte da nossa política de controle financeiro e permite que a Gestão prepare o terreno para o ano seguinte, podendo honrar com seus pagamentos e planejar novas políticas públicas para o cidadão tocantinense”, afirma o Secretário.

Data Limite

Conforme o Decreto n° 6.188, de 26 de novembro de 2020, foram fixadas as seguintes datas limites para o processamento de despesas: Empenho e liquidação de recursos ordinários do tesouro, extracota e recursos próprios, com data final de 4 de dezembro de 2020 e ainda Despesas de demais fontes de recursos, no dia 18 de dezembro.

Quanto à expedição de Ordem Bancária, o prazo final ficou em 28 de dezembro. Contudo, o Governo do Tocantins salienta que o procedimento administrativo de pagamento de Ordem Bancária, executado pela Secretaria de Estado da Fazenda e Planejamento, deverá ser encaminhado à Superintendência do Tesouro Estadual até o dia 21 de dezembro.

Vale destacar que os prazos estabelecidos pela gestão não valem para as despesas relacionadas ao combate à pandemia do novo Coronavírus, nem para gastos com folha de pagamento, ações e serviços públicos de saúde, manutenção e desenvolvimento do ensino e demais despesas consideradas essenciais.

Conciliação e Ajuste

O decreto traz ainda outras atribuições das unidades gestoras das Administrações Direta e Indireta. Caberá aos gestores adotar os procedimentos de análise, conciliação e ajuste das contas que afetem o resultado financeiro, econômico e patrimonial do Estado, além dos saldos a transferir para o exercício do ano seguinte. 

O decreto informa que as unidades deverão ainda proceder com o levantamento da dívida real do órgão ou da entidade, independentemente da natureza, e ficar atentas ao cancelamento daquelas despesas incluídas na prescrição quinquenal.

Restos a Pagar

Quanto aos procedimentos para aquelas despesas empenhadas neste ano e que não serão pagas até o dia 31 de dezembro, que são os restos a pagar, o Governo do Tocantins estabeleceu que somente poderão ser inscritas as despesas que se enquadrem nos seguintes casos:

– como Restos a Pagar Processados (RPP), as despesas que completarem o estágio da liquidação e que se encontrem prontas para pagamento;

– como Restos a Pagar Não Processados (RPNP), das despesas que concluíram o estágio do empenho e que se encontrem, em 31 de dezembro de 2020, pendentes de liquidação e pagamento.

Por fim, a inscrição dos restos a pagar das despesas do exercício financeiro deverá ser efetuada até o dia 12 de janeiro de 2021. (Rafael Miranda)

Continue lendo

Bastidores

Déficit primário do Governo Central atinge R$ 3,56 bilhões em outubro

Publicado

em

Em um mês tradicionalmente marcado por superávit nas contas públicas, a retração econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus fez o Governo Central – Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social – encerrar outubro com déficit primário de R$ 3,563 bilhões. Apesar de ser o pior desempenho registrado para o mês desde 2015, quando o déficit chegou a R$ 13,189 bilhões, o resultado veio bem melhor que o estimado pelo mercado.

As instituições financeiras pesquisadas pelo Prisma Fiscal, publicação do Ministério da Economia com analistas de mercado, estimavam que o resultado negativo ficaria em R$ 44,1 bilhões no mês passado. Depois de terem caído 2% (descontada a inflação) em setembro, as receitas totais do Governo Central voltaram a subir em outubro, registrando alta de 9,8% acima da inflação em relação ao mesmo mês do ano passado.

O déficit primário representa o resultado negativo nas contas do governo desconsiderando os juros da dívida pública. De janeiro a outubro, o resultado negativo do Governo Central totalizou R$ 680,974 bilhões, valor recorde da série histórica para o período. Nos mesmos meses do ano passado, o déficit somava R$ 63,854 bilhões.

No acumulado de 12 meses, o déficit primário chega a R$ 725,6 bilhões, o equivalente a 9,8% do Produto Interno Bruto (PIB). Para 2020, o Ministério da Economia projeta resultado negativo de R$ 844,3 bilhões para o Governo Central, o equivalente a 11,7% do PIB.

Receita

Em relação à receita, o Tesouro Nacional afirma que a forte alta verificada em outubro se deve a receitas não administradas, que dependem do pagamento de tributos. Elas cresceram R$ 12,4 bilhões acima da inflação, na comparação com o mesmo mês do ano passado, motivadas principalmente pela recuperação da atividade econômica.

Os tributos que mais registraram aumento na arrecadação foram o Imposto de Renda, relacionado à elevação dos rendimentos do trabalho, e o Programa de Integração Social (PIS) e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). No caso do PIS/Cofins, a alta está relacionada à recuperação das vendas, que voltou aos níveis anteriores à pandemia de covid-19.

A arrecadação líquida da Previdência Social cresceu R$ 6,2 bilhões acima da inflação em outubro em relação ao mesmo mês de 2019. As receitas não administradas, no entanto, recuaram R$ 5,1 bilhões (descontada a inflação) na mesma comparação, motivada principalmente pela diminuição do pagamento de dividendos de estatais ao Tesouro durante a pandemia de covid-19 e pela queda na produção de petróleo.

Coronavírus

Mesmo com a recuperação em outubro, as receitas líquidas do Governo Central acumulam queda de 11,6% de janeiro a outubro descontada a inflação. O recuo reflete a crise econômica provocada pela pandemia do novo coronavírus, que paralisou a produção e o consumo durante algumas semanas.

Além da queda nas receitas, o aumento de despesas com o enfrentamento da pandemia da covid-19 tem pressionado o aumento do déficit primário. Por causa do estado de calamidade pública aprovado pelo Congresso em março, o Governo Central está dispensado de cumprir a meta de déficit primário de R$ 124,1 bilhões para este ano.

Segundo os números do Tesouro, as medidas associadas à pandemia aumentaram as despesas em R$ 29,8 bilhões no mês passado. A maior despesa decorre do auxílio emergencial, que totalizou R$ 21 bilhões. Em segundo lugar, vem o aporte de R$ 5 bilhões do Tesouro ao Fundo Garantidor de Operações, que garante empréstimos para micro e pequenas empresas.

A ajuda aos estados e municípios consumiu R$ 3,6 bilhões em outubro, depois que a última parcela de R$ 15,03 bilhões da ajuda total de R$ 60,2 bilhões foi paga em setembro. O Tesouro ainda desembolsa recursos para reforçar os sistemas de saúde dos governos locais e compensar a queda nos repasses dos Fundos de Participação dos Estados e dos Municípios.

Reformas

Mesmo com autorização para gastar mais, o Tesouro fez um apelo para a continuidade das reformas estruturais, de modo a preservar o teto federal de gastos, a única âncora fiscal que restou no Orçamento de 2020. Segundo o órgão, é necessário retomar os esforços de prosseguir com as reformas administrativa, do pacto federativo e emergencial depois do fim da pandemia, caso contrário haverá danos para a sociedade e para a economia.

“A retomada do processo de consolidação fiscal passa pela garantia de que despesas temporárias não se tornem permanentes e pela discussão sobre o crescimento das despesas obrigatórias, reduzindo as incertezas sobre a trajetória futura do gasto público e robustecendo nossas regras fiscais, como o teto de gastos, base da ancoragem das expectativas, da recente queda de juros no Brasil e do aumento da confiança dos agentes econômicos”, informou o Tesouro, em comunicado.

Continue lendo
publicidade Bronze